Pensatas & paixões

  • Compartilhe:
Pensatas 18 / 12 / 2015|

Jacarezinho: Paz com prazo de validade

Nas duas últimas semanas, os moradores do Jacarezinho sofreram com violentos confrontos entre policiais e traficantes dentro da comunidade. O que causou o fim do prazo de validade da paz?

Em outubro de 2012, em apenas 15 minutos, foi implantada no Jacarezinho uma Unidade de Policia Pacificadora (UPP). Como nas outras chamadas “comunidades carentes”, o governo empurrou o programa goela abaixo, com o discurso de que iria proporcionar segurança e melhores condições de vida. Só faltou o carimbo: “válido até 2015”.

Apesar de a comunidade do Jacarezinho, na época, ser considerada uma das mais violentas e perigosas do Rio de Janeiro, na ocasião, como se houvesse um pacto, não houve confronto. Passamos três anos sem conflitos – eu até tinha me esquecido do som dos tiros.

Porém, nas duas últimas semanas, os moradores do Jacarezinho foram surpreendidos por violentos confrontos entre policiais e traficantes dentro da comunidade, que culminaram na morte de três policiais e deixaram também pessoas feridas.

Durante uma semana houve tiroteios diários, levando pânico aos moradores, que há muito não se deparavam com tamanha violência. Depois de um longo período de tranquilidade, a comunidade viveu um caos, onde os grandes prejudicados foram, na verdade, os residentes no Jacarezinho – que não podiam circular a comunidade, sequer sair de casa, sem o risco de sofrer algum tipo de violência, de ambos os lados — , e os comerciantes, que precisaram fechar seus estabelecimentos. Apesar dos problemas, os pais mantiveram a rotina de enviar seus filhos para a escola, mesmo com o medo estampado nos seus rostos.

O que causou o fim do prazo de validade da paz? Como explicar essa mudança tão radical?

Se, por um lado, houve o desafio quase insano dos traficante ao poder público (fortemente armados, eles iam de encontro aos policiais sem nenhum temor); por outro, tivemos muitos casos de truculência policial. Com a garantia da farda, a polícia usou e abusou do “direito” de agredir, invadir residências e lojas na comunidade em nome da lei e da ordem. Uma das situações que mais gerou insatisfação foi a apreensão de motos, muitas vezes apenas pelo condutor andar sem capacete.

Comprovadamente, houve abuso de poder por parte de alguns policiais, que se acharam no direito de, agir completamente à margem da lei ou melhor, acima dela. Esta certamente foi uma das razões para o confronto. Sobre outras, pouco se sabe.

O fato é que tivemos momentos tenebrosos nestes últimos dias. Aos poucos, as coisas vão se acalmando e a população retoma a normalidade do seu dia a dia. Ainda sentimos, no entanto, as consequências dos dias de confronto. Estamos a pouco mais de dois meses do carnaval, e os ensaios da Unidos do Jacarezinho, por exemplo, foram suspensos pela polícia e ainda não voltaram a ser autorizados.

Hoje, o patrulhamento dentro da comunidade é realizado pelo Bope, enquanto os policiais da UPP, por ordem do comando, se mantém nas respectivas bases . O que a população espera é que a postura dessas autoridades seja pautada no respeito aos direitos do cidadão morador do local.

  • Compartilhe:

Convidado

Mauro de Paula

Mauro de Paula, 60 anos, é compositor seis vezes campeão da Unidos do Jacarezinho e jornalista.

Mais Pensatas

Recado da Cidade de Deus

Pesquisador do CESeC relata a indignação de moradores da Cidade de Deus se reuniram em um protesto na quinta-feira (24/11) contra o uso de mandado de busca coletivo nas ações policiais

Novo endereço para criar e empreender

Espaço de ’coworking’ Gomeia surge como centro de articulação entre grupos atuantes em cultura na Baixada Fluminense

O Filósofo do Samba

Nascido há 100 anos, sambista Silas de Oliveira é autor de uma obra atemporal, que vem sendo resgatada por uma nova geração de músicos

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre favela

Documentário conta cinco histórias de jovens migrantes que residem nas favelas do Rio

UPPs: 8 anos depois

Moradores de favelas ocupadas revelam impressões, opiniões e expectativas em relação ao projeto

Daqui do morro, eu não saio não

Até o fim do mês, moradores e historiadores relembram relação entre favela e ditadura em curso sobre o tema

Cidade de Deus vira capital da literatura

Até domingo (13), Festa Literária das Periferias (Flupp) agita favela da zona oeste carioca

Mais sobre segurança pública

Pesquisador do CESeC relata a indignação de moradores da Cidade de Deus se reuniram em um protesto na quinta-feira (24/11) contra o uso de mandado de busca coletivo nas ações policiais

A nau sem rumo da segurança pública

Para o sociólogo Renato Sérgio de Lima, vice-presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e professor da FGV, lideranças do Rio precisam parar de reduzir a segurança pública a uma mera gestão da legislação penal e das instituições policiais

Favelas do Rio amargam abril violento

Apenas no último mês, PM e traficantes mataram pelo menos 15 pessoas no Jacarezinho, na Mangueira e em outras comunidades

Quando o policial é alvo de sua própria arma

Em entrevista, Dayse Miranda, pesquisadora da UERJ discute o suicídio cometido por policiais militares no Rio, um drama silencioso

Mais sobre UPP

O Coronel Robson Rodrigues, que acaba de deixar a chefia do Estado Maior da PM, diz que a mudança na formação de policiais é a chave para renovar a corporação

Prazeres se mobiliza por paz

Moradores do morro dos Prazeres fazem ato hoje para pedir o fim de conflitos entre policiais e bandidos

Evento vai ocupar com grafite beco no Alemão onde Eduardo foi morto

Iniciativa organizada pelo coletivo Papo Reto acontecerá no sábado (21/11), às 11h

"Pode falar, a capitão é um homenzinho!"

Mais escolarizadas, desempenhando mais funções administrativas e lidando diariamente com o machismo da PM, as mulheres policiais das UPPs afirmam ser menos hostilizadas pelos moradores das comunidades, aponta pesquisa

Mais sobre Jacarezinho

Sociólogo português Boaventura de Sousa Santos retorna ao Jacarezinho, comunidade que estudou na década de 1970, em período de intensa agitação política e social.
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino