Burburinho

  • Compartilhe:
Burburinho 5 / 05 / 2016| Isabela Fraga

No último dia para obter o título de eleitor, jovens cariocas demonstram apatia

Estudantes na porta 163ª Zona Eleitoral do Rio, no Catete, dizem não ter a menor ideia em quem votar nas próximas eleições e que só tiram o título "por obrigação"

JPEG - 70.5 kb
Os estudantes Lucas André — que havia acabado de se alistar para tirar o primeiro título — e Matheus Mendes — que havia esquecido um documento em casa: votar pra quê?

"A gente não sabe mais quem é quem", argumentou o secundarista Lucas André, 18 anos, sobre as eleições municipais do Rio de Janeiro que se aproximam. Morador da Tavares Bastos, Lucas estava na porta da 163ª Zona Eleitoral do município, no Catete. Era quarta-feira (4/5), o último dia para tirar ou regularizar a situação do título de eleitor para quem quisesse votar nas próximas eleições. Ele havia acabado de fazer o seu, mas estava descrente em relação ao futuro da política. "Não quero votar. Muito chato", resumiu, acrescentando que só havia ido até ali por obrigação.

A apatia do estudante era compartilhada pelos dois amigos que o acompanhavam — os irmãos Matheus Mendes e David Mendes, de 19 e 18 anos, respectivamente. Ambos também tinham ido tirar o primeiro título de eleitor, mas haviam esquecido a certidão de nascimento. Como era o último dia, cogitavam nem mesmo voltar. "Melhor pagar a multa", disse Matheus.

JPEG - 77.7 kb
O estudante David Mendes, aluno da escola Amaro Cavalcanti, uma das dezenas ocupadas no estado: política está "uma m*"

A fila na porta da 163ª Zona Eleitoral estava até pequena para um último dia de alistamento. Funcionários diziam nunca ter visto tão poucas pessoas deixarem o assunto para a última hora. Um dos motivos para essa situação incomum é a campanha antecipada feita pelo Tribunal Superior Eleitoral lançada em novembro de 2015. Chamada de Semana do Jovem Eleitor, a campanha convocou jovens de 16 e 17 anos a se cadastrarem para poderem votar nas eleições deste ano.

Ainda assim, jovens como Lucas, Matheus e David apareciam para tirar o título. Os três estudam na escola estadual Amaro Cavalcanti, no Largo do Machado, que está ocupada pelos colegas. Como na política tradicional, contudo, os estudantes são descrentes quanto aos efeitos da ocupação: "Quem vai se ferrar é a gente mesmo, que vai perder o ano", disse David. Apenas Lucas se mostrou favorável à movimentação estudantil. "Lá é muito chato. Eles estão certos, tem que conseguir melhorar mesmo." Mas e o futuro, como vai ser? "Vou abrir um camelô para mim quando terminar o colégio", disse Lucas.

JPEG - 54.2 kb
Caio Ávila, 17 anos, aluno do Pedro II: "menor ideia" em quem votar nas próximas eleições municipais

Entre os jovem que foram à 163ª Zona Eleitoral no início da tarde desta quarta-feira, quase todos apresentavam motivos de ordem prática para tirar o documento. Mesmo os que ainda não tinham obrigação de votar, como uma estudante de 16 anos que não quis se identificar. "Estou tirando porque alguns empregos pedem", explicou ela, que estava cursando o nono ano do colégio.

Todos também consideravam o cenário político "muito ruim", embora dissessem não ter noção de quem seriam os candidatos a prefeito este ano. "Não tenho noção", afirmou o estudante Caio Ávila, aluno do nono ano do Pedro II do Humaitá, que também estava lá por obrigação.

Já as baianas Mariana de Jesus e Thaís Santos, moradoras de Santa Teresa, disseram que agora vão pesquisar sobre os candidatos. Elas alistaram-se para seus primeiros títulos na 164ª Zona Eleitoral, vizinha à 163ª. "Não votaria se não fosse obrigatório", opinou Mariana. "Mas agora vamos ter que escolher o ladrão em quem vamos votar."

  • Compartilhe:

Mais Burburinho

Parque Madureira não tem data para chegar à avenida Brasil

Prometida por Eduardo Paes para o ano passado, obra depende agora do aval de Marcelo Crivella

CCBB é palco de protesto após episódio de lesbofobia

Visitante acusa namorado de funcionária de discriminação durante ida ao local na última sexta (30)

Que tal aterrar a Lagoa?

Livro reúne soluções mirabolantes já propostas para os problemas de um dos principais cartões-postais do Rio

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre política

Livro aborda transformações da Baixada Fluminense durante a ditadura

6 momentos do Rio em 2016

Testemunhas contam o que viram de um dos anos mais agitados dos últimos tempos

De mulher para mulher: ocupação feminista no Rio

Rede Agora Juntas encerra neste sábado (17), na Glória, experiência que debateu direitos das mulheres

Prefeito eleito de Caxias é condenado a 7 anos de prisão por crime ambiental

De acordo com STF, Washington Reis (PMDB) se envolveu na criação de um loteamento ilegal quando era prefeito da cidade

Mais sobre democracia

Organizado pela Casa Fluminense, ciclo de aulas vai de abril a julho, na Glória; inscrições on-line estão abertas até dia 24/3

Bruxas e bruxos da cidade

Quem são os revolucionários do contemporâneo? Para o geógrafo Jailson de Souza e Silva, fundador do Observatório de Favelas, desafiar a alienação de si é revolucionário

Rio de Janeiro, cidade metropolitana

Enquanto se debate a gestão compartilhada da Região Metropolitana do Rio, o desafio é que o processo se abra às vozes da sociedade civil

Feminismo sem meias palavras

Em palco ocupado por mulheres, evento debate a propagação de pautas feministas entre garotas cada vez mais jovens, o feminismo na periferia e a história do movimento

Mais sobre eleições

Problemas em candidaturas atrasam resultado do 1º turno em Nova Iguaçu, Itaguaí e Rio Bonito

Câmara municipal ou clube do bolinha?

Número de candidatos é mais que o dobro que o de candidatas nas cinco maiores cidades da região metropolitana do Rio

Campanha para discutir desafios do Rio pós-Jogos será lançada amanhã

Iniciativa reúne 49 entidades do Rio e do Brasil e busca compromisso de candidatos com transparência, planejamento de metas e diálogo

"A crise pode aumentar o cuidado e o interesse pelo voto", afirma cientista político

Para o professor da UFRJ Jairo Nicolau, crise vivida pelo Brasil pode atrair mais atenção da juventude para a política eleitoral

Mais sobre juventude

Para Clarisse Linke, diretora do ITDP Brasil, transporte de alto custo e má qualidade é um fator de exclusão dos jovens nas cidades brasileiras

Conselho da Juventude convida jovens a pensar políticas públicas

Para Rafaela Marques, coordenadora do programa, o conselho preenche lacunas da participação da juventude no governo

Fora das salas, aula prática de política

As 24 horas iniciais do primeiro colégio ocupado por estudantes no Rio, na Ilha do Governador

"Será que a pichação é apenas uma atitude irresponsável?"

Gustavo Coelho é professor da Uerj e estuda pichação, bate-bolas e outros fenômenos cariocas sob o olhar da estética
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino