Debates

  • Compartilhe:
Conversa na Biblioteca 22 / 07 / 2015| André Costa

A gente não quer só transporte

Em debate promovido pelo Vozerio, cientista político e economista defendem modelo de mobilidade que não inclua só transporte, mas preveja melhor distribuição também de emprego, lazer e cultura: "obra não é solução".

Recentemente avaliada por um instituto holandês como a terceira metrópole mais congestionada do mundo, o Rio vive um momento de aparentes grandes mudanças em seu sistema de mobilidade urbana. Dos recém-implementados BRT e Passe-Único, passando pela demolição da Perimetral e pela expansão da malha de ciclovias, à inauguração da Linha 4 do metrô e do VLT previstas para 2016, uma análise preliminar talvez levasse a crer que, a despeito dos engarrafamentos, tal como uma vez se jactou o prefeito Eduardo Paes, “nunca na história dessa cidade se fez tanto em transportes”.

Essas inovações, entretanto, de fato serão aquelas que a cidade mais precisava? A partir de qual concepção de transporte urbano se organizam, e de acordo com quais interesses? Serão elas o suficiente para garantir o direito à cidade?

A fim de procurar respostas para perguntas como essas, o Vozerio promoveu nesta última terça (21/07) a terceira edição do ’Conversas na Biblioteca’, na Biblioteca Parque Estadual, no Centro. Com participação do cientista político, cofundador e coordenador do Meu Rio Miguel Lago, e o economista especializado em mobilidade urbana e coordenador de informação da Casa Fluminense Vitor Dias Mihessen, o debate, organizado em formato de bate-papo, girou em torno da pergunta "Mobilidade e integração social: o Rio é acessível para quem?", apresentando dados, relatos e análises que problematizam e contradizem a visão encantada sugerida pelo alcaide.

Lago resumiu em uma de suas primeiras frases o ponto que se dedicaria a demonstrar ao longo de sua participação: “O transporte público é a imagem perfeita da ‘mafialização’ do Estado em que vivemos”. Por ‘mafialização’, Lago se referia à ausência de transparência nos contratos relacionados ao transporte da região metropolitana do Rio.

JPEG - 32.5 kb
Guilherme Braga Alves, ao centro, fala sobre o BRT em Campo Grande (Foto: Pedro de Souza/Vozerio)

Segundo o cientista político, os contratos que determinam o preço do metrô (R$ 3,70) por exemplo, são inacessíveis até mesmo por meio da Lei de Acesso à Informação, ao mesmo tempo em que o transporte rodoviário, licitado em 2010, está concentrado em operadores da própria cidade, devido a um processo de seleção considerado não isonômico por concorrentes internacionais.

"Obra não é solução"
Mihessen, por sua vez, enfatizou que qualquer solução para o a mobilidade no Rio não pode incluir apenas transporte, mas necessita fazer parte de uma série mais ampla de mudanças, compreendendo alternativas locais de emprego, lazer, cultura e educação. "Obra não é solução", disse o economista. A Casa Fluminense, em suas palavras, “defende uma pauta de desenvolvimento local, que não diga respeito apenas a emprego, mas também a lazer e cultura. [As pessoas] não estão no trem por gostarem do trem, mas sim porque estão em busca de trabalho e lazer”.

Essa exigência de desenvolvimento local se explica pelos altos custos de tempo e de dinheiro envolvidos na locomoção. Citando dados de sua dissertação de mestrado, obtidos a partir de indicadores do Censo e disponibilizados parcialmente neste artigo, o pesquisador observou que em média gasta-se mais dinheiro com transporte do que com alimentação. Os gastos relacionados à locomoção, portanto, ficam atrás apenas dos de moradia.

Os mesmos custos elevados se repetem em relação ao tempo. A região metropolitana tem tempo de deslocamento médio da residência até o trabalho de 49 minutos — o que, no caso de Japeri, último município com serviço regular de trem da região metropolitana, chega a uma hora e 11 minutos, um dos índices mais altos do mundo, segundo o pesquisador.

Segundo Lago e Mihessen, a necessidade de mudanças abrangentes, para que de fato haja mobilidade na cidade, decorre destes números elevados. Ou seja: a criação de alternativas locais de emprego por si só é insuficiente se vastas áreas da região metropolitana continuarem desprovidas de alternativas de cultura e lazer.

Do mesmo modo, a criação de opções culturais em áreas distantes do Centro sozinha não basta, se não houver também uma política voltada a favorecer o empreendedorismo local, de modo a criar postos de trabalho próximos às residências e a diminuir o desemprego e os índices de informalidade.

JPEG - 22.8 kb
Segundo Mihessen, desenvolvimento local pode ajudar a resolver o problema da locomoção cara e demorada no Rio (Foto: Pedro de Souza/Vozerio)

Em suas sugestões sobre o que pode ser feito de imediato, Lago e Mihessen convergiram em uma demanda considerada prioritária e urgente: a por maior participação da sociedade civil na tomada de decisões. Respondendo a um questionamento do público, Lago observou que os mesmos lobbies que levam à “mafialização” decorrem de uma concentração na tomada de decisões na formulação de políticas públicas, que só pode ser combatida com maior diálogo e participação popular.

Citando o sociólogo espanhol Manuel Castells, o cientista político afirmou que “diante de redes de capital, é preciso haver redes de pessoas. Quanto mais democrática a sociedade, mais interessante ela será, porque redes de pessoas e redes de capital podem disputar a tomada de decisões”.

BRT de Campo Grande: sem consulta à população
Um exemplo concreto da importância da participação popular na tomada de decisões relacionada à mobilidade urbana foi oferecido em uma interação com a plateia. Segundo Guilherme Braga Alves, do coletivo Nós de Campo de Grande, o traçado do BRT Transoeste foi inicialmente definido sem consulta popular, e a princípio não previa o bairro mais populoso da capital.

Preocupado com o destino do transporte de sua vizinhança, o jovem escreveu para o prefeito Eduardo Paes no Twitter. Este respondeu que, sim, a linha expressa passaria por lá. Quando de fato ela chegou, entretanto, o trajeto até a Barra da linha incluía “uma perna para Santa Cruz”, isto é, “um desvio estúpido”. Sobre essa questão, todos os participantes concordaram: o caso poderia ter sido evitado com maior interlocução entre poder público e sociedade civil.

  • Compartilhe:

Convidados

Miguel Lago

Criador da rede mobilizadora Meu Rio. Formado em Ciência Políticas e mestre em Administração Pública pela Sciences Po Paris.

Vitor Dias Mihessen

Vítor Dias Mihessen é economista e coordenador de informação da Casa Fluminense.

Mais Conversa na Biblioteca

Numa guerra sem vencedores, vitória é continuar a acreditar

Numa emocionante edição do "Conversas na Biblioteca", midiativista e pesquisadora discutiram os efeitos da política de drogas nas favelas do Rio

Notícias falsas no quarto maior jornal do país

Em bate-papo na Biblioteca Parque Estadual, autores do Sensacionalista revelaram bastidores e o processo criativo das manchetes fictícias

Guerra sem vencedores: a política de drogas na favela e no asfalto

Ana Paula Pelegrino e Raull Santiago discutem tema na próxima quarta-feira (24/2), a partir das 18h, na Biblioteca Parque Estadual

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre participação

Grupo no Facebook promove ciência cidadã sobre fauna marinha no Rio

Conselho da Juventude convida jovens a pensar políticas públicas

Para Rafaela Marques, coordenadora do programa, o conselho preenche lacunas da participação da juventude no governo

"A crise pode aumentar o cuidado e o interesse pelo voto", afirma cientista político

Para o professor da UFRJ Jairo Nicolau, crise vivida pelo Brasil pode atrair mais atenção da juventude para a política eleitoral

Fórum Rio discute a cidade pós-Olimpíadas este sábado na Pavuna

No evento, também será lançada a plataforma on-line AgendaRio.org, que servirá de repositório das ideias para melhorar a cidade e a região metropolitana

Mais sobre mobilidade

Nova lei divulgada nesta segunda (28) quase vetou operação do aplicativo no Rio

Os reis do Uber

Motoristas veteranos no aplicativo investem em frotas para alugar aos que não têm condições de comprar seu próprio carro

Cinco desafios para o próximo prefeito do Rio

Especialistas em saúde, educação, mobilidade, segurança e economia apontam os principais problemas que o novo gestor da cidade vai precisar resolver

Lugar de bike é na rua

No Méier, com os ativistas do Bike Anjo, repórter do Vozerio testa como é pedalar em ruas sem ciclovia. Bairro tem debate hoje sobre o tema

Mais sobre transporte público

Para Clarisse Linke, diretora do ITDP Brasil, transporte de alto custo e má qualidade é um fator de exclusão dos jovens nas cidades brasileiras

Estamos vivendo cada vez mais — isto é um problema?

O médico Alexandre Kalache, diretor do Centro Internacional da Longevidade (ILC-Brazil), diz que o Rio de Janeiro e o Brasil precisam se preparar para o envelhecimento da população

"Se a tarifa não baixar, o Rio vai parar": a tradição dos protestos contra o aumento de passagens

Rio de Janeiro tem histórico de manifestações contra o reajuste de preços no transporte público

O circo vai ao metrô

Em resposta a casos de repressão violenta a músicos no metrô carioca, produtor cultural sugere ocupar os trens com atividades circenses
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino