Pensatas & paixões

  • Compartilhe:
Pensatas 6 / 05 / 2016|

Como a Geral explica o mundo

Fica óbvio que podemos ver refletido na gentrificação do Maracanã um processo muito mais amplo e que tem relação não apenas com a Geral, mas também com a especulação imobiliária, os piscinões, o sambódromo, as linhas de ônibus racionalizadas e tantos outros exemplos diários da nossa cidade.

Foto: Geral do Maracanã (Divulgação/Facebook)

Em algum momento do primeiro semestre de 2005, meu amigo Renato e eu decidimos que era a hora de conhecer a Geral, mitológico espaço do Maracanã que estava com seus dias contados. Daquela longínqua tarde de sábado, nasceu um filme que, 11 anos depois, chega esta semana ao traiçoeiro e instável circuito de salas comerciais de cinema.

O que vimos e sentimos durante esse período é algo impossível de se colocar em palavras. Entre tantas, diria que uma chique e ainda pouco estudada é a que mais representa nosso processo: gentrificação.

Segundo a Wikipédia, chama-se gentrificação (do inglês gentrification) o fenômeno que afeta uma região ou bairro pela alteração das dinâmicas da composição do local, tal como novos pontos comerciais ou construção de novos edifícios, valorizando a região e afetando a população de baixa renda local. Tal valorização é seguida de um aumento nos custos de bens e serviços, dificultando a permanência de antigos moradores de renda insuficiente para sua manutenção no local cuja realidade foi alterada.

Segundo um amigo que vai direto ponto e tentou resumir tudo isso aí de cima, gentrificação é uma palavra bonita e difícil que, no fundo, quer dizer “tira esse povo feio daí”.

O que ficou disso tudo foi um estádio frio, sem alma, sem história e sem seus fiéis frequentadores

No caso específico do que ocorreu com o estádio do Maracanã (nascido em 1950 e falecido em 2010), é fácil ver como as duas definições procedem. Afinal, depois de sua última, mais cara e vergonhosa reforma, o Maraca foi mesmo afetado por uma valorização. Não de sua história, totalmente desrespeitada. Nem mesmo de seus frequentadores, relegados ao pay-per-view do boteco. Foi apenas uma valorização do custo de sua reforma, que envolveu a Fifa e seus sócios brasileiros em negócios suspeitos.

O reflexo disso é a segunda parte da explicação da Wikipédia: aumento no valor dos ingresso e mudança no “perfil” do público (ambos inescrupulosamente previstos no texto do edital de licitação!). E onde as duas definições se completam? Na terceira e última etapa do processo: “dificultando a permanência de antigos moradores de renda insuficiente para sua manutenção no local cuja realidade foi alterada”. Em outras palavras, “tira esse povo feio daí”.

O que ficou disso tudo foi um estádio frio, sem alma, sem história e sem seus fiéis frequentadores. Atualmente, podemos também incluir nessa lista: sem jogos, sem administração, sem cuidado e sem dinheiro. E isso é o pior que poderia acontecer? Do ponto de vista do simbolismo que o Maracanã tem para o futebol e a cultura do Brasil, sim. Do ponto de vista da cidade, não.

Afinal, como lembra Marcelo Freixo durante o filme, o fim da Geral do Maracanã não é apenas o fim de um estádio, mas também o fim de um projeto de cidade. Ou seja, como seria fácil simplificar, não estamos apenas tratando de um estádio de futebol. Muito pelo contrário.

Fica óbvio que podemos ver refletido na gentrificação do Maracanã um processo muito mais amplo e que tem relação não apenas com a Geral, mas também com a especulação imobiliária, os piscinões, o sambódromo, as linhas de ônibus racionalizadas e tantos outros exemplos diários da nossa cidade.

É sobre isso também que trata Geraldinos, documentário de longa-metragem que entrou em cartaz na quinta-feira, 5 de maio, no Rio de Janeiro.

  • Compartilhe:

Convidado

Pedro Asbeg

Diretor dos documentários Mentiras Sinceras, Democracia em preto e branco e Geraldinos

Mais Pensatas

Recado da Cidade de Deus

Pesquisador do CESeC relata a indignação de moradores da Cidade de Deus se reuniram em um protesto na quinta-feira (24/11) contra o uso de mandado de busca coletivo nas ações policiais

Novo endereço para criar e empreender

Espaço de ’coworking’ Gomeia surge como centro de articulação entre grupos atuantes em cultura na Baixada Fluminense

O Filósofo do Samba

Nascido há 100 anos, sambista Silas de Oliveira é autor de uma obra atemporal, que vem sendo resgatada por uma nova geração de músicos

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre cinema

Documentário conta cinco histórias de jovens migrantes que residem nas favelas do Rio

Curta- metragem discute o universo do samba

Curta sobre a imposição de padrões de beleza no carnaval estréia nesta sexta-feira, 4/11

“A cadeira do barbeiro é um divã”

Diretor de A Batalha do Passinho, Emílio Domingos fala sobre Deixa na Régua, seu novo filme que aborda universo das barbearias cariocas

Imagens da periferia

Mostra dedicada a filmes feitos por moradores de favelas pretende oferecer novos enquadramentos da periferia

Mais sobre Rio de Janeiro

Curso de idiomas ajuda refugiados a tentar um recomeço na região metropolitana do Rio

Que tal aterrar a Lagoa?

Livro reúne soluções mirabolantes já propostas para os problemas de um dos principais cartões-postais do Rio

Biblioteca Parque amanhece fechada no Centro

De acordo com Governo do Estado, fechamento é excepcional e prefeitura deve manter espaço aberto em 2017

De mulher para mulher: ocupação feminista no Rio

Rede Agora Juntas encerra neste sábado (17), na Glória, experiência que debateu direitos das mulheres

Mais sobre esportes

Espaço em Botafogo dedicado ao jornalismo investigativo planeja reportagens especiais, laboratórios e exposições interativas sobre os impactos dos megaeventos na vida dos brasileiros

O Rio não é só futebol

Ensino e prática de modalidades esportivas pouco comuns entre os brasileiros — como beisebol e badminton — se espalham pela região metropolitana
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino