Burburinho

  • Compartilhe:
Burburinho 10 / 11 / 2016| Saulo Pereira Guimarães

Cidade de Deus vira capital da literatura

Favela da zona oeste, que completa 50 anos em 2016 sedia até domingo (13) a quinta edição da Feira Literária das Periferias (Flupp). Com 45 atividades previstas e 50 autores convidados, evento terá mais de 100 horas de programação

Foto: leitora aprecia livro na Flupp (Eduardo Magalhães/Flupp)

"Cidade de Deus é o maior barato", dizia um funk famoso dos anos 1990. A favela da zona oeste que comemora 50 anos em 2016 recebe desde a última terça (dia 8) a quinta edição da Festa Literária das Periferias (Flupp). Com 100 horas de programação e 50 autores convidados, o evento acontece até o próximo domingo (13).

Palestras, exibições de filmes e outras atividades compõem a agenda da festa. Ao todo, mais de 45 ações serão realizadas ao longo dos seis dias no Ciep João Batista dos Santos, que sedia o evento e fica localizado na rua Edgard Werneck, que corta a CDD. "A Flupp permite que jovens e outras pessoas negras, pobres e de comunidade exercitem a literatura como uma forma de expressão, o que é um muito importante para autoafirmação desses grupos", afirmou o antropólogo Athaíde Motta na mesa "Lugares de fala", realizada na última quarta (09).

A edição 2016 celebra o escritor gaúcho Caio Fernando Abreu, morto há exatos 20 anos. Antes dele, Lima Barreto, Wally Salomão, Abdias do Nascimento e a psiquiatra Nise da Silveira já haviam sido homenageados pelo evento. Desde sua criação, em 2012, a Flupp já esteve no Morro dos Prazeres, Vigário Geral, Mangueira e Babilônia. Em 2017, a realização no Vidigal marcará sua volta à Zona Sul.

Passeando na Flupp

Uma exposição diferente recebe quem chega ao Ciep onde acontece a Flupp. Batizada de "Cidade de Deus 50 anos", a mostra reúne histórias em quadrinhos (HQs) sobre o passado da favela. As HQs apresentam personagens como João Batista dos Santos, líder que movimentou o lugar nas décadas de 1960 e 1970, e Cilene Regina Vieira, professora importante da comunidade. Do lado oposto à exposição, uma espécie de teia sustenta livros de diversos gêneros à disposição dos amantes da literatura. É só pegar e levar.

Os locais onde acontecem as palestras ficam ao fim do corredor formado pela mostra e pela "teia". "Como acontece todos os anos, livros do autor homenageado batizam esses espaços", explica Ecio Salles, escritor e um dos criadores da Flupp. Do lado direito de quem entra, fica a tenda Morangos mofados. Trata-se da quadra do Ciep, que foi transformada em um colorido auditório com mais de 150 cadeiras. As atividades realizadas ali contam com tradução simultânea para Libras. É o caso das etapas do Rio Poetry Slam, campeonato internacional de poesia falada que acontece entre um debate e outro da festa.

Atrás da Morango Mofados, a tenda Triângulo das Águas abriga o experimento Machine to be another. Criado pelo coletivo BeAnotherLab, o trabalho usa técnicas de realidade virtual e teatro imersivo para contar histórias de famílias que perderam integrantes por causa da violência. As sessões de 15 minutos acontecem diariamente, de 14h às 22h, e a procura tem sido grande. Já a tenda Pequenas epifanias fica do lado esquerdo de quem entra no Ciep. Trata-se de um espaço um pouco menor, mas com programação igualmente interessante. Na última quarta, quem esteve lá pôde ver Eduardo Suplicy ler trechos de um discurso do pastor americano Martin Luther King Junior para mães que perderam seus filhos por conta da guerra às drogas. Ao fim da leitura, o público aplaudiu o ex-senador.

Confira a programação da Flupp neste fim de semana aqui

  • Compartilhe:

Mais Burburinho

Parque Madureira não tem data para chegar à avenida Brasil

Prometida por Eduardo Paes para o ano passado, obra depende agora do aval de Marcelo Crivella

CCBB é palco de protesto após episódio de lesbofobia

Visitante acusa namorado de funcionária de discriminação durante ida ao local na última sexta (30)

Que tal aterrar a Lagoa?

Livro reúne soluções mirabolantes já propostas para os problemas de um dos principais cartões-postais do Rio

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre favela

Documentário conta cinco histórias de jovens migrantes que residem nas favelas do Rio

UPPs: 8 anos depois

Moradores de favelas ocupadas revelam impressões, opiniões e expectativas em relação ao projeto

Daqui do morro, eu não saio não

Até o fim do mês, moradores e historiadores relembram relação entre favela e ditadura em curso sobre o tema

Soluções para as cidades no século 21

Fazendas urbanas e reformas planejadas para favelas são algumas iniciativas que pretendem tornar mais equilibrado o crescimento das metrópoles brasileiras

Mais sobre cultura

Visitante acusa namorado de funcionária de discriminação durante ida ao local na última sexta (30)

Biblioteca Parque amanhece fechada no Centro

De acordo com Governo do Estado, fechamento é excepcional e prefeitura deve manter espaço aberto em 2017

’Sem cultura é barbárie’

Artistas e gestores pedem que o Governo do Estado não acabe com a Secretaria Estadual de Cultura, e de quebra criticam o município por falta de transparência em Fomento às Artes

Novo endereço para criar e empreender

Espaço de ’coworking’ Gomeia surge como centro de articulação entre grupos atuantes em cultura na Baixada Fluminense

Mais sobre literatura

Esquecida pela história e pelas editoras, a escritora carioca Albertina Bertha (1880-1953) começa a ter sua obra redescoberta — 100 anos depois da publicação de seu primeiro livro, "Exaltação"

Editora aposta em vaquinha para lançar livros de nicho

Editora usa o crowdfunding para financiar projetos literários — uma alternativa para livros ignorados pelo mercado

A saga de quem faz cultura nas ruas do Rio

Organizadores do Sarau do Escritório mostram como vencer o vilão da burocracia em 11 fases

Bibliotecas municipais sofrem com falta de funcionários e problemas estruturais

Enquanto a Prefeitura acena com ajuda mensal de R$ 1,5 milhão para as bibliotecas-parque do governo estadual, estabelecimentos municipais sobrevivem sem computadores, ar condicionados e pessoal

Mais sobre Zona Oeste

Possibilidade de região ser invadida por prédios assusta quem vive em um dos últimos recantos verdes da cidade

Debate sobre políticas de segurança reúne moradores de Realengo

Inspirado na série OsteRio, evento "OesteRio" teve participação da pesquisadora Silvia Ramos

O livre mercado na porta da cadeia

De dormitório a sex shop, um mercado informal floresce em torno do Complexo Penitenciário de Gericinó, voltado aos milhares de visitantes diários das 26 unidades prisionais do bairro

Com barragem, canal não está pra peixe

Estrutura em Santa Cruz que serve água a indústrias dificulta navegação e inviabiliza pesca
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino