Debates

  • Compartilhe:
Conversa na Biblioteca 18 / 06 / 2015| Julia Meneses

Moradores das ruas pedem soluções

Depoimentos de pessoas em situação de rua marcaram a noite de debate no ‘Conversas na Biblioteca’, que abordou o público heterogêneo que faz da rua seu lar. O subsecretário Municipal de Proteção Social Especial elencou mudanças para um novo sistema.

O tema do debate eram os moradores de rua e a relação que com eles tem a cidade, sua população e instituições. Um grupo destes habitantes do Rio de Janeiro não se conformou em ser apenas assunto e ocupou as cadeiras do auditório da Biblioteca Parque Estadual (BPE) para dialogar diretamente com os palestrantes. Após as apresentações da jornalista Yzadora Monteiro, uma das criadoras da página Rio Invisível, e do subsecretário municipal de Proteção Social Especial, Rodrigo Abel, eles fizeram perguntas, deram depoimentos sobre dificuldades cotidianas e cobraram ações de apoio ao representante da Prefeitura.

JPEG - 83.5 kb
A jornalista Yzadora Monteiro contou histórias de quem já conheceu nas ruas (Foto: Pedro de Souza)

Realizado pelo Vozerio, na última terça-feira, dia 16, o evento foi o segundo da série Conversas na Biblioteca e se iniciou com a participação de Yzadora Monteiro. Criada no Facebook em setembro de 2014, por Yzadora e pelo publicitário Nelson Pinho, a página Rio Invísivel já tem mais 80 mil seguidores e entrevistou e fotografou mais de 60 moradores de rua. A dupla se inspirou em página semelhante de São Paulo para desconstruir barreiras sociais. “Descobri que a barreira era eu mesma”, disse Yzadora.

“Hoje, a população de rua no Rio de Janeiro são números. Com a página, eles são mais que números. Lá temos o Paulo, a Dirá e a Deusa, que tem sonhos, futuro e passado. O objetivo da página é conhecer quem tem a rua não como lugar de passagem, como muitos de nós, mas como ponto de partida e destino. E conhecer um problema social por quem o vive.”

Responsável pelo desenho de políticas para apoiar os que vivem nas ruas e em abrigos, o subsecretário municipal de Proteção Social Especial, Rodrigo Abel, precisa trabalhar com os números. Abel reconheceu que, historicamente, o Rio não é um exemplo para políticas públicas voltadas a essas parcelas da população.

“O país não tem uma política pública para população em situação de rua e a cidade do Rio de Janeiro sempre teve histórico de combate a quem usufrui da rua para processos sociais, afetivos e econômicos. Desde a época de Pereira Passos, da época de repressão aos moradores de rua, aos camelôs e ao comércio ilegal”, lembrou Rodrigo Abel. O secretário afirmou que a atual gestão da Secretaria, cujo titular é o vice-prefeito Adilson Pires, adota uma nova postura. Tanto que Abel teve de trocar parte da sua equipe. "As pessoas não compreenderam que o processo tinha outra filosofia. E algumas, quando se revestem da ‘armadura’ do serviço público, se acham um pouco policial”, criticou.

JPEG - 75.4 kb
Subsecretário municipal de Proteção Social Especial, Rodrigo Abel. (Foto: Pedro de Souza)

Da necessidade de conhecer melhor essas pessoas e aperfeiçoar o trabalho na secretaria, surgiu a “Análise do Censo da População em Situação de Rua na Cidade de Janeiro”, uma parceria entre a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social do Rio de Janeiro e o Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade (IETS). "Capacitamos 650 pessoas da secretaria e durante quatro dias visitamos pontos da cidade para entender a vida e os fluxos migratórios dessa população. Em 2013, constamos um número em torno de 7 mil pessoas — 5.400 nas ruas e o restante em abrigos”, disse Abel.

O subsecretário admitiu que os equipamentos públicos são ruins e por isso, muitos preferem ficar na rua. Segundo ele, a secretaria trabalha com dois tipos de equipamentos: os de longa permanência e os destinados somente ao pernoite. “Estamos reformando quatro grandes abrigos e construindo dois albergues para o pernoite, num modelo americano, com direito a janta e café”. Para ele, o grande fluxo grande e rotatividade dos abrigos de hoje não ajudam no trabalho da secretaria, pois dificultam a criação de laços entre equipe e usuários.

Perguntas e respostas

Muitas perguntas feitas no debate focalizaram a situação dos hotéis que hoje servem de abrigo. Leandro da Conceição reclamou do tempo máximo estipulado para a permanência: três meses. “Já somos moradores de rua, já temos dificuldades. Como vamos conseguir emprego em três meses?”, disse Leandro. Outro relato foi o de Batista, que contou ter ensino superior e falar várias línguas. Ele reclamou da degradação de um dos abrigos, situado na Ilha Governador: "Falta água, alimento e respeito.“Qual a solução?”. Yzadora Monteiro corroborou, acrescentando que, entre seus entrevistados, "a palavra mais usada para caracterizar esses lugares é inferno".

A jornalista ainda indagou Rodrigo Abel sobre a localização dos abrigos, citando dois deles, um na Ilha do Governador e outro em Paciência, situados em áreas dominadas pelo tráfico ou pela milícia: “Não adianta criar um aparato físico, ter bons profissionais se o entorno não propicia uma boa qualidade de vida”. Outra pergunta, lida pela mediadora Anabela Paiva, mostrou que políticas de habitação e emprego são essenciais na assistência social aos moradores de rua: “Ganho 800 reais, como vou pagar um aluguel de 600?”.

Em resposta, Rodrigo contou que vem tentando obter do governo federal prioridade para a inclusão da população em situação de rua no programa Minha Casa, Minha Vida. O governo respondeu que essas pessoas já são incluídas no programa, nas unidades destinadas ao público mais pobre. Ele prometeu avaliar uma possível extensão do prazo de permanência nos hotéis, que se destinam aos que estão em transição, deixando a moradia nas ruas. Segundo ele, cada caso deve ser avaliado individualmente. Reformas estão em curso em abrigos, mas ele enfatizou que estes equipamentos não são suficientes: “Não tem muita solução, a não ser aumentar o acesso ao mercado de trabalho e a renda dessas pessoas”.

JPEG - 106.2 kb
Nina, coordenadora do Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro POP) de Niterói, participa do debate

Assistentes sociais também estavam presentes no debate. Nina, coordenadora do Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro POP) de Niterói, disse que as equipes de assistência não contam com o apoio de outros serviços. “Não existe bem estar social sem a saúde. Mas, se algum [morador de rua] está passando mal, o SAMU não recolhe, por exemplo. Nós trabalhamos praticamente sozinhos. Precisamos da justiça, habitação, educação e uma série de outras coisas”, defendeu.

Tanto o subsecretário quanto assistentes sociais queixaram-se da indiferença da sociedade em relação aos que vivem nas ruas. “A sociedade cobra uma solução para esse tema, custe o que custar. São poucas as pessoas que se preocupam. A maioria não quer aquelas pessoas perto. Querem na porta do vizinho, não na sua”, disse Rodrigo Abel, que leu duas das muitas mensagens eletrônicas que costuma receber, exigindo a retirada de indivíduos de praças e calçadas. Nina completou: “A mesma população que dá uma quentinha, um café, liga para nós e pede a retirada da população de rua. Mas, ajudar, ninguém quer”, alfinetou a coordenadora.

Diante de alegações da plateia de que os agentes da Secretaria obrigam moradores a deixar locais ou irem para abrigos, o subsecretário enfatizou que existem equipes da Defensoria Pública voltadas para garantir os direitos dos que se sentirem violados. Ele reiterou o compromisso de evitar qualquer "limpeza" da cidade dos moradores de rua, afirmando: "A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social não tem o direito de impor um padrão social de convivência a quem quer que seja. Não vejo outro significado para retomada de trajetória que não seja aquela que a pessoa quer”.

Assista aos melhores momentos da conversa:

  • Compartilhe:

Convidados

Rodrigo Abel

Subsecretário municipal de Proteção Social Especial

Yzadora Monteiro

Jornalista e uma das criadoras do ’Rio Invisível’

Mais Conversa na Biblioteca

Numa guerra sem vencedores, vitória é continuar a acreditar

Numa emocionante edição do "Conversas na Biblioteca", midiativista e pesquisadora discutiram os efeitos da política de drogas nas favelas do Rio

Notícias falsas no quarto maior jornal do país

Em bate-papo na Biblioteca Parque Estadual, autores do Sensacionalista revelaram bastidores e o processo criativo das manchetes fictícias

Guerra sem vencedores: a política de drogas na favela e no asfalto

Ana Paula Pelegrino e Raull Santiago discutem tema na próxima quarta-feira (24/2), a partir das 18h, na Biblioteca Parque Estadual

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre participação

Grupo no Facebook promove ciência cidadã sobre fauna marinha no Rio

Conselho da Juventude convida jovens a pensar políticas públicas

Para Rafaela Marques, coordenadora do programa, o conselho preenche lacunas da participação da juventude no governo

"A crise pode aumentar o cuidado e o interesse pelo voto", afirma cientista político

Para o professor da UFRJ Jairo Nicolau, crise vivida pelo Brasil pode atrair mais atenção da juventude para a política eleitoral

Fórum Rio discute a cidade pós-Olimpíadas este sábado na Pavuna

No evento, também será lançada a plataforma on-line AgendaRio.org, que servirá de repositório das ideias para melhorar a cidade e a região metropolitana

Mais sobre política

Livro aborda transformações da Baixada Fluminense durante a ditadura

6 momentos do Rio em 2016

Testemunhas contam o que viram de um dos anos mais agitados dos últimos tempos

De mulher para mulher: ocupação feminista no Rio

Rede Agora Juntas encerra neste sábado (17), na Glória, experiência que debateu direitos das mulheres

Prefeito eleito de Caxias é condenado a 7 anos de prisão por crime ambiental

De acordo com STF, Washington Reis (PMDB) se envolveu na criação de um loteamento ilegal quando era prefeito da cidade

Mais sobre habitação popular

Prefeito e moradora divergem sobre desapropriação na Vila Autódromo

Saudosas malocas

Urbanista Raquel Rolnik discute transformação da habitação, de política social em ativo financeiro, em novo livro lançado no Rio

Acessibilidade é desafio para idosos que vivem em favelas

Escadas, calçadas defeituosas e dificuldades de transporte são obstáculos para que moradores tenham acesso a lazer, saúde e serviços

Rio, 70 graus

Semana que registrou os dois dias mais quentes do ano chama atenção para as ilhas de calor na Região Metropolitana: desde os anos 1980, o solo ficou 15 graus mais quente

Mais sobre rua

Da atuação da polícia à desesperança: como a geração de 2013 enxerga as mobilizações de 2016

Ocupando a rua, com a bênção de Donga e João da Baiana

Como um bloco como o Escravos da Mauá contribui para fortalecer a identidade do seu bairro — no caso, a zona portuária? Neste artigo, Teresa Guilhon — uma das fundadoras do cortejo — explica

Flâneur: modo de olhar

O que João do Rio encontraria se andasse pela cidade em 2015? Nesta entrevista, a socióloga Maria Alice Rezende compara o Rio de Pereira Passos com o de Eduardo Paes, renovando a importância do cronista que inventou a cidade dos anos 1910

As formas e a vida da cidade

Estudo e filme demonstram como configuração de edifícios impacta vitalidade urbana e usos do espaço público. Modelo de torres isoladas gera cidade segregada e pouco diversa

Mais sobre população em situação de rua

Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino