Burburinho

  • Compartilhe:
Burburinho 19 / 04 / 2016| Laís Jannuzzi

Conheça os projetos cariocas que participarão da Bienal de Veneza deste ano

A 15ª Mostra de Arquitetura da Bienal de Veneza deste ano vai dedicar atenção especial ao Rio de Janeiro. Dos 15 projetos selecionados para a mostra "Juntos", de curadoria do arquiteto Washington Fajardo, nove foram criados por organizações, artistas e produtores culturais cariocas. Desenvolvidos em diferentes bairros da cidade, os projetos conciliam a escassez de investimento com o respeito às demandas locais e culturais de cada região.

Um circo para jovens e adolescentes na Praça Onze; um centro cultural em Madureira; uma horta pública no Vidigal. Parecem — e são — projetos sociais de atuação local, mas logo ganharão alcance internacional: eles foram escolhidos para integrar o Pavilhão do Brasil na 15ª Mostra de Arquitetura da Bienal de Veneza. De 28 de maio a 27 de novembro deste ano, a exposição "Juntos", de curadoria do arquiteto Washington Fajardo, exibirá 15 projetos brasileiros desenvolvidos por organizações da sociedade civil, ativistas e artistas.

Nove dos selecionados são do Rio de Janeiro, o que revela o potencial de inovação e desenvolvimento social de diversos pontos da metrópole. Presidente do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade, Fajardo selecionou iniciativas que pipocaram nos últimos anos em diversos pontos da cidade, do Centro e da Zona Sul à Zona Norte. Muitos dos projetos selecionados têm foco na cultura afro-brasileira e a maioria tem caráter inclusivo.

Zona Norte

Um deles é a Casa do Jongo, em Madureira. Parceria entre os arquitetos do Rua Lab e a ONG Grupo Cultural Jongo da Serrinha, o espaço levou seis anos até ser inaugurado, em 2015. Fica num galpão antes abandonado no Morro da Serrinha. “Conseguimos enxergar potencialidade num lugar degradado. Demolimos mais do que construímos”, comenta Pedro Évora, arquiteto do Rua Lab e responsável pelo projeto.

O novo centro cultural — com foco na herança afro-brasileira — realiza oficinas de dança e música, exposições e festividades culturais. “A cultura negra tende a ser esquecida, mas estamos num momento de valorização. Essa direção permite criar mais centralidades”, explica.

Ainda da Zona Norte, também foi selecionado para a mostra o projeto "Placas de Rua da Maré", coordenado pela artista Laura Taves em parceria com a ONG Redes da Maré. O projeto, que envolveu a produção de placas de rua de cerâmica nas ruas da comunidade, tem o objetivo "exercer o reconhecimento do bairro e sua identidade", explica Laura Taves. Segundo ela, a sinalização das ruas é fundamental no processo de situar os moradores e incluí-los em seu próprio território. “Antigamente, as pessoas não diziam onde moravam por preconceito ou por não terem um endereço formalizado”, comenta.

O projeto nasceu do Censo Territorial desenvolvido pela Redes, que mapeou o território, ouviu moradores para identificar as vias e lançou o Guia de Ruas da Maré. As placas têm o mesmo modelo daquele visto em outras partes da cidade: contêm o nome da rua, a explicação, os números e o CEP. E o projeto das placas foi, digamos, "institucionalizado". Em 2015, foi criado um grupo de trabalho na Secretaria Municipal de Urbanismo da cidade, que passou 7 meses no bairro, oficializando rua por rua. O resultado do processo saiu em abril deste ano, quando os decretos oficializando as ruas da Maré foram publicados no Diário Oficial.

Centro e Zona Sul

Já no eixo Centro-Zona Sul, um dos projetos escolhidos foi o Ciclo Rotas Centro, realizado pelo Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP Brasil), pela Transporte Ativo e pelo Studio – X Rio, com o objetivo de fortalecer as ciclovias cariocas. A partir de conversas com setores da sociedade civil, as organizações perceberam que era preciso ir além das propostas de ciclovias existentes para atender à demanda da cidade. "Estamos acostumados a uma cultura na qual somente o engenheiro ou arquiteto são considerados aptos a discutir, propor e produzir cidade”, explica Clarisse Linke, diretora executiva do ITDP Brasil.

Foram, então, realizados workshops, pesquisas de campo e contagens do fluxo de bicicletas. Os resultados da parceria multilateral do Ciclo de Rotas tem como alguns exemplos a inauguração da ciclofaixa da avenida Graça Aranha, ligando o Centro à Zona Sul. Também foram instalados 90 bicicletários e 58 estações de bicicleta compartilhada.

Na Praça 11, o Circo Crescer e Viver foi outro selecionado para a mostra. Criado pelo produtor cultural Junior Perim, o circo oferece aulas de circo para jovens, especialmente os da periferia. Com o sucesso da iniciativa ao longo dos anos, veio a demanda por mais espaço — o que levou ao projeto arquitetônico elaborado por Rodrigo Azevedo. “O projeto se organiza a partir de três programas de uso: uma nova sala para ensaio/espetáculo, um espaço para residência artística e uma área para pesquisa, leitura e reuniões”, explica Rodrigo. "[A participação de seu projeto na Bienal] será um manifesto da sociedade civil brasileira pelo seu protagonismo na produção de cidades", completa.“Todos que clamam pela melhoria de nossa cidade são, na prática, para além de sonhadores: são lutadores urbanos”, enfatiza Clarisse Linke.

Além desses, mais cinco projetos cariocas também farão parte do pavilhão do Brasil em Veneza: Escola Vidigal, Circuito Herança Africana (Instituto do Patrimônio da Humanidade), Parque de Madureira, Parque + Instituto Sitiê e o Selo de Qualidade MCMV (Instituto Casa).

  • Compartilhe:

Mais Burburinho

Parque Madureira não tem data para chegar à avenida Brasil

Prometida por Eduardo Paes para o ano passado, obra depende agora do aval de Marcelo Crivella

CCBB é palco de protesto após episódio de lesbofobia

Visitante acusa namorado de funcionária de discriminação durante ida ao local na última sexta (30)

Que tal aterrar a Lagoa?

Livro reúne soluções mirabolantes já propostas para os problemas de um dos principais cartões-postais do Rio

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre Baixada Fluminense

Livro aborda transformações da Baixada Fluminense durante a ditadura

Novo projeto vai mapear subsolo da região metropolitana

Batizado de Geovias Metropolitano, trabalho iniciado nesta sexta (16) será coordenado pela Câmara Metropolitana

Prefeito eleito de Caxias é condenado a 7 anos de prisão por crime ambiental

De acordo com STF, Washington Reis (PMDB) se envolveu na criação de um loteamento ilegal quando era prefeito da cidade

Novo endereço para criar e empreender

Espaço de ’coworking’ Gomeia surge como centro de articulação entre grupos atuantes em cultura na Baixada Fluminense

Mais sobre Zona Norte

Prometida por Eduardo Paes para o ano passado, obra depende agora do aval de Marcelo Crivella

Fórum Rio discute a cidade pós-Olimpíadas este sábado na Pavuna

No evento, também será lançada a plataforma on-line AgendaRio.org, que servirá de repositório das ideias para melhorar a cidade e a região metropolitana

Mulheres de Caju e Manguinhos se reúnem para construir mapas afetivos da violência

Iniciativa da ONG Fase iniciada em 2014 realizou encontros semanais com moradoras das comunidades para mobilizar a população e gerar reflexão

"A estrutura do carnaval de rua precisa ser repensada"

Para Vagner Fernandes, fundador do bloco Timoneiros da Viola, a folia carioca precisa de novas regras e outras formas de financiamento

Mais sobre arte

No projeto "Banco dos Irreais", o mexicano José Miguel Casanova quer estimular a troca direta de tempo, serviços e experiências entre as pessoas sem a intermediação de dinheiro

Um Rio de azulejos na Maré

Painel formado por centenas de azulejos pintados por crianças da Maré será inaugurado na casa de moradora neste sábado (30/4); projeto pretende colorir ruas do bairro

"Será que a pichação é apenas uma atitude irresponsável?"

Gustavo Coelho é professor da Uerj e estuda pichação, bate-bolas e outros fenômenos cariocas sob o olhar da estética

Baixada em cena em espaços cariocas

Espetáculos teatrais, debates e encontros literários organizados por artistas da Baixada Fluminense ocupam bibliotecas parque a partir de hoje

Mais sobre Centro

Uma nova investigação sobre como as bibliotecas do Centro tratam quem as procura como local de trabalho ou estudo.

Um roteiro crítico das bibliotecas do Centro

Da precaução da ABL, que veta a corrupção de menores, à vivacidade da Biblioteca Parque Estadual, um passeio pelas bibliotecas do Centro.

Mais sobre arquitetura

Em livro, jornalista conta curiosidades e causos de prédios e casarões antigos da cidade; veja alguns exemplos

Mais sobre Cidadania

Pensador americano é fundador de ONG que promove exposição sobre o tema no Rio

Conselho da Juventude convida jovens a pensar políticas públicas

Para Rafaela Marques, coordenadora do programa, o conselho preenche lacunas da participação da juventude no governo

Vozes do Leste à Zona Oeste

Perguntamos a alguns participantes do Fórum Rio, que aconteceu este sábado na Pavuna, como eles imaginam o Rio e seus bairros após as Olimpíadas

Planejando o Rio pós-Olimpíadas

Thereza Lobo, coordenadora da ONG Rio Como Vamos, discute as propostas e as fragilidades do plano estratégico da cidade para 2017-2020, lançado pela Prefeitura no início de março
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino