Debates

  • Compartilhe:
Conversa na Biblioteca 15 / 10 / 2015|

Feminismos e feministas: pensando as mulheres hoje

Na próxima terça-feira (20/10), ’Conversas na Biblioteca’ vai debater o que é ser mulher hoje, num momento em que discursos feministas se popularizam sobretudo entre meninas mais jovens.

(Foto: Oliver Kornblihtt / Mídia NINJA)

Feministas revolucionárias, Feminismo sem demagogia, Empodere duas mulheres, Feminista cansada, Feminismo deboísta, Feminismo de 3/4: juntas, essas páginas no Facebook acumulam mais de dois milhões de curtidas. O número, cada dia mais alto, é reflexo de um feminismo revigorado que tem atingido sobretudo mulheres mais jovens — adolescentes que, algumas décadas atrás, não teriam se reunido nas dezenas de Marchas das Vadias que se espalharam pelo país pedindo igualdade de gêneros.

Qual é a contribuição do(s) feminismo(s) hoje na formação das mulheres? O feminismo está se tornando mais individualista? Quais são as manifestações mais comuns do machismo? Para debater essa chamada "quarta onda" do feminismo, a próxima edição do ’Conversas na Biblioteca’ terá três convidadas que vivem e pensam o fenômeno: Giordana Moreira, produtora cultural e idealizadora de projetos como o Grafiteiras pela Lei Maria da Penha e o Festival Roque Pense!; Sofia Soter, cofundadora e editora geral da revista on-line para garotas adolescentes Capitolina; e Liliane Brum Ribeiro, antropóloga e pesquisadora da Redeh - Rede de Desenvolvimento Humano.

A popularização do discurso feminista entre meninas foi uma surpresa para Sofia, que há pouco tempo deu uma palestra para o terceiro ano do ensino médio do Colégio de Aplicação da UFRJ — onde ela mesma estudou apenas alguns anos atrás. "As meninas eram muito mais familiarizadas com o feminismo do que a minha turma era", conta ela. "É muito diferente agora." Ela conta também que o discurso mais politizado parece incomodar mais pessoas, que, vez ou outra, despejam manifestações misóginas no site da Capitolina. "Muitas vezes temos comentários que precisamos excluir, como alguém dizendo que ’por natureza’ as mulheres são inferiores aos homens", conta.

Para Liliane, o feminismo dos anos 2000 é "um feminismo mais ’livre’, menos baseado em uma pauta institucionalizada". Em uma pesquisa realizada em conjunto com a filósofa Carla Rodrigues, professora da UFRJ, Liliane notou que o feminismo tinha pouca visibilidade na mídia nos anos 1980, quando as feministas eram consideradas "quase como um estereótipo das mulheres mal-amadas".

Em sua experiência na criação e organização de projetos na Baixada Fluminense, Giordana Moreira conta também observar feministas cada vez mais jovens. "Pretendo falar das implicações específicas da cultura machista na vivência da mulher que vive na periferia", explica Giordana. "Muitas meninas têm manifestado sua politização feminista por meio da arte e da música."


Serviço:
Conversas na Biblioteca - “Feminismos e feministas: pensando as mulheres hoje”
Com: Giordana Moreira, produtora cultural e idealizadora de projetos como o Grafiteiras pela Lei Maria da Penha e o Festival Roque Pense!; Sofia Soter, cofundadora e editora geral da revista on-line para garotas adolescentes Capitolina; e Liliane Brum Ribeiro, antropóloga e pesquisadora da Redeh - Rede de Desenvolvimento Humano.
Data: 20/10/2015, terça-feira
Horário: das 18h às 19h40
Local: Biblioteca Parque Estadual – Auditório Darcy Ribeiro
Endereço: Avenida Presidente Vargas, 1.261 – Centro.
Entrada Franca

  • Compartilhe:

Mais Conversa na Biblioteca

Numa guerra sem vencedores, vitória é continuar a acreditar

Numa emocionante edição do "Conversas na Biblioteca", midiativista e pesquisadora discutiram os efeitos da política de drogas nas favelas do Rio

Notícias falsas no quarto maior jornal do país

Em bate-papo na Biblioteca Parque Estadual, autores do Sensacionalista revelaram bastidores e o processo criativo das manchetes fictícias

Guerra sem vencedores: a política de drogas na favela e no asfalto

Ana Paula Pelegrino e Raull Santiago discutem tema na próxima quarta-feira (24/2), a partir das 18h, na Biblioteca Parque Estadual

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre política

Livro aborda transformações da Baixada Fluminense durante a ditadura

6 momentos do Rio em 2016

Testemunhas contam o que viram de um dos anos mais agitados dos últimos tempos

De mulher para mulher: ocupação feminista no Rio

Rede Agora Juntas encerra neste sábado (17), na Glória, experiência que debateu direitos das mulheres

Prefeito eleito de Caxias é condenado a 7 anos de prisão por crime ambiental

De acordo com STF, Washington Reis (PMDB) se envolveu na criação de um loteamento ilegal quando era prefeito da cidade

Mais sobre democracia

Estudantes na porta 163ª Zona Eleitoral do Rio, no Catete, dizem não ter a menor ideia em quem votar nas próximas eleições e que só tiram o título "por obrigação"

Curso gratuito vai destrinchar o enigmático mundo das políticas públicas no Rio

Organizado pela Casa Fluminense, ciclo de aulas vai de abril a julho, na Glória; inscrições on-line estão abertas até dia 24/3

Bruxas e bruxos da cidade

Quem são os revolucionários do contemporâneo? Para o geógrafo Jailson de Souza e Silva, fundador do Observatório de Favelas, desafiar a alienação de si é revolucionário

Rio de Janeiro, cidade metropolitana

Enquanto se debate a gestão compartilhada da Região Metropolitana do Rio, o desafio é que o processo se abra às vozes da sociedade civil

Mais sobre feminismo

Filme sobre estereótipos masculinos foi publicado hoje no Youtube; campanha #ElesporElas vai incentivar compromisso contra discriminação de gênero

Câmara municipal ou clube do bolinha?

Número de candidatos é mais que o dobro que o de candidatas nas cinco maiores cidades da região metropolitana do Rio

Volições de Albertina

Esquecida pela história e pelas editoras, a escritora carioca Albertina Bertha (1880-1953) começa a ter sua obra redescoberta — 100 anos depois da publicação de seu primeiro livro, "Exaltação"

Mulheres de Caju e Manguinhos se reúnem para construir mapas afetivos da violência

Iniciativa da ONG Fase iniciada em 2014 realizou encontros semanais com moradoras das comunidades para mobilizar a população e gerar reflexão

Mais sobre Baixada Fluminense

Batizado de Geovias Metropolitano, trabalho iniciado nesta sexta (16) será coordenado pela Câmara Metropolitana

Novo endereço para criar e empreender

Espaço de ’coworking’ Gomeia surge como centro de articulação entre grupos atuantes em cultura na Baixada Fluminense

Sífilis congênita assusta na Baixada Fluminense

Taxa de incidência da doença na região é quase 30 vezes maior que o recomendado por Organização Pan-americana de Saúde

Um diagnóstico sobre a região metropolitana do Rio

Evento nesta segunda (24) marcou a divulgação dos resultados da primeira fase do plano metropolitano
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino