Reportagens

  • Compartilhe:
Complexo do Alemão 24 / 08 / 2015| Isabela Fraga

Em protesto pacífico, moradores do Alemão pedem fim da violência

Manifestantes caminharam até sede da Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP) em uma passeata pequena, mas simbólica. Há atos programados para o mês inteiro.

"Governador, eu quero ver/ levar pra casa/ a tal da UPP." Pelo fim dos tiroteios, violência e mortes no Complexo do Alemão, aconteceu hoje a primeira manifestação da série organizada pelo Coletivo Papo Reto e outras lideranças. Cerca de cem pessoas se concentraram na entrada da Grota e caminharam até a sede da Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP) na manhã de hoje (22/8). Dezenas de policiais acompanharam a passeata, mas não houve confronto e o ato transcorreu pacificamente.

Entre outras demandas, os cartazes clamavam "Não matem nossos filhos", "Os tiros só no horário escolar" e pediam a retirada do contêiner da UPP dentro da escola estadual em Nova Brasília. Segundo Raull Santiago, do Coletivo Papo Reto, o ato foi simbólico. "Queremos chamar a atenção da população e mostrar que tem um grupo organizado aqui dentro", contou ele. Alguns dos presentes diziam que a baixa adesão ao protesto se explicava pelo medo que os moradores sentiam de represálias da polícia.

JPEG - 46.5 kb
Mãe leva filha para a manifestação. A tinta vermelha representa lágrimas de tristeza pela violência

Os chamados e clamores no megafone, no início do ato, precisaram disputar os ouvidos dos transeuntes com a feira que acontecia na rua naquele mesmo horário. Exceto por um ou outro feirante incomodado — um deles gritou "Todo mundo sabe que a culpa é da Dilma!" —, a maioria dos vendedores parecia apoiar a manifestação. "Se eu não estivesse trabalhando aqui, com certeza estaria lá [na manifestação], confessou Carolina Ferreira, que ajudava o tio na barraca da peixaria. Mãe de uma menina pequena, ela conta que há um buraco de tiro na parede de seu quarto, na Alvorada. "Tem tiroteio todo dia agora", disse.

Violência disseminada
Com pelo menos três instalações policiais dentro ou ao lado de espaços dedicados a atividades infantis, o Complexo do Alemão tem passado por dias, meses e semanas de cão, afirmaram moradores ao Vozerio. Apenas este ano, morreram pelo menos 21 pessoas, segundo levantamento do portal Voz das Comunidades: quase três vezes mais do que o 2014 inteiro, quando morreram oito pessoas em decorrência de conflitos policiais, segundo dados do Instituto de Segurança Pública (ISP).

Ainda na noite de hoje, os moradores do Complexo estão organizando um "blecaute" coletivo e um minuto de oração. A próxima manifestação acontecerá dentro do próprio Alemão, no próximo sábado (29/8). No dia 5 de setembro, está programada uma vigília noturna no Largo do Bulufa, com presença das diversas religiões presentes nas favelas. E, no dia seguinte (6/9), a ideia do coletivo é realizar uma ocupação cultural. Para conhecer a programação, clique aqui.

Assista a um trecho da manifestação de hoje:

  • Compartilhe:

Mais Complexo do Alemão

Vozes sem paz no Alemão

Vivendo sob tiroteios constantes e já com 21 mortos este ano, Complexo do Alemão organiza protesto neste sábado para dizer #TáTudoErrado

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre segurança pública

Pesquisador do CESeC relata a indignação de moradores da Cidade de Deus se reuniram em um protesto na quinta-feira (24/11) contra o uso de mandado de busca coletivo nas ações policiais

A nau sem rumo da segurança pública

Para o sociólogo Renato Sérgio de Lima, vice-presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e professor da FGV, lideranças do Rio precisam parar de reduzir a segurança pública a uma mera gestão da legislação penal e das instituições policiais

Favelas do Rio amargam abril violento

Apenas no último mês, PM e traficantes mataram pelo menos 15 pessoas no Jacarezinho, na Mangueira e em outras comunidades

Quando o policial é alvo de sua própria arma

Em entrevista, Dayse Miranda, pesquisadora da UERJ discute o suicídio cometido por policiais militares no Rio, um drama silencioso

Mais sobre manifestações

Em meio às retenções no trânsito causadas pelas manifestações de taxistas contra o Uber no Rio, mototáxis levam passageiros para o aeroporto do Galeão

Onde está junho? Manifestantes de 2013 olham para as ruas hoje

Da atuação da polícia à desesperança: como a geração de 2013 enxerga as mobilizações de 2016

Protesto contra violência reunirá grafiteiros este domingo na rua da Alfândega

Grupos se organizam para protestar contra agressão a três jovens negros por cinco seguranças do Saara na última sexta (22); protesto está marcado para domingo (31)

O circo vai ao metrô

Em resposta a casos de repressão violenta a músicos no metrô carioca, produtor cultural sugere ocupar os trens com atividades circenses

Mais sobre UPP

Moradores de favelas ocupadas revelam impressões, opiniões e expectativas em relação ao projeto

"A polícia precisa investir em reconquistar a legitimidade"

O Coronel Robson Rodrigues, que acaba de deixar a chefia do Estado Maior da PM, diz que a mudança na formação de policiais é a chave para renovar a corporação

Prazeres se mobiliza por paz

Moradores do morro dos Prazeres fazem ato hoje para pedir o fim de conflitos entre policiais e bandidos

Jacarezinho: Paz com prazo de validade

Nas duas últimas semanas, os moradores do Jacarezinho sofreram com violentos confrontos entre policiais e traficantes dentro da comunidade. Como explicar essa mudança tão radical?

Mais sobre Alemão

Numa emocionante edição do "Conversas na Biblioteca", midiativista e pesquisadora discutiram os efeitos da política de drogas nas favelas do Rio

Evento vai ocupar com grafite beco no Alemão onde Eduardo foi morto

Iniciativa organizada pelo coletivo Papo Reto acontecerá no sábado (21/11), às 11h

Vozes sem paz no Alemão

Vivendo sob tiroteios constantes e já com 21 mortos este ano, Complexo do Alemão organiza protesto neste sábado para dizer #TáTudoErrado

Pela vida, na Maré

Performance, passinho e debate marcaram o lançamento da campanha Jovem Negro Vivo, que denuncia a violência contra a juventude negra

Mais sobre violência

Testemunhas contam o que viram de um dos anos mais agitados dos últimos tempos

Guerra ao fuzil

Como o combate a uma arma se tornou a maior prioridade do novo secretário de segurança do Rio

Repórter, profissão de risco

Segurança de jornalistas que cobrem protestos e acompanharão Rio 2016 preocupa Repórteres Sem Fronteiras

Guerra sem vencedores: a política de drogas na favela e no asfalto

Ana Paula Pelegrino e Raull Santiago discutem tema na próxima quarta-feira (24/2), a partir das 18h, na Biblioteca Parque Estadual
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino