Debates

  • Compartilhe:
Conversa na Biblioteca 23 / 02 / 2016| Isabela Fraga

Notícias falsas no quarto maior jornal do país

Em bate-papo na Biblioteca Parque Estadual, autores do site revelaram bastidores e a história do site de notícias fictícias.

[Foto: Gilberto Scofield Jr., Nelito Fernandes, Martha Mendonça e Leonardo Lanna (Crédito: Erick Dau)]

O maior site de notícias fictícias do Brasil é também o quarto maior jornal do país. Sim: o Sensacionalista recebe 10 milhões de acessos por mês e já está virando fonte de informação primária para muita gente, segundo avaliação dos autores.

"Muita gente que não sabe que determinada notícia aconteceu vê o Sensacionalista e vai buscar depois a notícia real", contou a jornalista e roteirista Martha Mendonça, redatora do "Sensa" — como o site é conhecido pelos mais íntimos.

Martha esteve com o também jornalista Nelito Fernandes e o historiador Leonardo Lanna — respectivamente, fundador e redator do site — na penúltima edição do Conversas na Biblioteca, realizado na última sexta-feira (19/2) na Biblioteca Parque Estadual. O papo foi mediado pelo jornalista Gilberto Scofield Jr., ex-editor de O Globo.

"Somos o quarto maior jornal on-line do Brasil. E o único que não está falindo", provocou Nelito. "Temos uma redação enorme, mais de 200 pessoas no prédio RB1 (Rio Branco, 1)", brincou Martha, antes de revelar que o site tem uma equipe de seis pessoas no Rio e em São Paulo, que se reúnem e batem o martelo sobre as publicações através do WhatsApp.

JPEG - 62.8 kb
Nelito Fernandes e Martha Mendonça: o criador e a redatora do Sensacionalista são casados (foto: Erick Dau)

Nelito contou que o Sensacionalista surgiu depois que ele foi demitido de um programa de humor. "O Sensacionalista não se chamava assim. Era um site que eu fazia sozinho, Diário de Hoje ", conta o roteirista. "Era uma versão hardcore do Sensacionalista, politicamente incorreto, com palavrão no título."

Depois do batismo do site com o nome que permanece até hoje, o tom ficou um pouco mais leve. Ainda assim, a primeira manchete foi "Perna mecânica de Roberto Carlos comemora 50 anos de carreira", publicada em 2009.

Martha e Leonardo se juntaram a Nelito também neste ano. Ela tinha um blog e já havia publicado livros com pegadas humorística. Um detalhe importante favoreceu a aproximação: Nelito e Martha são casados. Já Leonardo tinha uma [conta no Twitter de histórias curtas e satíricas >https://twitter.com/microcontoscos].

Humor e política

Embora a definição mais comum do Sensacionalista seja "site de notícias falsas", Martha prefere descrevê-lo como um "site de humor em linguagem jornalística". A equipe quer diferenciar os textos da boataria que tanto confundem a internet hoje em dia. "Nossa ideia não é fazer boato, é fazer humor", explicou.

JPEG - 53.9 kb
O historiador Leonardo Lanna tem uma conta de humor no Twitter que o levou ao Sensacionalista (foto: Erick Dau)

Humor, vale dizer, crítico. Os autores foram enfáticos ao descrever a "linha editorial" do Sensacionalista: humor já é de oposição. "Alguns dizem que o Sensacionalista é de esquerda; outros dizem que é de direita. Na verdade não é nem um, nem outro. Entre nós, um votou no Aécio e o outro na Dilma", contou Nelito. "

Durante a conversa, o mediador Gilberto Scoffield perguntou aos convidados qual a influência do pensamento "politicamente correto" nas piadas publicadas no site: eles tomam cuidado para não ofender? "Isso já está no nosso DNA: vamos bater no opressor, e não no oprimido", explicou Martha. Leonardo acrescentou que o humor que se consome hoje é bem diferente daquele consumido antigamente: "Hoje se tem a ideia de que é muito mais engraçado bater no opressor do que no oprimido. Porque as minorias foram ganhando espaço, voz. A gente faz parte desse movimento."

Esse tipo de pensamento já levou a equipe a derrubar algumas manchetes. "Não queremos ser polemistas, mas humoristas. Não temos problema nenhum em tirar coisas do ar", explicou Nelito.

Ainda assim, embora o site publique 10 manchetes por dia, até agora só sofreu um processo, movido pelo deputado Marco Feliciano — que afirmou ter ficado "emocionalmente abalado" com a manchete "Marco Feliciano cancela a remessa de cremes de cabelo comprados em Miami", publicada após a aprovação do casamento gay nos Estados Unidos.

De resto, a equipe recebe apenas notificações extrajudiciais e pedidos educados para retirar uma manchete do ar. "Já recebemos notificação da Maria Bethania", lembrou Nelito. Macacos velhos, sabem evitar bombas potenciais. "Sabemos que a Preta Gil processa sempre", continua o jornalista.

Mas como sobrevive o Sensacionalista? Hospedado no Uol, o site é remunerado em três frentes: o sistema de anúncios do Google, uma pesquisa da mesma empresa quando o visitante acessa mais de três páginas e publieditoriais — ou seja, quando alguma marca encomenda uma notícia sobre ela ou sobre algum comportamento ligado a ela. "As marcas ainda estão com dificuldade de saber como fazer isso de forma eficaz", contou Martha. "Normalmente querem coisas elogiosas, mas isso não é humor."


Para ver mais fotos do evento, visite nossa página no Flickr!

  • Compartilhe:

Mais Conversa na Biblioteca

Numa guerra sem vencedores, vitória é continuar a acreditar

Numa emocionante edição do "Conversas na Biblioteca", midiativista e pesquisadora discutiram os efeitos da política de drogas nas favelas do Rio

Guerra sem vencedores: a política de drogas na favela e no asfalto

Ana Paula Pelegrino e Raull Santiago discutem tema na próxima quarta-feira (24/2), a partir das 18h, na Biblioteca Parque Estadual

Sensacionalista: quando as notícias são absurdas, o humor disputa com a verdade

Próxima edição do Conversas na Biblioteca levará os autores do site de notícias falsas mais acessado do Brasil para discutir o riso como instrumento de crítica

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre humor

Próxima edição do Conversas na Biblioteca levará os autores do site de notícias falsas mais acessado do Brasil para discutir o riso como instrumento de crítica

O que é que o carioca tem

Em 100 imagens, projeto de designer carioca busca sintetizar os símbolos do Rio de Janeiro — do futevôlei à Vila Mimosa

’PerifeRia’: humor "noiz por noiz"

Os atores e comediantes Marcelo Magano e Patrick Sonata contam histórias sobre o universo da favela de forma inteligente, com humor e ’tocando na ferida’ dos estereótipos

Mais sobre Imprensa

Espaço em Botafogo dedicado ao jornalismo investigativo planeja reportagens especiais, laboratórios e exposições interativas sobre os impactos dos megaeventos na vida dos brasileiros

Repórter, profissão de risco

Segurança de jornalistas que cobrem protestos e acompanharão Rio 2016 preocupa Repórteres Sem Fronteiras

A crise existencial dos jornais impressos

Jornalista há 20 anos, Sérgio Ramalho compara seus tempos de ’foca’ ao momento de crise e demissões nas redações

Mais sobre jornalismo

Mais sobre internet

Constance Albanel, do ITS, lembra a importância das lan houses no processo de inclusão digital das periferias cariocas. O projeto Rio Mozilla Club busca reinventar esses espaços, esvaziados pela era dos smartphones.
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino