Burburinho

  • Compartilhe:
Burburinho 6 / 06 / 2016| Laís Jannuzzi

Números da cultura

Uma pesquisa da Secretaria Municipal de Cultura, realizada pela consultoria J. Leiva, traçou um retrato do consumo de cultura nas cidades. O levantamento revela como nível escolar e renda influenciam o acesso a bens culturais. Dos entrevistados, 30% disseram nunca ter ido ao teatro; maioria prefere filmes dublados.

O que os 5.5 milhões de cariocas com mais de 12 anos fazem no seu tempo livre? A pergunta é o ponto de partida da segunda edição do Perfil Cultural dos Cariocas, pesquisa feita pela consultoria JLeiva para a prefeitura do Rio, em parceria com o Instituto Datafolha e outras organizações. O resultado foi apresentado no Seminário Perfil Cultural dos Cariocas, na semana passada (1/6 e 2/6), no Monumento Municipal Getúlio Vargas, na Glória.

O estudo apresenta uma visão panorâmica sobre o lazer na cidade, onde os espaços informais atraem mais o público do que os centros culturais. "Talvez pelo clima, por passar mais tempo na rua ou na praia", justificou o diretor da empresa, o economista João Leiva. A pesquisa se baseou em 1.537 entrevistas, realizadas entre janeiro e fevereiro de 2015, de moradores de todas as cinco áreas de planejamento.

O levantamento examinou fatores que determinam o maior ou menor acesso aos bens culturais. Destes, um dos que parece mais importante é o nível de escolaridade. No Rio de Janeiro, 30% dos entrevistados disseram nunca ter ido ao teatro. Entre as pessoas de ensino fundamental, o percentual é de 53%; dos que tem nível superior, apenas 5% nunca assistiram a uma peça.

A renda é outro fator determinante. Nas classes D e E, 39% nunca foram ao cinema; nas classes A e B, o percentual é de apenas 1%. Com seus ingressos mais caros, o teatro é ainda mais inacessível para os mais pobres: dos cidadãos de classe D e E, 61% nunca entrou em um. Mas mesmo nas classes A e B é uma diversão que não faz parte do roteiro: 14% destes cariocas afluentes nunca foi ao teatro.

No caso dos filmes, a pesquisa tem achados curiosos. Além da predominância dos cinemas de shopping (frequentado por 96% do público, contra 21% de cinemas de rua e 19% em espaços culturais), os dados mostram que o desinteresse é a principal razão para não ir ao cinema: 35% citaram o motivo. Outras razões lembradas foram falta de tempo (27%) e dinheiro (21%). Ao mesmo tempo, 75% dos frequentadores disseram que a história é o fator mais importante na escolha do filme (a seguir, foram lembrados gênero, com 56% e elenco, com 46%; só 18% citaram críticas). A maioria do público (70%) prefere ver filmes estrangeiros dublados ao invés de legendados.

Segundo Leiva, a população com mais de 60 anos é a que mais sofre com a exclusão cultural. Chamada de “geração perdida” pelo pesquisador, os idosos ficam para trás em todas as atividades, menos na categoria concertos. João Leiva menciona as possíveis causas: “Essa faixa etária teve pouquíssimas possibilidades de educação e acesso à cultura se comparada as gerações posteriores. A mobilidade também é um fator importante, assim como o distanciamento da comunicação digital, no isolamento cultural do setor”.

O estudo também revela diferenças do consumo cultural. As Zonas Norte e Oeste apresentam os piores resultados no acesso à programação cultural. Só 27% dos moradores da Zona Oeste e Zona Norte foram ao teatro nos 12 meses anteriores à pesquisa; na Zona Sul, o percentual é de 47%. Só 25% dos habitantes da Zona Norte e 28% da Oeste frequentaram um museu no período; em comparação, na Zona Sul o percentual foi de 47%. Festas populares e circo registram diferenças menos prenunciadas.

As entrevistas também identificaram padrões diferentes nas várias cidades da região metropolitana. Niterói apresenta índices muito próximos aos da cidade do Rio de Janeiro -ou até melhores- na prática de atividades culturais, contou Leiva. " Um terço dos entrevistados de Niteroi consome cultura no Rio. Assim, eles tem acesso à oferta cultural nas duas cidades. Isso é facilitado pela rotina de trabalho, já que muitos trabalham na capital".

O consultor enfatizou que em tempos difíceis para as instituições culturais, é fundamental pesquisar sobre o tema. “A área cultural tem uma carência enorme de dados. Se desenvolvermos o hábito de coletar e analisar os indicadores, teremos uma clareza muito maior das áreas carentes, do que desenvolver, onde aplicar recursos” . Um caminho para ampliar o público, acredita é trazer a cultura para a sala de aula: "Não podemos depender apenas do trabalho educativo feito em museus e teatros. Precisamos trazer a cultura para o cotidiano escolar".

  • Compartilhe:

Mais Burburinho

Parque Madureira não tem data para chegar à avenida Brasil

Prometida por Eduardo Paes para o ano passado, obra depende agora do aval de Marcelo Crivella

CCBB é palco de protesto após episódio de lesbofobia

Visitante acusa namorado de funcionária de discriminação durante ida ao local na última sexta (30)

Que tal aterrar a Lagoa?

Livro reúne soluções mirabolantes já propostas para os problemas de um dos principais cartões-postais do Rio

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre cultura

Visitante acusa namorado de funcionária de discriminação durante ida ao local na última sexta (30)

Biblioteca Parque amanhece fechada no Centro

De acordo com Governo do Estado, fechamento é excepcional e prefeitura deve manter espaço aberto em 2017

’Sem cultura é barbárie’

Artistas e gestores pedem que o Governo do Estado não acabe com a Secretaria Estadual de Cultura, e de quebra criticam o município por falta de transparência em Fomento às Artes

Novo endereço para criar e empreender

Espaço de ’coworking’ Gomeia surge como centro de articulação entre grupos atuantes em cultura na Baixada Fluminense

Mais sobre lazer

Prometida por Eduardo Paes para o ano passado, obra depende agora do aval de Marcelo Crivella

A saga de quem faz cultura nas ruas do Rio

Organizadores do Sarau do Escritório mostram como vencer o vilão da burocracia em 11 fases

Vaz Lobo quer reprise do seu cinema

Em meio a recordações nostálgicas, moradores de Vaz Lobo, na Zona Norte, reclamam do abandono do edifício onde funcionava cinema do bairro, mas divergem sobre o destino do imóvel

Rolé pela história

Visitas guiadas por bairros do Rio ensinam a valorizar a herança cultural e histórica da cidade

Mais sobre Região Metropolitana

Curso de idiomas ajuda refugiados a tentar um recomeço na região metropolitana do Rio

Novo projeto vai mapear subsolo da região metropolitana

Batizado de Geovias Metropolitano, trabalho iniciado nesta sexta (16) será coordenado pela Câmara Metropolitana

Estudo aponta centralidades emergentes na região metropolitana do Rio

Campo Grande e Taquara foram áreas citadas em pesquisa, apresentada nesta terça (06) em evento no Centro do Rio

Um diagnóstico sobre a região metropolitana do Rio

Evento nesta segunda (24) marcou a divulgação dos resultados da primeira fase do plano metropolitano
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino