Burburinho

  • Compartilhe:
Burburinho 7 / 10 / 2015| Daniel Gullino

Maratona hacker incentiva inovações em museus

Desafio Hackathon começa nesta quinta-feira, promovendo disputa entre grupos de programadores para pensar os museus do futuro. Integrantes devem propor soluções para visualização digital de acervos e novas experiências de visitação.

Como os museus podem aproveitar as inovações tecnológicas para se tornarem mais atraentes e abertos ao público? Essa é a questão levantada pelo Desafio Hackathon 2015, que começa nesta quinta-feira (dia 08/10) e é realizado pelo SESI Cultural, em parceria com o Museu de Arte do Rio.

O Hackathon é uma espécie de maratona hacker, que reúne programadores, designers e outros profissionais para desenvolverem projetos inovadores. O tema desse encontro será o "Imagine o museu do século XXI”.

JPEG - 58.7 kb
Hackathon realizado em Curitiba, em 2014, durou 32 horas e resultou em aplicativos de saúde, mobilidade e cidadania. (Foto: Valdecir Galor/ SMCS)

A iniciativa faz parte do SESI Cultura Digital, que teve início hoje e que vai até sábado (dia 11/10). O evento também conta com palestras, workshops e shows. Essa é a terceira edição do projeto, e a segunda em que haverá um hackathon. Em 2014, os programadores se juntaram para pensar ideias sobre o meio ambiente.

O desafio terá duração de três dias e funcionará como uma competição entre grupos de três a cinco pessoas. Os três primeiros colocados ganharão prêmios de até R$ 10 mil. As atividades serão organizadas em dois eixos: visualização digital de acervos e novas experiências de visitação. As inscrições já estão encerradas.

A graça do projeto é “juntar pessoas de saberes diferentes para resolver um problema”, avalia Ivan Pinto, da gerência do SESI Cultural. Ele ressalta que o desafio pretende apenas dar o passo inicial na idealização de projetos e ferramentas. “Não esperamos que ninguém saía com uma solução pronta”, afirma.

Ivan aponta que os hackathons tem sido cada vez mais utilizados no Brasil, tanto pelo poder público (incluindo a Câmara dos Deputados) como pela iniciativa privada. “É um movimento que vem crescendo. Há cerca de dois anos começou a ficar mais forte”, relata.

Para quem está participando, ele acredita que as vantagens são o aprendizado, a oportunidade de viabilizar projetos e de colocar em prática determinadas habilidades. Já para os organizadores, pode ser uma boa forma de recrutar talentos e buscar inovação.

Para quem relaciona hackers apenas a crimes cibernéticos, Ivan explica que o termo é muito mais abrangente. “As pessoas usam muito a palavra hackear como uma forma de mudar as coisas para que sejam melhores. O hacker pega uma coisa que está pronta e transforma, de forma critica, em algo que atenda a suas necessidades”, afirma.

  • Compartilhe:

Mais Burburinho

Parque Madureira não tem data para chegar à avenida Brasil

Prometida por Eduardo Paes para o ano passado, obra depende agora do aval de Marcelo Crivella

CCBB é palco de protesto após episódio de lesbofobia

Visitante acusa namorado de funcionária de discriminação durante ida ao local na última sexta (30)

Que tal aterrar a Lagoa?

Livro reúne soluções mirabolantes já propostas para os problemas de um dos principais cartões-postais do Rio

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre participação

Grupo no Facebook promove ciência cidadã sobre fauna marinha no Rio

Conselho da Juventude convida jovens a pensar políticas públicas

Para Rafaela Marques, coordenadora do programa, o conselho preenche lacunas da participação da juventude no governo

"A crise pode aumentar o cuidado e o interesse pelo voto", afirma cientista político

Para o professor da UFRJ Jairo Nicolau, crise vivida pelo Brasil pode atrair mais atenção da juventude para a política eleitoral

Fórum Rio discute a cidade pós-Olimpíadas este sábado na Pavuna

No evento, também será lançada a plataforma on-line AgendaRio.org, que servirá de repositório das ideias para melhorar a cidade e a região metropolitana

Mais sobre tecnologia

Fazendas urbanas e reformas planejadas para favelas são algumas iniciativas que pretendem tornar mais equilibrado o crescimento das metrópoles brasileiras

Cidades e cidadãos inteligentes

As cidades já são inteligentes. E os cidadãos?

Gestão e sustentabilidade urbana em debate hoje

Seminário terá apresentação de estudo inédito sobre centralidades da Região Metropolitana

O potencial transformador das lan houses no Rio de Janeiro

Constance Albanel, do ITS, lembra a importância das lan houses no processo de inclusão digital das periferias cariocas. O projeto Rio Mozilla Club busca reinventar esses espaços, esvaziados pela era dos smartphones.

Mais sobre arte

No projeto "Banco dos Irreais", o mexicano José Miguel Casanova quer estimular a troca direta de tempo, serviços e experiências entre as pessoas sem a intermediação de dinheiro

Um Rio de azulejos na Maré

Painel formado por centenas de azulejos pintados por crianças da Maré será inaugurado na casa de moradora neste sábado (30/4); projeto pretende colorir ruas do bairro

Conheça os projetos cariocas que participarão da Bienal de Veneza deste ano

Nove dos quinze projetos brasileiros selecionados para o Pavilhão do Brasil na Bienal de Veneza são do Rio; iniciativas selecionadas vão de Madureira a Ipanema

"Será que a pichação é apenas uma atitude irresponsável?"

Gustavo Coelho é professor da Uerj e estuda pichação, bate-bolas e outros fenômenos cariocas sob o olhar da estética

Mais sobre museu

Falta a vários museus cariocas a habilidade de dialogar com o público. Por quê? Neste artigo, a museóloga Claudia Porto explica e apresenta sua definição de "museu do século XXI"
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino