Burburinho

  • Compartilhe:
Burburinho 3 / 11 / 2016| Vitória Régia

Curta- metragem discute o universo do samba

O curta "Rainha ", roteirizado e dirigido por Sabrina Fidalgo, aborda o universo do carnaval, discute as imposições do padrão de beleza e a busca por superação. A estreia é nesta sexta-feira, 4/11, às 21h, no Cine Odeon

Foto: Divulgação

O universo do samba na cultura do Rio de Janeiro é uma das discussões de "Rainha", o sexto curta metragem da diretora, produtora e atriz Sabrina Fidalgo. O filme, que estreou oficialmente em julho deste ano no Festival Ver e Fazer Filmes, em Cataguases (MG), conta a história de uma jovem que sonha em ser a rainha da escola de samba de sua comunidade. Após muitas tentativas, ela ganha o título e entra em um penoso processo de transformação de seu corpo. O curta ganhou os prêmios de Melhor Atriz, Melhor Ator Coadjuvante, Melhor Som e Melhor Figurino. Nesta sexta-feira, 4 de novembro, às 21h, o filme estreia no Rio de Janeiro, no Panorama Carioca do Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro – Curta Cinema.

Curiosamente, a inspiração para a obra foi a versão em italiano da música “Ela desatinou”, de Chico Buarque, gravada por Ennio Morricone na década de 60, em Roma. Ao escutar a música, Sabrina Fidalgo era sempre invadida pela imagem de uma mulher vestida de rainha de bateria, como em um videoclipe. A partir dessa visão, começou a escrever o roteiro do curta, filmado em Minas Gerais. “Eu queria filmar no carnaval do Rio, mas era muito caro e inviável. E como ganhamos o edital do projeto Usina Criativa, decidimos fazer em Minas, onde teríamos estrutura.”

Sabrina Fidalgo roteirizou, dirigiu, atuou e produziu os curtas “Sonar 2006 – Special Report” (2006), “Das Gesetz des Stärkeren” (“A Lei do Mais Forte”, 2007), “Black Berlim” (2009), “Cinema Mudo” (2012), “Personal Vivator” (2014) e agora " Rainha". Seus próximos projetos incluem o documentário “Cidade do Funk”, um inventário do funk carioca e mais dois curtas. A diretora conversou com a equipe do Vozerio sobre seu novo curta, sua carreira e a indústria audiovisual brasileira.

JPEG - 427.5 kb
Sabrina Fidalgo, diretora do curta "Rainha"
Foto: Vozerio

Esse é seu primeiro curta com uma mulher negra como protagonista, e você é uma das raras cineastas negras conhecidas do Brasil. Ainda há muitas barreiras para a inclusão de pessoas e personagens negros na indústria audiovisual brasileira?

Está muito devagar. Temos muitas barreiras e dificuldades. Ainda é muito difícil para pessoas negras arrecadar verbas, conseguir produtores para determinados projetos, ter filmes em determinados festivais. Parece que existe uma barreira silenciosa que não permite que produtores e cineastas negros andem para frente. Sabemos quem são essas pessoas, são curadores, programadores brancos que sempre criam uma desculpa para não divulgar ou apresentar seu filme. E isso está ligado a essa hegemonia branca no audiovisual brasileiro Somos boicotados todos os dias. Temos que disputar espaço, porque enquanto o poder pertencer a essa classe de gênero e raça, vamos continuar excluídos. Temos que exigir que festivais tenham um quadro de curadores diverso, que os pareceristas dos editais também sejam diversos. Com relação aos personagens, precisamos começar a escrever sobre a gente. Não adianta esperar alguém ocupar nosso lugar de fala. Só que para isso precisamos de oportunidades.

Seus filmes refletem a diversidade e a desconstrução de estereótipos e estigmas sociais e raciais. Você considera seus filmes políticos?

Não necessariamente. Já fiz filmes sobre festivais de música, sadomasoquismo, compulsão por internet. Eu só tenho na verdade três filmes mais políticos, o "Black Berlim", "Personal Vivator" e "Rainha", principalmente os dois primeiros. "Rainha" não é político na estrutura narrativa, mas é visto como político porque tem uma mulher negra no papel principal. Na verdade, é um filme sobre sonhos e superação. E u não quero ficar nesse lugar de ter de fazer sempre filmes ligados a questão social ou étnica.

Você considera legítimo falar em cinema negro ou isso seria limitador?

Acho que é limitador. Porque o que existe é um cinema branco e as pessoas não entendem. O negro é a representação do povo brasileiro. Vivemos em um país de maioria negra, como falamos em cinema negro? Temos que questionar o cinema branco tentando inverter esse olhar colonizador para seu devido lugar. Eu não quero fazer parte de nenhuma gaveta e não quero ficar me restringindo. Eu faço cinema brasileiro. Essa nomenclatura é uma diminuição do nosso trabalho.Por que quando brancos fazem cinema isso é chamado de cinema brasileiro e quando os negros fazem, é chamado de cinema negro?

Você é uma diretora e roteirista premiada, seus curtas já circularam em festivais e mostras em diversos países. Você acha que o cinema brasileiro está sendo mais valorizado dentro e fora do país?

Temos uma falsa impressão de que está sendo mais valorizado, mas na verdade não está. Eu só vi um sucesso brasileiro em outros países: "Cidade de Deus". Nada se comparou a isso. Eu vi esse filme ser lançado em dois países diferentes. As pessoas faziam filas para assistir. Os outros filmes brasileiros não conseguiram chegar a esse nível de valorização. O que acontece é que nos últimos anos surgiram várias políticas públicas de fomento para o cinema e isso proporcionou quase que um renascimento da indústria, mas não temos uma projeção muito grande ainda.

Portfólio

  • Compartilhe:

Mais Burburinho

Parque Madureira não tem data para chegar à avenida Brasil

Prometida por Eduardo Paes para o ano passado, obra depende agora do aval de Marcelo Crivella

CCBB é palco de protesto após episódio de lesbofobia

Visitante acusa namorado de funcionária de discriminação durante ida ao local na última sexta (30)

Que tal aterrar a Lagoa?

Livro reúne soluções mirabolantes já propostas para os problemas de um dos principais cartões-postais do Rio

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre cinema

Documentário conta cinco histórias de jovens migrantes que residem nas favelas do Rio

“A cadeira do barbeiro é um divã”

Diretor de A Batalha do Passinho, Emílio Domingos fala sobre Deixa na Régua, seu novo filme que aborda universo das barbearias cariocas

Imagens da periferia

Mostra dedicada a filmes feitos por moradores de favelas pretende oferecer novos enquadramentos da periferia

Como a Geral explica o mundo

Para o cineasta Pedro Asbeg, um dos diretores do documentário Geraldinos, a extinção da Geral do Maracanã reflete a gentrificação da cidade

Mais sobre carnaval

Nascido há 100 anos, sambista Silas de Oliveira é autor de uma obra atemporal, que vem sendo resgatada por uma nova geração de músicos

Cinco visões sobre o futuro do Rio

No aniversário do Rio de Janeiro, Vozerio conversou com especialistas para ouvir suas expectativas em relação ao futuro da cidade.

Peixes mortos nas lagoas de Maricá preocupam população

Episódio começou na manhã desta quarta-feira; comerciantes se preocupam com os negócios durante o carnaval

"A estrutura do carnaval de rua precisa ser repensada"

Para Vagner Fernandes, fundador do bloco Timoneiros da Viola, a folia carioca precisa de novas regras e outras formas de financiamento

Mais sobre racismo

Até o fim do ano, prefeitura do Rio vai divulgar mapa dos terreiros de umbanda da cidade

Negros, libertos e monarquistas

Existência da Guarda Negra, irmandade secreta de negros surgida após promulgação da Lei Áurea, é um episódio esquecido da história do Brasil

Rio recebe primeira edição do Fórum Itinerante de Cinema Negro a partir desta terça (12/4)

Na sessão de abertura, será exibido filme do cineasta senegalês Ousmane Sembène, "pai do cinema africano"; evento terá ainda outras três sessões ao longo do ano no Centro

Ensino obrigatório de cultura afro se ressente de despreparo de professores

Sem monitoramento efetivo, qualidade do que é ensinado nas escolas brasileiras pode ser deficiente, afirmam pesquisadores

Mais sobre Samba

Escolas de samba da Série A recebem investimentos e viram alvo de interesse do público

Mais sobre Escolas de samba

Mais sobre Cinema negro

Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino