Burburinho

  • Compartilhe:
Burburinho 24 / 05 / 2016| Laís Jannuzzi

Artista plástico cria moeda solidária carioca que vale cerca de uma hora

No projeto "Banco dos Irreais", o mexicano José Miguel Casanova quer estimular a troca direta de tempo, serviços e experiências entre as pessoas sem a intermediação de dinheiro. Instalação de "agência" bancária dos irreais está exposta no MAR até 13 de junho.

Instalação artística do Banco dos Irreais no MAR (Foto: Anyatzin Ortíz)

Debaixo de uma das escadas do Museu de Arte do Rio (MAR), há uma pequena faixa de areia, algumas cadeiras de praia e um laptop. Ali, transeuntes podem se cadastrar e abrir suas contas no Banco dos Irreais, instituição criada pelo artista plástico mexicano José Miguel Casanova, professor da Universidade Nacional do México (Unam), para estimular a troca e valorização de tempo, experiências e serviços.

Nesse Banco dos Irreais, a moeda circulante é o irreal, que vale cerca de uma hora. Um abraço ou uma aula de autoCAD podem ter o mesmo valor, assim como um passeio de patins. Os correntistas do banco não buscam acumular milhares de irreais, mas oferecer seus conhecimentos — e até companhia —, visando uma ação colaborativa entre indivíduos. José Miguel explica a escolha do ambiente litorâneo para o cenário do projeto: "Ela [a praia] representa o espaço público, um lugar de encontro e troca entre os cariocas. Ilustra a proposta do banco."

A instalação artística do Banco dos Irreais fica no MAR até 13 de junho, mas o último evento ligado ao projeto, com a presença do criador, acontecerá no dia 25. O encerramento terá mesas com diálogos simultâneos, livre circulação e contará com uma feira de troca de irreais. O conteúdo do Banco dos Irreais e as dicas postadas no site virarão um livro sobre como viver melhor sem dinheiro.

Após a volta de José Miguel ao México, a ideia é que a Universidade das Quebradas dê continuidade ao Banco dos Irreais no Rio. "As parcerias com o museu e a UQ melhoram o alcance e chamam mais adesões porque são plataformas humanas. Esse papel a internet não consegue cumprir", explica o artista.

Moeda solidária

O conceito de moedas solidárias ou sociais não é novo. Elas costumam ser desenvolvidas em lugares com baixo índice de desenvolvimento humano (IDH) para estimular a economia da região. Uma das pioneiras no país é a moeda social Palmas, criada em Fortaleza pelo banco comunitário homônimo, que já tem versão eletrônica (e-dinheiro Palmas). O estado do Rio tem entre 6 a 10 bancos comunitários, dos quais o mais recente fica em Maricá — onde a "mumbuca" tem participação real na economia da região.

Para José Miguel, essas moedas sociais geralmente ficam restritas a regiões bem específicas e acabam sendo inseridas de alguma forma no mercado tradicional, adquirindo responsabilidades econômicas. Mas isso não aconteceria com os irreais, segundo o artista plástico, pois a circulação de moeda seria ampliada para toda a cidade e o irreal não tem as mesmas responsabilidades estabelecidas pelo mercado tradicional.

Toda determinação de valor e troca dos irreais é decidida pelos participantes em qualquer transação. "A economia financeira é uma loucura. Tudo isso que vem acontecendo no Brasil e na América Latina não vai parar enquanto não nos organizarmos de forma diferente. Para mim, a organização cidadã é a saída", comenta José Miguel. "É uma forma de garantir maior independência da sociedade e equilibrar sua relação com o mercado e o Estado."

  • Compartilhe:

Mais Burburinho

Parque Madureira não tem data para chegar à avenida Brasil

Prometida por Eduardo Paes para o ano passado, obra depende agora do aval de Marcelo Crivella

CCBB é palco de protesto após episódio de lesbofobia

Visitante acusa namorado de funcionária de discriminação durante ida ao local na última sexta (30)

Que tal aterrar a Lagoa?

Livro reúne soluções mirabolantes já propostas para os problemas de um dos principais cartões-postais do Rio

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre economia

Após 30 anos de trabalho na rede estadual, aposta nos salgados para comprar comida e pagar dívidas que ultrapassam R$ 600

Empresas em dívida com o Estado do Rio receberam isenção fiscal

Levantamento aponta que 22 empreendimentos somaram débitos que ultrapassam R$ 9 bilhões. PSOL quer que MP investigue o governo por crime de improbidade administrativa

Cinco desafios para o próximo prefeito do Rio

Especialistas em saúde, educação, mobilidade, segurança e economia apontam os principais problemas que o novo gestor da cidade vai precisar resolver

Investidores já podem comprar ações do futuro

Títulos de impacto social oferecem mecanismos de financiamento para projetos de saúde, redução do desemprego e reincidência de presos

Mais sobre arte

Painel formado por centenas de azulejos pintados por crianças da Maré será inaugurado na casa de moradora neste sábado (30/4); projeto pretende colorir ruas do bairro

Conheça os projetos cariocas que participarão da Bienal de Veneza deste ano

Nove dos quinze projetos brasileiros selecionados para o Pavilhão do Brasil na Bienal de Veneza são do Rio; iniciativas selecionadas vão de Madureira a Ipanema

"Será que a pichação é apenas uma atitude irresponsável?"

Gustavo Coelho é professor da Uerj e estuda pichação, bate-bolas e outros fenômenos cariocas sob o olhar da estética

Baixada em cena em espaços cariocas

Espetáculos teatrais, debates e encontros literários organizados por artistas da Baixada Fluminense ocupam bibliotecas parque a partir de hoje

Mais sobre museu

Falta a vários museus cariocas a habilidade de dialogar com o público. Por quê? Neste artigo, a museóloga Claudia Porto explica e apresenta sua definição de "museu do século XXI"

Maratona hacker incentiva inovações em museus

Desafio Hackathon começa nesta quinta-feira, promovendo disputa entre grupos de programadores para pensar museus do futuro.
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino