Pensatas & paixões

  • Compartilhe:
Paixões 21 / 05 / 2015|

Cidade mulher

O Rio costuma reservar às mulheres um lugar muito bem definido: quanto menor a roupa, maior o destaque. Mulher é vitrine, uso e abuso. Especialmente no carnaval. Mas é justamente através do samba que grupos andam botando na rua o bloco contra o sexismo.

“Cidade notável,
Inimitável,
Maior e mais bela que outra qualquer.
Cidade sensível,
Irresistível,
Cidade do amor, cidade mulher.”

Cheia de curvas e de contradições, essa “mulher” chamada Rio de Janeiro, da marcha Cidade Mulher, de Noel Rosa, tem no Carnaval o seu ponto máximo de atração, com a participação de milhares de foliãs e foliões.

Notável, inimitável, sensível, é ainda uma cidade sexista, machista e desigual, reflexo do que se passa no restante da sociedade brasileira. Até mesmo no Carnaval, o Rio costuma reservar às mulheres um lugar muito bem definido: quanto menor a roupa, maior o destaque. Mulher é vitrine, uso e abuso. O desbunde tem limites que esbarram no preconceito.

Mas essa moça anda diferente. Ou, ao menos, tem tentado.

Muitas foram as vozes, no Carnaval deste 2015, que tentaram trazer a discussão do papel da mulher para a folia – e na folia. O engajado bloco Comuna que Pariu cantou o samba “Lugar de mulher é onde ela quiser.” Numa outra versão da mesma história, juntas criamos o bloco Mulheres Rodadas; um protesto feminista bem humorado.

Tudo começou com um post machista no Facebook. Antes de existir de verdade, o bloco foi uma criação virtual. Mais de dez mil pessoas aderiram online. No dia, eram duas mil – principalmente mulheres – ocupando e enfeitando as ruas do Largo do Machado ao Aterro do Flamengo.

O ato foi muito mais que um panelaço entre amigas e amigos. Virou um festival de cinco horas, que acabou numa grande fanfarra na Praia e ocupou páginas nos jornais do mundo inteiro. De cantos escondidos dos Estados Unidos à Bulgária. A construção coletiva – com três bandas tocando de forma gratuita, sem patrocínio –, que tanto impulsiona as ações cariocas, foi a forma que encontramos para botar nosso bloco na rua. Foi dia de celebrar e cantar por uma cidade da mulher. Estávamos juntas para denunciar, na folia, o quão absurda é a ideia de categorizar quem quer que seja por suas decisões sexuais.

O Rio de Janeiro sempre foi a ponta de lança dos costumes brasileiros e a folia permite esse desvio de rota: reconstruir a partir da piada

“Esse bloco é de sapatão?”, perguntou um sujeito meio perdido, que passou ao lado da folia. Sim. O bloco foi das lésbicas, das militantes, das trepadeiras, dos maridos e esposas das mulheres rodadas, d@s seus filh@s e namorad@s, d@s descolad@s, dos doidões, das solteiras, mas, principalmente, delas.

Fridas, taxistas, prostitutas, santas e até uma inacreditável catraca de ônibus. Saias de todas as cores, vestidas por homens e mulheres, bambolês, pernas de pau e muita purpurina deram origem a um momento de apoteose de pura democracia e loucura carnavalesca.

Para nossa alegria, assim como muitos movimentos carnavalescos, o nosso bloco acabou atravessando o carnaval e sobrevivendo para muito além dos quatro dias. Tanto que comemoramos, no dia 8 de março, o Dia Internacional da Minissaia, com um evento que levou grafite e música à Praia de Copacabana. Nossa briga, que reuniu alunas de alguns colégios do Rio de Janeiro, era para garantir que a roupa não fosse uma ameaça, nem uma coação.

Muitos movimentos paralelos têm tomado força neste sentido. Este mês mesmo, foi sancionado projeto de lei do vereador Renato Cinco para o combate permanente ao machismo, assim como para a valorização das mulheres nas escolas públicas do Rio.

Quando um tema se torna bandeira em várias frentes, o impacto passa a ser visível. Dessa união de esforços, vem o sucesso das iniciativas.

O Rio de Janeiro sempre foi a ponta de lança dos costumes brasileiros e a folia permite esse desvio de rota: reconstruir a partir da piada. Promover o encontro das pessoas para rir do seu ridículo, diminuir seus receios e construir uma nova realidade. Que venham mais blocos das mulheres, das trans, dos invisíveis; que os processos durem não só o Carnaval, mas o ano inteiro. E que façamos juntos essa reconstrução do Rio, nossa cidade bela porque unida.

“(...) as desigualdades de gênero somente serão superadas a partir da elaboração de políticas públicas que efetivamente assegurem o direito à cidade, pois as fraturas e lacunas no campo dos direitos humanos e sociais voltados para as mulheres ainda são muito pronunciadas.”

(Relatório “O Progresso das Mulheres no Brasil 2003–2010”, Cepia – Cidadania, Estudo, Pesquisa, Informação e Ação e ONU Mulheres)

  • Compartilhe:

Convidado

Débora Thomé e Renata Rodrigues

Fundadoras do bloco Mulheres Rodadas

Mais Paixões

Ocupando a rua, com a bênção de Donga e João da Baiana

Como um bloco como o Escravos da Mauá contribui para fortalecer a identidade do seu bairro — no caso, a zona portuária? Neste artigo, Teresa Guilhon — uma das fundadoras do cortejo — explica

Um roteiro crítico das bibliotecas do Centro, parte II

Uma nova investigação sobre como as bibliotecas do Centro tratam quem as procura como local de trabalho ou estudo.

Natal em Jardim Gramacho

O lixão de Duque de Caxias foi fechado, mas o lixo está por toda parte, integrando-se ao cotidiano das crianças

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre cultura

Visitante acusa namorado de funcionária de discriminação durante ida ao local na última sexta (30)

Biblioteca Parque amanhece fechada no Centro

De acordo com Governo do Estado, fechamento é excepcional e prefeitura deve manter espaço aberto em 2017

’Sem cultura é barbárie’

Artistas e gestores pedem que o Governo do Estado não acabe com a Secretaria Estadual de Cultura, e de quebra criticam o município por falta de transparência em Fomento às Artes

Novo endereço para criar e empreender

Espaço de ’coworking’ Gomeia surge como centro de articulação entre grupos atuantes em cultura na Baixada Fluminense

Mais sobre feminismo

Rede Agora Juntas encerra neste sábado (17), na Glória, experiência que debateu direitos das mulheres

Documentário, campanha e evento discutem igualdade de gênero

Filme sobre estereótipos masculinos foi publicado hoje no Youtube; campanha #ElesporElas vai incentivar compromisso contra discriminação de gênero

Câmara municipal ou clube do bolinha?

Número de candidatos é mais que o dobro que o de candidatas nas cinco maiores cidades da região metropolitana do Rio

Volições de Albertina

Esquecida pela história e pelas editoras, a escritora carioca Albertina Bertha (1880-1953) começa a ter sua obra redescoberta — 100 anos depois da publicação de seu primeiro livro, "Exaltação"

Mais sobre carnaval

Curta sobre a imposição de padrões de beleza no carnaval estréia nesta sexta-feira, 4/11

O Filósofo do Samba

Nascido há 100 anos, sambista Silas de Oliveira é autor de uma obra atemporal, que vem sendo resgatada por uma nova geração de músicos

Cinco visões sobre o futuro do Rio

No aniversário do Rio de Janeiro, Vozerio conversou com especialistas para ouvir suas expectativas em relação ao futuro da cidade.

Peixes mortos nas lagoas de Maricá preocupam população

Episódio começou na manhã desta quarta-feira; comerciantes se preocupam com os negócios durante o carnaval
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino