Pensatas & paixões

  • Compartilhe:
Pensatas 21 / 06 / 2016|

O potencial transformador das lan houses no Rio de Janeiro

Espaços coletivos com acesso a internet tem muito mais a oferecer do que apenas permitir acesso as redes sociais e jogos on-line. Oficinas e outras dinâmicas que envolvam ferramentas digitais podem dar nova função às lan houses. Soluções cidadãs e qualificação profissional fazem parte do novo modelo do acesso comunitário.

[Participantes do evento promovido pelo Rio Mozilla Club/ Foto: Andre Garzia]

Durante muito tempo as lan houses foram consideradas por muitos como espaços perigosos, informais, cheios de vírus e de problemas de segurança. Acreditava-se que era lá que crianças matavam aula para cair no vício de jogos violentos e acessando o infinito mundo da internet. Por isso, no Rio de Janeiro, uma lei de 2004, revogada em 2010, estabeleceu que as lan houses deveriam cumprir a distância mínima de um quilômetro de escolas para funcionar. Isso, na verdade, é subestimar o enorme papel desses espaços e o seu potencial.

Vale lembrar que as lan houses foram espaços essenciais na democratização do acesso à internet no Brasil e aliadas fundamentais da inclusão digital no país. Elas levaram computadores e conexão banda larga para todo o Brasil e para as comunidades mais pobres. Além disso, se tornaram-se pontos de encontro e de socialização nas periferias, participando assim da formação de uma verdadeira cultura digital.

Jovens vão para a lan house para jogar, usar mídias sociais, acessar notícias e se divertir; mas usam o mesmo espaço para pesquisar, fazer trabalhos escolares e buscar emprego. E, além de tudo isso, para encontrar amigos, fazer novas amizades, interagir, paquerar. Uma pesquisa publicada pelo Comitê Gestor da Internet em 2008, no Brasil, mostrou que, durante o período, 48% de todos os usuários de internet acessaram a rede em locais de acesso público pago, como lan houses ou cibercafés. Quando se trata de usuários das classes D e E, o número passava para 79%.

Hoje, a difusão de celulares com preço acessível fez com que a situação mudasse. Brasileiros agora acessam a internet principalmente por meio desses aparelhos, deixando as lan houses desertas, obrigando muitas delas a fechar ou a diversificar seus serviços para tentar permanecer rentáveis.

As perguntas agora são: como resgatar o potencial desses espaços que já foram tão importantes na história da cultura digital nas periferias? Como reaproveitar esses locais que estão sendo abandonados e que eram pontos de encontro?

Os benefícios dessa expansão do acesso à internet nas populações de menor renda ainda são restritos, como menciona um estudo de 2016 do Banco Mundial. De fato, a questão hoje não é somente o acesso à internet, mas também pensar em como ajudar essa parte da população a se apropriar cada vez mais das tecnologias digitais para tirar delas maiores benefícios, o que muitos chamam de empoderamento digital. Ese esse fosse o novo papel das lan houses?

É com esse propósito que a Fundação Mozilla, em parceria com o Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro e com o apoio da Fundação Ford, começou a desenvolver no ano passado o Rio Mozilla Club. O objetivo desse projeto piloto? Estudar e testar em algumas lan houses da periferia do Rio de Janeiro metodologias e ferramentas para ensinar usuários de internet a criar e construir na rede (tornando-os WebMakers) e fora dela (com makey makey, robótica, construção, etc.). De fato, a Mozilla vê no projeto a possível transformação das lan houses em espaços de empoderamento nas periferias.

O objetivo final do Rio Mozilla Club é criar um ambiente e oferecer atividades nas lan houses para capacitar pessoas individualmente ou coletivamente, ajudando cada um a descobrir ou redescobrir algo de si e de seu potencial e facilitando a materialização dessa vontade criativa. Essa materialização da criatividade pode ser uma ponte para a inovação e a melhoria do desenvolvimento socioeconômico nas regiões do projeto. Alguns participantes podem criar algo que lhe trará melhores condições de vida, outros podem se dedicar a resolver problemas locais na comunidade - por aí vai.

Mas as lan houses também poderiam ter várias outras funções. Que tal pensarmos nelas como potenciais salas de aula do futuro? E se a lan houses fosse um espaço no qual os usuários pudessem assistir e participar de cursos online oferecidos pelas melhores faculdades do Brasil e do mundo, onde os usuários pudessem se unir em grupos de estudos e discussão online ou offline? Poderíamos ainda pensar as lan houses como espaços de cidadania e serviços a cidadãos online.

Modelos de negócios estão sempre se reinventando. Existe uma vasta gama de possibilidades para o futuro das lan houses, todas com um enorme potencial transformador. Melhor abrirmos o olho para esses espaços. As novidades devem chegar logo.

  • Compartilhe:

Convidado

Constance Albanel

Constance Albanel é coordenadora de projetos do ITS Rio. Graduada pelo Instituto de Estudos Políticos de Paris, a cientista política é mestre em Direito Comercial e tem especialização em propriedade (...)

Mais Pensatas

Recado da Cidade de Deus

Pesquisador do CESeC relata a indignação de moradores da Cidade de Deus se reuniram em um protesto na quinta-feira (24/11) contra o uso de mandado de busca coletivo nas ações policiais

Novo endereço para criar e empreender

Espaço de ’coworking’ Gomeia surge como centro de articulação entre grupos atuantes em cultura na Baixada Fluminense

O Filósofo do Samba

Nascido há 100 anos, sambista Silas de Oliveira é autor de uma obra atemporal, que vem sendo resgatada por uma nova geração de músicos

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre tecnologia

Fazendas urbanas e reformas planejadas para favelas são algumas iniciativas que pretendem tornar mais equilibrado o crescimento das metrópoles brasileiras

Cidades e cidadãos inteligentes

As cidades já são inteligentes. E os cidadãos?

Gestão e sustentabilidade urbana em debate hoje

Seminário terá apresentação de estudo inédito sobre centralidades da Região Metropolitana

Um BBB a céu aberto?

Aumento do número de câmeras na região metropolitana fluminense desperta debate sobre a perda de privacidade e outros riscos do monitoramento em grandes cidades

Mais sobre internet

Em bate-papo na Biblioteca Parque Estadual, autores do Sensacionalista revelaram bastidores e o processo criativo das manchetes fictícias
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino