Reportagens

  • Compartilhe:
Desculpe incomodar a sua viagem 14 / 08 / 2015| Carolline Leite

Esse preço você não encontra lá fora

O que é possível comprar com R$ 20 nos trens cariocas? O Vozerio fez o teste em uma viagem pelo ramal de Santa Cruz, um dos mais movimentados da malha ferroviária.

Balas, doces, utensílios domésticos, produtos de beleza, produtos eletrônicos, comestíveis de fabricação caseira... Esses são apenas alguns dos produtos que os passageiros dos trens urbanos do Rio podem comprar nos trajetos de ida e volta do trabalho. Com pregões criativos e preços muito abaixo do valor de mercado, os ambulantes fazem sucesso dentro e fora dos vagões e já fazem parte da cultura do trem.

Durante uma viagem pelo ramal Santa Cruz, que transporta cerca de 100 mil passageiros por dia, o Vozerio experimentou o que é possível comprar com R$ 20. Entre a Central do Brasil e a estação de São Cristóvão — a primeira onde param os trens expressos —, mais de vinte ambulantes passaram pelo vagão, oferecendo os mais variados produtos.

JPEG - 313.9 kb
Ambulante anuncia seu produto, um descascador de legumes, através de um microfone preso ao rosto (foto: Carolline Leite)

“No ramal Japeri custa R$ 15 ou R$ 10, mas agora vou fazer uma promoção pra vocês, pra acabar com o estoque. O preço agora é R$ 7!”, gritou um jovem de boné, que carregava uma mala enorme cheia de fones de ouvido. De início, os passageiros olharam com desconfiança. Alguns pediram pra testar o produto e logo começaram a comprar.

“Não sei se funciona, mas é tão barato que vou arriscar”, anunciou um senhor grisalho, rindo enquanto pegava dois fones para dar de presente aos netos. Em cerca de dez minutos, a mala do ambulante estava vazia, e a pochete em que o jovem guardava o dinheiro, com a inscrição “Deus vê tudo, mas não é X9”, estava lotada. Foram oito vendas só nesse tempo. A frase, aliás, é ostentada nas pochetes de vários outros ambulantes.

No trem, conversamos com a estudante Fernanda Carvalho, que pega o ramal Santa Cruz duas vezes ao dia — e não deixa de fazer compras nem uma vez. "É um perigo estar com dinheiro no trem... Você vai vendo as coisas e fica com vontade de comprar tudo”, conta ela, rindo. Os doces são seus preferidos: "Eu amo chocolate e no trem eles são muito baratos. Já deixo R$ 2 reservados no bolso só pra isso.”

JPEG - 44.9 kb
Vendedor demonstra em uma cenoura a utilização do descascador (foto: Carolline Leite)

Entre as frases proferidas pelos vendedores para conquistar os passageiros, "por esse preço você não encontra lá fora" é uma das mais ditas. E não é por menos. Com R$ 20, conseguimos comprar um descascador de frutas e legumes (R$ 5), o fone de ouvido (R$ 7), um pacote com duas pilhas AAA (R$ 3), dois chocolates (R$ 2 cada) e dois pacotinhos de amendoim torrado (R$ 1). As compras foram feitas entre a Central do Brasil e a estação de Madureira, em cerca de meia hora de viagem.

A maioria dos ambulantes se conhece pelos apelidos — Jabuti, Ciborgue, Azulão, Gordão do Trem — e segue certas normas de conduta. Se um deles está anunciando seu produto em um vagão — por alto falante ou no grito —, os outros esperam que ele acabe para começarem a vender. Por estarem sempre nas estações, acabam por prestar outro serviço informalmente: a toda hora, os passageiros lhes pedem informações sobre os horários das composições.

Chocolate com IPI reduzido
Nos pregões, os ambulantes não economizam no humor para atrair a atenção dos passageiros. Caso exemplar é Gordão do Trem, um dos vendedores mais conhecidos do ramal Japeri, que aposta na comparação dos preços que pratica com o de outros locais. "Não vem que não tem, quem quer comprar barato, compra com o Gordão do Trem. Mas ele é muito chato, não deixa ninguém dormir. E se ninguém comprar, vai falar até Japeri", canta em ritmo de funk. E completa: "Trago pra vocês um produto de grande porte no cenário nacional, um chocolate de ótima qualidade. Vocês podem levar um por R$ 2 ou três por R$ 5, com IPI reduzido." Veja abaixo um vídeo do Gordão do Trem no auge de sua lábia de comerciante.

“Dentro dos trens, nos nossos anúncios, falamos sobre política, futebol... Tudo o que tem relação com a sociedade”, conta Rogério, de 55 anos. “Falamos sobre esses assuntos para divertir e informar o passageiro e, claro, para aumentar as nossas vendas”, completou o ambulante com uma risada. Rogério começou a trabalhar nos trens quando perdeu o emprego na indústria alimentícia, vinte anos atrás.

“Em geral, os vendedores ambulantes são pessoas que perderam seus empregos e não conseguiram se restabelecer no mercado formal de trabalho”, explica Lenin Pires, coordenador do Departamento de Segurança Pública da Universidade Federal Fluminense (UFF). Em média, os ambulantes ganham cerca de um salário mínimo por mês, realidade não muito diferente do mercado formal para quem não tem pouca ou nenhuma formação escolar. A vantagem que encontram nos trens, dizem, é a possibilidade de escolher o horário e o ritmo de trabalho.

  • Compartilhe:

Mais Desculpe incomodar a sua viagem

Camelôs dos trilhos

Ambulantes ilegais que atuam nos trens negociam com Supervia projeto de formalização: este ano, vigilantes retiraram mais de 21 mil pessoas dos vagões

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre Baixada Fluminense

Livro aborda transformações da Baixada Fluminense durante a ditadura

Novo projeto vai mapear subsolo da região metropolitana

Batizado de Geovias Metropolitano, trabalho iniciado nesta sexta (16) será coordenado pela Câmara Metropolitana

Prefeito eleito de Caxias é condenado a 7 anos de prisão por crime ambiental

De acordo com STF, Washington Reis (PMDB) se envolveu na criação de um loteamento ilegal quando era prefeito da cidade

Novo endereço para criar e empreender

Espaço de ’coworking’ Gomeia surge como centro de articulação entre grupos atuantes em cultura na Baixada Fluminense

Mais sobre transporte público

Nova lei divulgada nesta segunda (28) quase vetou operação do aplicativo no Rio

Mapa da juventude em movimento

Para Clarisse Linke, diretora do ITDP Brasil, transporte de alto custo e má qualidade é um fator de exclusão dos jovens nas cidades brasileiras

Estamos vivendo cada vez mais — isto é um problema?

O médico Alexandre Kalache, diretor do Centro Internacional da Longevidade (ILC-Brazil), diz que o Rio de Janeiro e o Brasil precisam se preparar para o envelhecimento da população

"Se a tarifa não baixar, o Rio vai parar": a tradição dos protestos contra o aumento de passagens

Rio de Janeiro tem histórico de manifestações contra o reajuste de preços no transporte público

Mais sobre Empreendedorismo

Aplicativo conecta consumidores com serviços e produtos oferecidos por afroempresários

Pensando as metrópoles do futuro

Em ano de eleições municipais, seminário Qualicidades, realizado pelo Sebrae em parceria com o IETS e a Camara Metropolitana, reune palestrantes nacionais e internacionais para discutir soluções para a gestão e a governança.

O livre mercado na porta da cadeia

De dormitório a sex shop, um mercado informal floresce em torno do Complexo Penitenciário de Gericinó, voltado aos milhares de visitantes diários das 26 unidades prisionais do bairro

Edital incentiva projetos sociais na Zona Oeste

Com inscrições abertas até a próxima segunda (25/1), iniciativa do Instituto Rio oferece R$ 264 mil para trabalhos na região
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino