Debates

  • Compartilhe:
OsteRio 21 / 01 / 2016| Saulo Pereira Guimarães

Eduardo Paes faz balanço de seus oito anos como prefeito

Durante duas horas, o prefeito falou sobre Olimpíadas, a indicação de Pedro Paulo como sucessor e outros assuntos para plateia de mais de 80 pessoas no restaurante Osteria dell’Angolo, em Ipanema.

(Foto: Mauro Pimentel)

Para muitos, ele vai deixar saudade. Para outros, nem tanto. Indiscutivelmente, entretanto, Eduardo Paes, que deixa a Prefeitura do Rio no fim do ano, deixou sua marca como prefeito do Rio de Janeiro. Na última terça (19/1), ele participou da primeira edição do OsteRio em 2016. Durante duas horas, Paes falou sobre Olimpíadas, violência e outros assuntos para um salão lotado com mais de 80 pessoas no restaurante Osteria dell’Angolo, em Ipanema, sempre com o clima leve e informal, que já é tradição do evento.

JPEG - 52.1 kb
Paes: "Sem chance" de ser candidato à Presidência (Foto: Mauro Pimentel)

O prefeito chegou ao local de muleta e bota ortopédica e começou a conversa contando que fraturou o pé na festa de fim de ano da Prefeitura. Com o bom humor habitual, Paes garantiu que o acidente aconteceu antes que ele começasse a beber. Em sua apresentação inicial, o prefeito falou um pouco sobre a atual crise enfrentada pelo país. "Governar a cidade do Rio hoje é algo diferente do que foi nos meus primeiros cinco anos de mandato", disse. Segundo ele, o sucesso econômico e a paz política de 2009 foram substituídos por instabilidade financeira e um ambiente partidário rachado. "Como gestor, a gente é colocado muito mais à prova neste momento", afirmou o prefeito.

Para Paes, as ferramentas para encarar o panorama atual são o ajuste fiscal permanente e a aposta em parcerias público-privadas (PPPs). Segundo ele, essa receita é seguida com sucesso pela prefeitura já há algum tempo. "Esse choque de capitalismo na gestão nos permitiu manter esse volume de investimento tão grande", explicou, numa alusão a obras feitas durante sua gestão no Centro e nas zonas Norte e Oeste da cidade.

De acordo com Paes, R$ 65 bilhões foram investidos em educação e saúde em seus oito anos de governo — o que representaria 1% dos gastos do município com a Rio 2016 no período. O prefeito reiterou várias vezes que, entre 2009 e 2015, foram inauguradas mais de 300 escolas e 140 clínicas da família. Contudo, a sensação de insegurança nos últimos tempos, lembrou Paes, vem assustando os cariocas.

"Acho que o grande desafio da cidade é olhar para esse final de ciclo olímpico e descobrir que caminho a gente vai seguir", afirmou o prefeito.

Após a fala inicial de Paes, começou o bate-papo. Veja algumas perguntas feitas pela plateia e as respostas do alcaide.

JPEG - 50.3 kb
A engenheira Ana Luiza Archer pergunta sobre as denúncias envolvendo o secretário de Governo, Pedro Paulo (foto: Mauro Pimentel)

Pedro Paulo

A engenheira Ana Luiza Archer perguntou ao prefeito sobre as denúncias envolvendo seu secretário de Governo, Pedro Paulo Carvalho, que teria agredido a ex-mulher, Alexandra Marcondes. Paes escolheu Pedro Paulo como candidato para as eleições de outubro e, mesmo depois do caso vir à tona, manteve o apoio ao suposto agressor. "Agressão a mulher é crime. Eu mesma não vejo como votar no Pedro Paulo. Não consigo isso", argumentou Ana Luiza, que pediu ao prefeito que justificasse sua escolha para a sucessão.

O prefeito negou que o secretário tenha cometido as agressões em 2010. "Eu posso te garantir que, se o Pedro Paulo fosse um agressor de mulheres, eu jamais o apoiaria", garantiu. De acordo com a Folha, Alexandra informou à Polícia Civil que levou socos, chutes e perdeu um dente durante uma discussão com o ex-marido. Paes afirmou ainda que a capacidade de realização do secretário justificou sua indicação para a disputa. "Minha preocupação é que o Rio possa seguir em frente", informou Paes.

O tema também foi abordado por Alessandra Orofino, diretora executiva do Nossas Cidades. "Seu secretário de governo espancou a mulher e mentiu sobre isso", disse a economista, cofundadora do Meu Rio. Ela se referia a uma denúncia de agressão no Natal de 2008, que foi omitida por Pedro Paulo nas primeiras entrevistas sobre o assunto. Na resposta, Paes foi diplomático: "O bom da democracia é que a gente vota em quem a gente quer".

Segurança pública

Como o município pode apoiar o Estado em segurança? Na pergunta, o secretário executivo do Iser Pedro Strozenberg lembrou que, apesar do menor número de homicídios na cidade desde 1991, os autos de resistência aumentaram em 2015.

Paes defendeu que a presença do poder público em comunidades não tem sido suficiente para frear a violência. Citou como exemplo as favelas da Tijuca, onde obras de César Maia e outros prefeitos não evitaram a chegada das UPPs em 2010. Para Paes, trata-se de um problema policial. "Como é que a gente não consegue impor o monopólio da força nestes territórios?", indagou.

O prefeito lembrou que a polícia é muito violenta e que a desigualdade social favorece conflitos. Mas relacionou à manutenção da violência questões como a falta de vagas de ensino médio na rede estadual para alunos que vêm do município. Paes é contra o uso de armas pela Guarda Municipal e ironizou a possibilidade de municipalizar a polícia: "Aí, é melhor municipalizar o Pezão junto".

Rio 2016

Várias perguntas da plateia abordaram a Rio 2016. A jornalista Julia Michaels, do RioRealBlog, questionou a desocupação da Vila Autódromo para os jogos. Paes afirmou que o projeto do Parque Olímpico previa a demolição de 300 casas da comunidade para a construção de vias de acesso. De acordo com o prefeito, a proposta foi bem recebida e a maioria das pessoas optou por sair em troca de indenizações e novos apartamentos nas proximidades.

O empresário Daniel De Plá perguntou sobre o que havia sido feito em relação às favelas durante a preparação para a Rio 2016. Paes respondeu que não havia nenhum compromisso relacionado às comunidades na candidatura. Entretanto, destacou a construção de escolas e clínicas da família nas áreas mais pobres durante sua gestão.

"A maior parte das coisas que estão sendo feitas inspiradas nas Olimpíadas não estavam previstas na candidatura", disse Paes. O BRT Transoeste, a Linha 4 do metrô e o VLT são exemplos. De acordo com o prefeito, a única intervenção prevista não cumprida foi a despoluição da Baía de Guanabara, de responsabilidade estadual.

O gerente de Conhecimento e Competitividade do Sebrae César Kirschenblatz e o conselheiro do Instituto Unibanco Thomas Zinner fizeram perguntas relacionadas aos planos da cidade para depois dos jogos. Segundo Paes, a prefeitura trabalha hoje no pacote de obras Pra Frente Rio, que irá absorver operários a partir do segundo semestre. Além disso, eventos como o Congresso da União Internacional de Arquitetos, em 2020, devem manter a cidade movimentada nos próximos anos.

Mobilidade urbana

A mobilidade urbana foi assunto em dois momentos do bate-papo. No primeiro, o economista Manuel Thedim, diretor do Iets, abordou a proibição do Uber. O prefeito disse que a legalização é inevitável. "Mas transporte em área urbana tem que ser regulado pelo poder público", defendeu.

JPEG - 71.4 kb
A museóloga Claudia Porto pergunta sobre a situação dos museus cariocas (foto: Mauro Pimentel)

Já a economista Alessandra Orofino questionou se Paes iria acatar uma sugestão do Tribunal de Contas do Município (TCM), que recomendava redução nas tarifas de ônibus. Paes respondeu que o TCM já mudou seu posicionamento em relação ao tema e destacou o Bilhete Único, a instalação de ar condicionado na frota e outras melhorias implementadas durante sua gestão.

Museus

A museóloga Claudia Porto sobre o planejamento do prefeito para museus de pequeno porte. "Me pareceu que essas estruturas já vinham eivadas de vícios e não valiam o investimento", respondeu Paes. Ele defendeu o modelo de PPPs, no qual o município é dono do espaço e a gestão é feita por organizações sociais (OSs). O Museu de Arte do Rio e o Museu do Amanhã foram idealizados já com esse formato. Ambos ficam na Praça Mauá e ajudaram na revitalização da área aumentando o fluxo de pessoas, segundo o prefeito.

Paes comentou também a situação do Museu Casa do Pontal, que alagou no último sábado (16/1). Segundo ele, R$ 10 milhões e um terreno para uma nova sede já foram liberados. Mas problemas com o projeto têm impedido que a situação se resolva. "É um equipamento fantástico numa área complexa, que piorou com a expansão urbana", disse Paes. Em entrevista à Folha, a diretora do museu informou que a construção da Vila de Mídia da Rio 2016 nas proximidades do local deixou o terreno exposto a alagamentos.

Futuro político

Segundo o presidente do Instituto de Arquitetos do Brasil Sérgio Magalhães, o Rio se tornou a cidade mais importante do país durante a gestão Paes. Ele destacou o bom planejamento no período. "O senhor não quis municipalizar o Pezão. Suponho que também não queira municipalizar a Dilma. Se for federalizado o Eduardo Paes, como as cidades brasileiras serão ser planejadas?", perguntou Sérgio. Ele aludia à possibilidade de Paes ser candidato à presidente em 2018. "Sem chances", respondeu o prefeito.

Para ver mais fotos do OsteRio com Eduardo Paes, clique aqui

Assista ao teaser do debate:

  • Compartilhe:

Mais OsteRio

"Precisamos mudar o CEP do emprego"

Como diminuir as desigualdades gritantes na Região Metropolitana do Rio? No OsteRio desta terça-feira (29/3), um caminho ficou claro: mais centros e oportunidades, menos distâncias e deslocamentos

OsteRio discute as fronteiras da desigualdade no Rio metropolitano

No evento, serão apresentadas as atualizações do Mapa da Desigualdade, produzido pela Casa Fluminense, que mostra as disparidades da região a partir de 21 indicadores sobre 7 temas-chave

OsteRio realiza encontro aberto com prefeito

Eduardo Paes responderá a perguntas do público no dia 19 de janeiro (terça-feira), às 20h

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre economia

Títulos de impacto social oferecem mecanismos de financiamento para projetos de saúde, redução do desemprego e reincidência de presos

Artista plástico cria moeda solidária carioca que vale cerca de uma hora

No projeto "Banco dos Irreais", o mexicano José Miguel Casanova quer estimular a troca direta de tempo, serviços e experiências entre as pessoas sem a intermediação de dinheiro

Crise no Rio de Janeiro: o vilão é mesmo o servidor público?

Para o presidente do Instituto de Estudos sobre o Rio de Janeiro (Ierj), não há excesso de servidores na maioria das áreas do governo estadual — mas, sim, falta

O livre mercado na porta da cadeia

De dormitório a sex shop, um mercado informal floresce em torno do Complexo Penitenciário de Gericinó, voltado aos milhares de visitantes diários das 26 unidades prisionais do bairro

Mais sobre segurança pública

Para o sociólogo Renato Sérgio de Lima, vice-presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e professor da FGV, lideranças do Rio precisam parar de reduzir a segurança pública a uma mera gestão da legislação penal e das instituições policiais

Favelas do Rio amargam abril violento

Apenas no último mês, PM e traficantes mataram pelo menos 15 pessoas no Jacarezinho, na Mangueira e em outras comunidades

Quando o policial é alvo de sua própria arma

Em entrevista, Dayse Miranda, pesquisadora da UERJ discute o suicídio cometido por policiais militares no Rio, um drama silencioso

Um BBB a céu aberto?

Aumento do número de câmeras na região metropolitana fluminense desperta debate sobre a perda de privacidade e outros riscos do monitoramento em grandes cidades

Mais sobre política

Para o professor da UFRJ Jairo Nicolau, crise vivida pelo Brasil pode atrair mais atenção da juventude para a política eleitoral

Negros, libertos e monarquistas

Existência da Guarda Negra, irmandade secreta de negros surgida após promulgação da Lei Áurea, é um episódio esquecido da história do Brasil

No último dia para obter o título de eleitor, jovens cariocas demonstram apatia

Estudantes na porta 163ª Zona Eleitoral do Rio, no Catete, dizem não ter a menor ideia em quem votar nas próximas eleições e que só tiram o título "por obrigação"

Alerj reluta em decidir sobre integração metropolitana

Após discussão, deputados não chegam a conclusão em relação à proposta do Governo do Estado; críticas vão da perda de autonomia das prefeituras à falta de participação da sociedade civil

Mais sobre urbanismo

Em ano de eleições municipais, seminário Qualicidades, realizado pelo Sebrae em parceria com o IETS e a Camara Metropolitana, reune palestrantes nacionais e internacionais para discutir soluções para a gestão e a governança.

Disputa entre propostas de inovação de cidades mobiliza região metropolitana

Rio, Caxias, Niterói, Belford Roxo e Magé inscreveram projetos em concurso promovido por ex-prefeito de Nova York

Cinco visões sobre o futuro do Rio

No aniversário do Rio de Janeiro, Vozerio conversou com especialistas para ouvir suas expectativas em relação ao futuro da cidade.

Pesquisa inédita revela perfil do ciclista carioca

Maioria dos que usam bicicleta como meio de transporte tem salário modesto e completou o ensino médio

Mais sobre violência

Segurança de jornalistas que cobrem protestos e acompanharão Rio 2016 preocupa Repórteres Sem Fronteiras

Numa guerra sem vencedores, vitória é continuar a acreditar

Numa emocionante edição do "Conversas na Biblioteca", midiativista e pesquisadora discutiram os efeitos da política de drogas nas favelas do Rio

Guerra sem vencedores: a política de drogas na favela e no asfalto

Ana Paula Pelegrino e Raull Santiago discutem tema na próxima quarta-feira (24/2), a partir das 18h, na Biblioteca Parque Estadual

Mulheres de Caju e Manguinhos se reúnem para construir mapas afetivos da violência

Iniciativa da ONG Fase iniciada em 2014 realizou encontros semanais com moradoras das comunidades para mobilizar a população e gerar reflexão

Mais sobre eleições

Iniciativa reúne 49 entidades do Rio e do Brasil e busca compromisso de candidatos com transparência, planejamento de metas e diálogo

A #partidA: uma aventura feminista na política nada tradicional

Com encontro realizado nesta quinta (18/6) no Rio, a #partidA tem reunido cada vez mais mulheres para discutir a formação de um partido feminista. #partiu?

Reforma política: para que e para quem?

Às vésperas da votação do relatório que será apresentado à Câmara dos Deputados, OsteRio aborda as principais mudanças propostas para o sistema político brasileiro

Mais sobre orçamento

Thereza Lobo, coordenadora da ONG Rio Como Vamos, discute as propostas e as fragilidades do plano estratégico da cidade para 2017-2020, lançado pela Prefeitura no início de março

Bibliotecas municipais sofrem com falta de funcionários e problemas estruturais

Enquanto a Prefeitura acena com ajuda mensal de R$ 1,5 milhão para as bibliotecas-parque do governo estadual, estabelecimentos municipais sobrevivem sem computadores, ar condicionados e pessoal

Mais sobre Eduardo Paes

Urbanista Raquel Rolnik discute transformação da habitação, de política social em ativo financeiro, em novo livro lançado no Rio

OsteRio realiza encontro aberto com prefeito

Eduardo Paes responderá a perguntas do público no dia 19 de janeiro (terça-feira), às 20h

Mais sobre OsteRio

Inspirado na série OsteRio, evento "OesteRio" teve participação da pesquisadora Silvia Ramos

Mais sobre Rio 2016

Prefeito e moradora divergem sobre desapropriação na Vila Autódromo
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino