Debates

  • Compartilhe:
Qualicidades 4 / 07 / 2016| Anabela Paiva

Estudo sobre Centralidades urbanas do Rio mostra hierarquias e desigualdades na Região Metropolitana

Ranking desenvolvido pelo IETS, com apoio do Sebrae e a pedido da Câmara Metropolitana, mostra que Campo Grande é a segunda centralidade da RMRJ e que 70% dos empregos estão concentrados em 30 núcleos.

Foto: A pesquisadora Maína Celidônio durante a apresentação da pesquisa (André Redlich)

Um estudo inédito sobre as centralidades do Rio foi um dos destaques da programação do seminário Qualidades. Realizado pelo IETS, com apoio do Sebrae RJ e por solicitação da Câmara Metropolitana, a pesquisa identificou 30 núcleos da Região Metropolitana do Rio de Janeiro e levantou informações surpreendentes, como o fato de que a Centralidade de Campo Grande é, hoje, a segunda no Rio de Janeiro, acima da Barra da Tijuca.

“Os locais que mais atraem pessoas são também os mais dinâmicos e criativos das cidades. E são também onde os problemas se apresentam. Temos de olhar com cuidado esses locais e incorporar esse conhecimento ao planejamento urbano, para que se desenvolvam com mais qualidade e eficiência”, disse Manuel Thedim, diretor do IETS.

Solicitamos esse estudo para compreender essa dinâmica, que pode nos ajudar a traçar estratégias. Onde alocar hospitais? Dá pena ver o BRT cruzar o ramal ferroviário e a conexão entre eles não ser nada amigável. Essas questões podem ser mais bem enquadradas se conseguirmos no plano estabelecer estratégias e políticas de Estado a perseguir”, disse Vicente Loureiro, diretor executivo da Camara Metropolitana.

Loureiro lembrou que, há mais ou menos 40 anos, o ranking na recém estabelecida Região Metropolitana do Rio era tinha o Centro do Rio em primeiro lugar, Niterói em segundo, seguido de Copacabana e Madureira. Hoje, as centralidades seguem o seguinte ranking: Centro do Rio, Campo Grande, Barra da Tijuca, Centro de Nova Iguaçu, Tijuca, Bonsucesso/Ramos/Olaria, Botafogo, Centro de Duque de Caxias, Bangu, São Cristóvão, Centro de Niterói.
A pesquisadora Maina Celidônio, uma das autoras do estudo, apresentou os dados. Maina explicou que o ranking se baseia em um Índice de Centralidade, que conta com cinco componentes: densidade de emprego, densidade de empresas, densidade de deslocamentos, densidade de matrículas e diversidade da atividade econômica. “As centralidades são, portanto, áreas de alta concentração de atividade econômica, intensa circulação de pessoas e diversidade econômica”, comentou.

O estudo mostrou algumas dinâmicas do desenvolvimento, que reforçam a defesa do adensamento das cidades, levantado por tantos urbanistas críticos de políticas que favorecem a expansão das áreas urbanizadas. “Quanto mais densa, maior a renda média. Áreas de alta concentração de empregos são também áreas com maior concentração de trabalhadores qualificados”, observou Maina. Isso ocorre, explicou a economista, em função de ganhos de produtividade relacionados à proximidade de oportunidades e empresas. Por outro lado, as regiões mais densas são também as de maior desigualdade.

O estudo sobre hierarquia de centralidades mostra a grande concentração de oportunidades, renda, recursos e população na capital: 22 das 30 principais centralidades identificadas estão na cidade do Rio de Janeiro.

As 30 centralidades estudadas concentram 70% dos empregos da Região Metropolitana do Rio de Janeiro e mostram a diversidade do território. Enquanto em Ipanema e Leblon a renda média é de R$ 4500, em Jardim Primavera é de R$ 500.

Outro critério importante para avaliação é a porcentagem de pessoas que vivem e trabalham na mesma centralidade. “As pessoas não precisam se deslocar. Pensamos nisso como um indicador de sustentabilidade”, disse Maina. A melhor região, nesse sentido, é o Centro de Niterói: 70% dos que trabalham no local vivem em Niterói. Em Ipanema e Leblon, são só 5%.

A mobilidade é outro indicador que chama atenção. Cerca de 90% dos que vão para Nova Iguaçu chegam de transporte coletivo; para a Barra, o principal meio de transporte é o carro. Só uma das 30 centralidades tem o trem como principal meio de transporte.

A mesa também teve a participação da professora da Escola de Arquitetura e Urbanismo da UFF, Thereza Christina Couto Carvalho. Thereza explicou que o planejamento baseado em grandes eixos de logística “atropelou as cidades e defendeu o planejamento de longo prazo: “Há excessiva importância atribuída a ações reativas de curto prazo, em detrimento da realização de compromissos de médio e longo prazo”.

Veja aqui a apresentação sobre Centralidades

Veja a apresentação da arquiteta Thereza Christina Couto Carvalho aqui

  • Compartilhe:

Mais Qualicidades

Investidores já podem comprar ações do futuro

Títulos de impacto social oferecem mecanismos de financiamento para projetos de saúde, redução do desemprego e reincidência de presos

Luz sobre os desafios energéticos do século 21

O grande uso de energia e seu impacto sobre o meio ambiente é um dos desafios para o crescimento sustentável

Cidades e cidadãos inteligentes

As cidades já são inteligentes. E os cidadãos?

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre mobilidade

Nova lei divulgada nesta segunda (28) quase vetou operação do aplicativo no Rio

Os reis do Uber

Motoristas veteranos no aplicativo investem em frotas para alugar aos que não têm condições de comprar seu próprio carro

Cinco desafios para o próximo prefeito do Rio

Especialistas em saúde, educação, mobilidade, segurança e economia apontam os principais problemas que o novo gestor da cidade vai precisar resolver

Lugar de bike é na rua

No Méier, com os ativistas do Bike Anjo, repórter do Vozerio testa como é pedalar em ruas sem ciclovia. Bairro tem debate hoje sobre o tema

Mais sobre Região Metropolitana

Curso de idiomas ajuda refugiados a tentar um recomeço na região metropolitana do Rio

Novo projeto vai mapear subsolo da região metropolitana

Batizado de Geovias Metropolitano, trabalho iniciado nesta sexta (16) será coordenado pela Câmara Metropolitana

Estudo aponta centralidades emergentes na região metropolitana do Rio

Campo Grande e Taquara foram áreas citadas em pesquisa, apresentada nesta terça (06) em evento no Centro do Rio

Um diagnóstico sobre a região metropolitana do Rio

Evento nesta segunda (24) marcou a divulgação dos resultados da primeira fase do plano metropolitano

Mais sobre Rio de Janeiro

Livro reúne soluções mirabolantes já propostas para os problemas de um dos principais cartões-postais do Rio

Biblioteca Parque amanhece fechada no Centro

De acordo com Governo do Estado, fechamento é excepcional e prefeitura deve manter espaço aberto em 2017

De mulher para mulher: ocupação feminista no Rio

Rede Agora Juntas encerra neste sábado (17), na Glória, experiência que debateu direitos das mulheres

Alerj vota mudanças no Rioprevidência nesta semana

Medida faz parte do pacote proposto pelo Governo do Estado, que entra em fase final de votação

Mais sobre desigualdade

Como diminuir as desigualdades gritantes na Região Metropolitana do Rio? No OsteRio desta terça-feira (29/3), um caminho ficou claro: mais centros e oportunidades, menos distâncias e deslocamentos
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino