Burburinho

  • Compartilhe:
Burburinho 24 / 09 / 2015| Daniel Gullino

O que é que o carioca tem

Em 100 imagens, projeto do designer carioca Fabio Lopez busca sintetizar os símbolos do Rio de Janeiro. A lista inclui personagens e signos da cidade, como o futevôlei, o vendedor de mate e até a Vila Mimosa.

O que um vendedor de mate, um gari e o funk têm em comum? Todos são símbolos típicos do Rio de Janeiro, na opinião do designer Fabio Lopez. Ele é o responsável pelo mini Rio, projeto composto de 100 imagens que representam personalidades, construções, comidas e hábitos marcantes da cidade.

Os pictogramas, lançados esta semana, incluem desde pontos turísticos consagrados, como o Maracanã e o Jardim Botânico, até lugares inusitados, como o Complexo Penitenciário de Bangu e a Vila Mimosa. Em tempo: pictogramas são figuras simples, que transmitem ideias e conceitos de maneira fácil e não verbal.

Alguns pictogramas são também pequenas sátiras, como um elefante sobre a Cidade das Artes, na Barra, ou peixes mortos na Lagoa Rodrigo de Freitas. Também figuram na lista o ar-condicionado, o futevôlei e o boteco, entre outros.

Segundo Lopez, que é professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio (Puc-Rio), a ideia foi “homenagear e apresentar visualmente o patrimônio cultural da cidade”. Uma das motivações para a iniciativa foi o fato de que a cidade estará em evidência no próximo ano, durante a Olimpíada. "Na minha opinião, esse destaque deveria caber a algum carioca", explica o designer. Lopez ressalta, contudo, que a intenção foi apresentar a sua própria visão do Rio, e não uma suposta versão “oficial”.

Ele agrupou as figuras em seis grupos: atrações turísticas, cotidiano (objetos do dia a dia, serviços e equipamentos urbanos), cultura (música, artes, museus, tradições e eventos), estilo de vida (costumes, hábitos e points), natureza (fauna, flora e geografia) e problemas.

Sátiras fizeram sucesso

Lopez afirma que incluiu também questões problemáticas da cidade — como milícias e “bueiros bomba” — porque não queria uma imagem idealizada do Rio.

Ele já havia desenvolvido outras sátiras da realidade carioca, como o War in Rio, em 2007; a Batalha na Vala, em 2009; e o Bando Imobiliário Carioca, em 2010. Eram apenas protótipos de possíveis jogos, mas o designer revela que até hoje é procurado para saber se é possível adquiri-los. A ideia de comercializar os produtos, no entanto, é rejeitada. “Não seria tecnicamente viável, muito menos moralmente”, garante.

Embora não tivesse a intenção fazer outro trabalho com a mesma temática, Lopez também não queria ignorar os problemas. “Não seria um projeto feito por mim se escondesse [os aspectos negativos] debaixo do tapete”, afirma ele. Como algumas imagens requeriam números e letras, além disso, Lopez produziu duas fontes exclusivas para o projeto: a mini Tipo e a mini Gentileza.

O designer levou cerca de 17 meses para realizar o mini Rio, baseando-se em mais de 1.200 imagens. Enquanto desenvolvia os pictogramas, percebeu que muitos deles poderiam ser combinados. Nasceu aí outra seção do projeto: o mini Lab, um "laboratório de linguagem". São imagens maiores, que, além de combinar as miniaturas, brincam com cores e movimentos.

As figuras das duas seções estão liberadas para o uso pessoal, mas não para exploração comercial. Para isso, Lopez planeja parcerias, principalmente com empresas de moda, decoração e papelaria. Além disso, um livro com os pictogramas está em processo de edição. "O mini Rio é uma grande mostra, um convite para fechar trabalhos com outras marcas", explica o designer.

  • Compartilhe:

Mais Burburinho

Parque Madureira não tem data para chegar à avenida Brasil

Prometida por Eduardo Paes para o ano passado, obra depende agora do aval de Marcelo Crivella

CCBB é palco de protesto após episódio de lesbofobia

Visitante acusa namorado de funcionária de discriminação durante ida ao local na última sexta (30)

Que tal aterrar a Lagoa?

Livro reúne soluções mirabolantes já propostas para os problemas de um dos principais cartões-postais do Rio

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre cultura

Visitante acusa namorado de funcionária de discriminação durante ida ao local na última sexta (30)

Biblioteca Parque amanhece fechada no Centro

De acordo com Governo do Estado, fechamento é excepcional e prefeitura deve manter espaço aberto em 2017

’Sem cultura é barbárie’

Artistas e gestores pedem que o Governo do Estado não acabe com a Secretaria Estadual de Cultura, e de quebra criticam o município por falta de transparência em Fomento às Artes

Novo endereço para criar e empreender

Espaço de ’coworking’ Gomeia surge como centro de articulação entre grupos atuantes em cultura na Baixada Fluminense

Mais sobre humor

Em bate-papo na Biblioteca Parque Estadual, autores do Sensacionalista revelaram bastidores e o processo criativo das manchetes fictícias

Sensacionalista: quando as notícias são absurdas, o humor disputa com a verdade

Próxima edição do Conversas na Biblioteca levará os autores do site de notícias falsas mais acessado do Brasil para discutir o riso como instrumento de crítica

’PerifeRia’: humor "noiz por noiz"

Os atores e comediantes Marcelo Magano e Patrick Sonata contam histórias sobre o universo da favela de forma inteligente, com humor e ’tocando na ferida’ dos estereótipos

Mais sobre design

Objetivo é estimular uma maior circulação pela cidade; resultado pode ser visto também em exposição no Centro
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino