Pensatas & paixões

  • Compartilhe:
Paixões 21 / 12 / 2015|

Natal em Jardim Gramacho

O lixão foi fechado, mas o lixo está por toda parte, integrando-se ao cotidiano das crianças — aliás, nunca vi tanta criança na minha vida.

(Foto: Leonardo Toco)

Logo na chegada à favela, após descer da van, minha filha tapa os olhos para se proteger do sol forte. Uma senhora se aproxima e diz, bem-humorada:

— Você está chorando porque nunca viu tanta gente feia?

A moradora, dona América, está ali para participar da festa de Natal na favela do lixão de Jardim Gramacho, organizada pela ONG Corrente Pelo Bem, que luta para minimizar as enormes carências locais. Levei no domingo passado Alice, de 6 anos; minha sogra, Silvia Krutman; e uma amiga dela, Sonia, que é espanhola, para conhecer o trabalho da ONG e o lugar onde funcionou durante anos o lixão de Jardim Gramacho.

O lixão foi fechado, mas o lixo está por toda parte, integrando-se ao cotidiano das crianças — aliás, nunca vi tanta criança na minha vida. Uma moça pergunta se entre os presentes não tem carrinho de bebê. Uma voluntária comenta com outra que ficou com vontade de responder:

— Não, mas vamos trazer pílula anticoncepcional.

A amiga completa:

— Mas não adianta nada a pílula sem trazer junto a educação.

É difícil organizar a multidão em três filas para a entrega de mantimentos, roupas e brinquedos. Natural. Os moradores, que não têm nada, estão naquele momento diante de uma quantidade enorme de presentes. Quem não ficaria ansioso?

Um menininho comenta com uma voluntária:

— Tia, vocês não vão mais querer voltar aqui, né?

— Por quê?

— Porque o pessoal está zoando tudo.

Mesmo com os percalços, as doações são entregues, deixando todos — moradores e voluntários — felizes. Ou quase todos. Um garoto diz:

JPEG - 87.1 kb
Foto: Leonardo Toco

— Tia, não quero carrinho, não, quero arma.

Naquele dia, várias vans saíram de um ponto na Gávea cheias de voluntários que distribuíram ao longo do dia alimentos, fraldas, sapatos, bonecas, bolas e muito mais. A ONG foi criada pelo advogado Rodrigo Freire, uma das pessoas mais generosas e altruístas que já conheci.

Em Jardim Gramacho, ele me leva para conhecer uma parte ainda mais pobre da comunidade, distante de onde está sendo realizada a festa. Já visitei dezenas de favelas, mas nenhuma com habitações tão miseráveis. Um barraco minúsculo, de um cômodo, abriga uma família inteira. Rodrigo diz que a mãe das crianças reclama que acorda com ratos pulando em cima da cama. Um pequeno ventilador, sem a grade de proteção, fica ao lado de onde todos dormem, com a hélice girando ameaçadoramente.

Uma senhora soropositiva está estirada no chão da favela, num colchonete puído, se abanando em meio ao calor e às moscas. Um grupo de meninos joga futebol com uma garrafa de plástico. Um garoto enche uma camisinha de ar para improvisar uma bola.

Os moradores reclamam que não há saneamento básico nem água encanada. Uma moça diz que, quando chove, molha tudo dentro de casa. Porcos circulam com desenvoltura junto a gatos raquíticos e um cachorro morto. Cacos de vidro se espalham por todo canto, levando o visitante a se perguntar como as crianças fazem para não viverem com os pés cortados. Em meio a tantos insetos e em tempos de Zika, dá para imaginar o estrago que o mosquito pode fazer, já que fumacê não funciona e não há repelente. Perto dali, a Refinaria Duque de Caxias, a Reduc, solta toneladas de poluentes que devem provocar toda sorte de alergias respiratórias nos moradores. Rodrigo diz:

— Já venho aqui há cinco anos, e é sempre um soco no meu coração.

Dele e de cada visitante daquele pedaço do Grande Rio esquecido pelo poder público.

  • Compartilhe:

Convidado

Mauro Ventura

Jornalista, diretor-geral de Comunicação e de Difusão do Conhecimento do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro e colunista do Globo.

Mais Paixões

Ocupando a rua, com a bênção de Donga e João da Baiana

Como um bloco como o Escravos da Mauá contribui para fortalecer a identidade do seu bairro — no caso, a zona portuária? Neste artigo, Teresa Guilhon — uma das fundadoras do cortejo — explica

Um roteiro crítico das bibliotecas do Centro, parte II

Uma nova investigação sobre como as bibliotecas do Centro tratam quem as procura como local de trabalho ou estudo.

Um roteiro crítico das bibliotecas do Centro

Da precaução da ABL, que veta a corrupção de menores, à vivacidade da Biblioteca Parque Estadual, um passeio pelas bibliotecas do Centro.

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre favela

Documentário conta cinco histórias de jovens migrantes que residem nas favelas do Rio

UPPs: 8 anos depois

Moradores de favelas ocupadas revelam impressões, opiniões e expectativas em relação ao projeto

Daqui do morro, eu não saio não

Até o fim do mês, moradores e historiadores relembram relação entre favela e ditadura em curso sobre o tema

Cidade de Deus vira capital da literatura

Até domingo (13), Festa Literária das Periferias (Flupp) agita favela da zona oeste carioca

Mais sobre Baixada Fluminense

Livro aborda transformações da Baixada Fluminense durante a ditadura

Novo projeto vai mapear subsolo da região metropolitana

Batizado de Geovias Metropolitano, trabalho iniciado nesta sexta (16) será coordenado pela Câmara Metropolitana

Prefeito eleito de Caxias é condenado a 7 anos de prisão por crime ambiental

De acordo com STF, Washington Reis (PMDB) se envolveu na criação de um loteamento ilegal quando era prefeito da cidade

Novo endereço para criar e empreender

Espaço de ’coworking’ Gomeia surge como centro de articulação entre grupos atuantes em cultura na Baixada Fluminense

Mais sobre saneamento

Grupo Executivo de Gestão Metropolitana divulga em junho proposta unificada de saneamento básico para 21 municípios

Em São Gonçalo, estrada divide Petrobras e prefeitura

Via construída pela empresa é acusada de agravar o problema dos alagamentos no Jardim Catarina

PPPs em saneamento básico: uma luz no fim do túnel?

Alternativa é vista como uma solução possível para o problema crônico da Região Metropolitana do Rio, mas ainda não é unanimidade

"A atual estratégia de combate ao mosquito vetor da zika é falha e equivocada"

Para o coordenador do Grupo de Saúde e Ambiente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), o foco deveria ser o saneamento básico

Mais sobre lixo

Aquífero Piranema, um dos mais importantes da região, pode ser atingido; vazamento foi contido no domingo (21/2) e empresa tem até amanhã para se pronunciar

Comunidades livram-se do lixo

Semana Lixo Zero, aberta nesta quarta-feira (21) na Alerj, chama atenção para projetos de reciclagem e limpeza de vias que mobilizam moradores de favelas.

Mais sobre Gramacho

Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino