Burburinho

  • Compartilhe:
Burburinho 1 / 11 / 2016| Vitória Régia da Silva

Documentário, campanha e evento discutem igualdade de gênero

Evento na sexta (28), no Museu do Amanhã, discutiu a meta da ONU de alcançar a igualdade de gênero em 15 anos. No evento, foram apresentados a campanha #ElesPorElas, que será apresentada nos meios de comunicação, e o documentário “Precisamos falar sobre os Homens”, que estreou hoje no Youtube.

Foto: Ato Ni Una Menos - Rio de Janeiro [Mídia Ninja]

Um dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, a meta de alcançar um planeta mais igualitário até 2030 é tema de uma campanha e um documentário realizados pela ONU e parceiros. Os dois foram apresentados no evento “Por um planeta 50-50 em 2030 - Mulheres do Amanhã” organizado pela ONU Mulheres, em parceria com a Heads Propaganda, o Twitter Brasil e o Grupo Boticário. “ Estamos comprometidos com uma mudança em 2030 já que o machismo já mostrou que não é bom para ninguém”, disse Nadine Gasman, representante da ONU Mulheres no Brasil. Ela ressaltou que a meta não poderá ser apenas das mulheres: “ Os homens precisam se comprometer também, porque que não conseguiremos fazer a mudança sozinhas”.

A mudança ainda parece distante. No ritmo atual, o Brasil levará 95 anos para alcançar igualdade de gênero, segundo o Índice Global de Desigualdade de Gênero do Fórum Econômico Mundial. No estudo, divulgado em outubro, o país ficou na 79ª posição no ranking global de 2016 da igualdade de gêneros - posição melhor do que ano passado, em que havia ficado na 85ª. O relatório anual se baseia em estatísticas de 144 países e avalia as condições enfrentadas por mulheres nas áreas de saúde, educação, paridade econômica e participação política.

Segundo o relatório, as mulheres brasileiras têm um desempenho melhor que os homens nos indicadores de saúde e educação, mas ainda enfrentam diferença acentuada nos indicadores de representatividade política e paridade econômica. Desde 2006, O Índice Global de Desigualdade de Gênero avalia o progresso das nações na promoção de equilíbrio entre homens e mulheres.

Por um planeta 50-50 em 2030 - Mulheres do Amanhã reuniu ativistas, pesquisadoras e youtubers para uma dia de debates sobre gênero, esporte, tecnologia e racismo. Entre as convidadas estavam, Djamila Ribeiro, pesquisadora em filosofia política, Kamila Brito, criadora do Barco Hacker, Helen Ramos, do canal HelMother e Monique Evelle, do Desabafo Social. O encontro foi apresentado pela atriz e youtuber Kenia Maria.

A pesquisadora em filosofia política e secretária-adjunta da pasta municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo, Djamila Ribeiro, alertou que “não se pode pensar gênero sem pensar raça”. Ela apontou que no Brasil o racismo é institucional: "Não dá para ter para nenhuma discussão séria acontecer no Brasil, sem pensar no racismo como um ponto prioritário".

Já Monique Evelle, fundadora do Desabafo Social, projeto criado em Salvador, lembrou que o país ocupa o 5º lugar no ranking global de feminicídio e que 13 mulheres são mortas diariamente devido a violência de gênero no país. “Até o final da minha fala, daqui a dez minutos, uma mulher terá sido estuprada”, alertou. A jovem ativista também ressaltou que o racismo e o machismo fizeram com que tivesse medo de se expressar. "Racismo não é bullying. Relacionamento abusivo não é prova de amor. Eu nunca fui tímida, fui silenciada”, disse.

Durante o evento, foi apresentada a nova campanha da ONU Mulheres em parceria com Heads Propaganda, a campanha nacional #ElesPorElas, que nas próximas semanas estará nos meios de comunicação e no site elesporelas.org.. A campanha traz personalidades como Camila Pitanga, Embaixadora Nacional da ONU Mulheres Brasil, Matheus Solano, Sharon Menezes, Marcelo D2, Érico Brás, Preta Gil e Lea T. Em vídeos, eles falam sobre suas vivências na luta contra a desigualdade de gênero. A meta é incentivar nos indivíduos o compromisso pela igualdade.

O evento também exibiu o documentário inédito “Precisamos falar com os homens? Uma jornada pela igualdade de gênero”, produzido com base em uma pesquisa nacional sobre machismo e masculinidades realizada pela ONU Mulheres, Papo de Homem e Grupo Boticário e publicado hoje no canal do Youtube da ONU Mulheres. O documentário pretende incentivar a participação de homens no debate sobre os direitos das mulheres e faz parte do movimento global ElesPorElas (HeForShe), lançado pela ONU Mulheres em 2014. Uma das suas propostas centrais é investigar como se formam e se sustentam os estereótipos que perpetuam a cultura da desigualdade de gênero entre homens.

A exibição do documentário foi seguida por uma mesa-redonda sobre a formação; sustentação e estratégias de desconstrução dos estereótipos de gênero com Nadine Gasman, representante da ONU Mulheres; Nátaly Neri, criadora do canal no Youtube Afros e Afins; Rolf de Souza, antropólogo e Marcos Nascimento, pesquisador.

  • Compartilhe:

Mais Burburinho

Parque Madureira não tem data para chegar à avenida Brasil

Prometida por Eduardo Paes para o ano passado, obra depende agora do aval de Marcelo Crivella

CCBB é palco de protesto após episódio de lesbofobia

Visitante acusa namorado de funcionária de discriminação durante ida ao local na última sexta (30)

Que tal aterrar a Lagoa?

Livro reúne soluções mirabolantes já propostas para os problemas de um dos principais cartões-postais do Rio

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre feminismo

Rede Agora Juntas encerra neste sábado (17), na Glória, experiência que debateu direitos das mulheres

Câmara municipal ou clube do bolinha?

Número de candidatos é mais que o dobro que o de candidatas nas cinco maiores cidades da região metropolitana do Rio

Volições de Albertina

Esquecida pela história e pelas editoras, a escritora carioca Albertina Bertha (1880-1953) começa a ter sua obra redescoberta — 100 anos depois da publicação de seu primeiro livro, "Exaltação"

Mulheres de Caju e Manguinhos se reúnem para construir mapas afetivos da violência

Iniciativa da ONG Fase iniciada em 2014 realizou encontros semanais com moradoras das comunidades para mobilizar a população e gerar reflexão

Mais sobre Gênero

Um dos primeiros homens trans a ser operado no país, João Walter Nery acredita que
diminuir a burocracia para mudança de gênero é importante, mas não acaba com preconceito

Grávidas no cárcere

Em pesquisa recém-lançada, a professora de direito penal Luciana Boiteux traça um perfil das gestantes e puérperas presas no Rio

Feminismo sem meias palavras

Em palco ocupado por mulheres, evento debate a propagação de pautas feministas entre garotas cada vez mais jovens, o feminismo na periferia e a história do movimento

Teatro das bonecas

Damas em Cena, na Lapa, oferece oficina de interpretação teatral para travestis e transexuais, aumentando sua autoestima e dando visibilidade a grupo marginalizado

Mais sobre Nações Unidas

Mais sobre Campanha

Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino