10 Perguntas

  • Compartilhe:
10 Perguntas 24 / 09 / 2015| Isabela Fraga

Flâneur: modo de olhar

"Flanar é ser vagabundo e refletir, é ser basbaque e comentar, ter o vírus da observação ligado ao da vadiagem. [...]. É vagabundagem? Talvez. Flanar é a distinção de perambular com inteligência."

É possível flanar pelo Rio hoje? Num momento em que a circulação pela cidade é tema cada vez mais questionado por seus próprios cidadãos, as palavras do escritor João do Rio (1881-1921) no clássico A alma encantadora das ruas (1910) parecem ressoar com mais força. Afinal, o pseudônimo definitivo do escritor João Paulo Barreto tem vida própria e é considerado hoje um dos mais importantes cronistas cariocas, autor de narrativas memoráveis das transformações urbanísticas e sociais vividas pelo Rio na belle époque, sob o governo do então prefeito Pereira Passos. Os paralelos possíveis entre os começos do século XX e XXI são muitos, e é sobre eles que conversamos com a socióloga Maria Alice Rezende, professora da Pontifícia Universidade Católica (PUC-Rio). Nesta quinta-feira (24), às 17h, ela falará na Biblioteca Nacional justamente sobre João do Rio, o dândi, o flâneur, o escritor, o jornalista e o observador. A palestra é parte do Ciclo de Conferências sobre os Construtores da Literatura Carioca, realizado pela BN e pela Academia Carioca de Letras até o final de janeiro de 2016.

  1. João do Rio viveu, no começo do século XX, mudanças drásticas na paisagem (realizadas pelo então prefeito Pereira Passos) e no comportamento cariocas. Hoje, no século XXI, também temos experimentado transformações desse tipo — basta olhar em volta para perceber que o Rio está em obras. Os ideais de cidade moderna projetados pelos dois prefeitos, inclusive, parecem bem similares. Quais as semelhanças e diferenças entre esses dois momentos? É possível fazer um paralelo?
    Talvez seja possível construir aproximações entre esses dois momentos, sobretudo pelo tipo de intervenção urbanística que estamos assistindo. Mas penso que, mais importante do que as transformações materiais e subjetivas que estavam em curso à época em que João do Rio viveu, foi o “olhar”, a perspectiva que passou a presidir as narrativas sobre a cidade. Aquele foi um tempo em que os jornais se transformaram, com a profissionalização de redatores, repórteres, cronistas, chargistas — ou seja, com o aparecimento de um novo modo de observar e traduzir a cena urbana. Os relatórios de polícia, os relatos de viajantes, as cartas e, sobretudo, a literatura romântica — os modos convencionais de “dizer” a cidade — passaram a conviver com uma linguagem mais atenta ao efêmero, ao instante, ao escândalo, a tudo aquilo que poderia atrair os leitores de um jornal “pago”. É esse novo regime discursivo o que distingue o contexto em que João do Rio viveu e escreveu do momento atual e de outros períodos.
  2. Pode-se dizer que João do Rio foi um dos principais responsáveis pela formação da "alma carioca" no imaginário brasileiro (e mundial)?
    Pode-se dizer que ele construiu uma dentre as muitas “almas cariocas” que habitam o imaginário da nação. Porque, afinal, o dandy dos salões da belle époque — figura comumente associada a João do Rio — é tão reconhecidamente carioca quanto o praiano menino do Rio, de que falou Caetano Veloso. Há, portanto, camadas de significação atribuídas à alma do Rio de Janeiro, construídas em contextos diversos, que mantêm, inclusive, uma “conversa” entre si.
  3. E qual a significação atribuída por João do Rio à cidade?
    No caso de João do Rio, a ideia enfatizada é a de uma sociabilidade que provém do espaço público, da rua, da relação que se estabelece entre a vida subjetiva dos citadinos e a materialidade urbana a que estão expostos. Não mais o predomínio da sociabilidade dos sobrados; não ainda o espaço público representado pela praia: simplesmente a rua.
  4. Muitos fazem uma comparação entre João do Rio e Baudelaire: o primeiro seria um flâneur dos trópicos. Você acha que é possível e factível um flâneur em 2015 no Rio?
    Flanar, para João do Rio, é percorrer as ruas com inteligência. O flâneur é um observador atento e analítico. Ele vê coisas que os outros não veem, ele reflete, deduz, traça o perfil físico e moral das ruas. O flâneur, portanto, não é um personagem datado e, sim, uma operação cognitiva, que recorta, da variedade dos fatos urbanos presenciados, aquilo que será estilizado e apresentado como uma tradução da cidade. Assim, turistas ou estrangeiros em uma determinada cidade podem experimentar a flanêrie, tal como ocorre com jovens “imaginosos” de todas as idades.
  5. Flanando pela cidade hoje, o que ele encontraria?
    Receio que hoje, em 2015, João do Rio encontrasse sociedades excessivamente comandadas pelo dinheiro, que condenam os transeuntes à pressa, à padronização de comportamentos e gostos, à vulgaridade dos modos, à ação automática e irrefletida — tudo o que seu heterônimo, Godofredo Alencar, previu e temeu.
  6. Se andasse pelo Rio hoje, o que espantaria mais João do Rio, na sua opinião?
    Acho que o seu espanto estaria associado à percepção de que muitas das tendências que ele construiu analiticamente seriam, hoje, facilmente verificáveis. A tendência à homogeneização das grandes cidades, por exemplo, como efeito de um cosmopolitismo patrocinado por interesses transnacionais é uma dessas predições. Outra impressionante análise é a que encontramos em uma de suas crônicas publicadas na coluna "Cinematógrafo", na qual João do Rio aponta a tensão entre modernidade e decadência como fundamento da violência e da criminalidade nas grandes cidades — dramatizadas, ambas, pelo fato de serem praticadas, cada vez mais, por crianças. O lado aristocrático de João do Rio, exercitado em seu dandismo, seria impactado, sem dúvida, por esse mundo degradado que alimentava a sua experiência literária e jornalística.
  7. Qual a importância de João do Rio na criação do imaginário carioca que cultivamos hoje?
    Um dos grandes estudiosos de João do Rio, Renato Cordeiro Ramos, lembra, com razão, que na década de 1970, João do Rio se encontrava quase esquecido, em meio a uma cidade que sofria as agruras da ditadura militar. Foi no começo da década de 1980, quando começaram a soprar os ares da liberalização política, que Carlos Drummond de Andrade, em crônica publicada no Jornal do Brasil, começou a restaurar a presença de João do Rio em nossa imaginação literária, sociológica e mesmo urbanística. Creio que João do Rio é um dos nossos ancestrais mais poderosos, no que se refere ao tratamento intelectual da cidade do Rio de Janeiro, em diferentes perspectivas disciplinares. Por outro lado, para o senso comum, a ideia de uma cidade que se encontra na rua, que ama as esquinas, que sempre acorre ao espaço público é algo que tem em João do Rio um formulador importante, embora não seja o único.
  8. Qual lugar João do Rio ocupava naquela belle époque? Esse lugar existe ainda hoje — ou deveria existir? Quem o ocuparia?
    São contextos efetivamente muito distintos, nos quais a crítica social e a prática intelectual da denúncia ocupam lugares bastante diferentes. Na belle époque, a denúncia das mazelas acarretadas pelo dinheiro, pela modernidade — a crítica, enfim, à decadência — era uma dicção autoral, um tópico do projeto literário de alguns autores, que não tinham muitos concorrentes na disputa pela autoria desse diagnóstico da degradação. Pode-se dizer que a literatura e o jornalismo organizavam esse território discursivo. Hoje, como se sabe, ele se encontra muito mais povoado por diferentes saberes, vozes, atores, o que torna mais difícil a consagração de um autor específico.
  9. O Rio da belle époque era mais diverso e "público" do que é hoje?
    Era mais diverso — no sentido de ser social e culturalmente mais heterogêneo —, porém, menos “público”, se levarmos em conta a centralidade dos sobrados naquele contexto e a demofobia característica das elites recém tornadas republicanas.
  10. Você vê um deslocamento de importância política da Zona Sul/Centro para a Barra com a realização de grandes eventos na cidade? Como esse deslocamento muda o modo de vida da cidade?
    A corrida da cidade para a região Oeste é fruto de um equívoco político e urbanístico que recua aos anos de 1940/50. O Rio de Janeiro, que nascera no entorno da Baía de Guanabara, que assim se tornara conhecido nacional e internacionalmente, e cuja iconografia histórica consagrara a imagem de uma disputa épica entre o mar e as montanhas, foi levado a desbravar os baixios da Zona Oeste, onde tudo deveria ser erguido a partir do “zero”. Não foi, portanto, um crescimento natural, orgânico, da cidade; e, quando essa naturalidade não se impõe, as fraturas entre as duas dinâmicas — a da velha urbe e a da nova frente de expansão — levam certo tempo, e muito dinheiro, para a sua correção. A Barra da Tijuca, desde então, ensaia a prescrição de um estilo de vida alternativo. Mas, como a sociabilidade das esquinas e a crítica ao rodoviarismo voltaram a ser mobilizados na ideação do “etos carioca”, a força centrípeta dessa nova configuração tem atuado no sentido de tornar a zona portuária o eixo privilegiado de revitalização da cidade. Estamos de volta, pois, ao ambiente literário de Paulo Barreto, o João do Rio.
  • Compartilhe:

Convidado

Maria Alice Rezende

Socióloga e professora da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Mais 10 Perguntas

André Buffara: O Uber aos olhos da lei

Advogado analisa aplicativo do ponto de vista do direito econômico

Emílio Domingos: “A cadeira do barbeiro é um divã”

Diretor de A Batalha do Passinho, Emílio Domingos fala sobre Deixa na Régua, seu novo filme que aborda universo das barbearias cariocas

Clarisse Linke: Mapa da juventude em movimento

Para Clarisse Linke, diretora do ITDP Brasil, transporte de alto custo e má qualidade é um fator de exclusão dos jovens nas cidades brasileiras

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre cultura

Visitante acusa namorado de funcionária de discriminação durante ida ao local na última sexta (30)

Biblioteca Parque amanhece fechada no Centro

De acordo com Governo do Estado, fechamento é excepcional e prefeitura deve manter espaço aberto em 2017

’Sem cultura é barbárie’

Artistas e gestores pedem que o Governo do Estado não acabe com a Secretaria Estadual de Cultura, e de quebra criticam o município por falta de transparência em Fomento às Artes

Novo endereço para criar e empreender

Espaço de ’coworking’ Gomeia surge como centro de articulação entre grupos atuantes em cultura na Baixada Fluminense

Mais sobre história

Livro aborda transformações da Baixada Fluminense durante a ditadura

Daqui do morro, eu não saio não

Até o fim do mês, moradores e historiadores relembram relação entre favela e ditadura em curso sobre o tema

Viagem por um Rio passado e imaginário

Mapa interativo criado por universidade americana mostra a história do Rio no tempo e no espaço

Negros, libertos e monarquistas

Existência da Guarda Negra, irmandade secreta de negros surgida após promulgação da Lei Áurea, é um episódio esquecido da história do Brasil

Mais sobre crônica

No aniversário de 451 anos da cidade, o historiador Luiz Antonio Simas vaticina: o Rio não precisa ser consertado, precisa é de um concerto

Existe amor no RJ

Com seu Dicionário Amoroso do Rio de Janeiro, o jornalista Alvaro Costa e Silva revela uma cidade sentimental e pitoresca em 48 verbetes

Anjos da Maré

Com força de pesadelo, a violenta realidade da Maré invade as noites de Renata Rodrigues, assessora de imprensa do Viva Rio

Varandas

Carlos Meijueiro, um dos criadores do coletivo Norte Comum, contempla as vidas que passam nos balcões do prédio em frente

Mais sobre rua

Da atuação da polícia à desesperança: como a geração de 2013 enxerga as mobilizações de 2016

Ocupando a rua, com a bênção de Donga e João da Baiana

Como um bloco como o Escravos da Mauá contribui para fortalecer a identidade do seu bairro — no caso, a zona portuária? Neste artigo, Teresa Guilhon — uma das fundadoras do cortejo — explica

As formas e a vida da cidade

Estudo e filme demonstram como configuração de edifícios impacta vitalidade urbana e usos do espaço público. Modelo de torres isoladas gera cidade segregada e pouco diversa

O crack e a cidade: por que é preciso quebrar o estigma

Cracolândias, "cracudos", viciados: antropóloga explica como a imagem dos consumidores da droga considerada símbolo de degradação revela muito sobre a dinâmica das cidades e critica programa ’Crack, é possível vencer’, do governo federal

Mais sobre literatura

Até domingo (13), Festa Literária das Periferias (Flupp) agita favela da zona oeste carioca

Volições de Albertina

Esquecida pela história e pelas editoras, a escritora carioca Albertina Bertha (1880-1953) começa a ter sua obra redescoberta — 100 anos depois da publicação de seu primeiro livro, "Exaltação"

Editora aposta em vaquinha para lançar livros de nicho

Editora usa o crowdfunding para financiar projetos literários — uma alternativa para livros ignorados pelo mercado

A saga de quem faz cultura nas ruas do Rio

Organizadores do Sarau do Escritório mostram como vencer o vilão da burocracia em 11 fases
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino