Burburinho

  • Compartilhe:
Burburinho 9 / 09 / 2015| Isabela Fraga

Operação policial deixa moradores ilhados na Maré

Tiroteios intensos nos dias 8 e 9 de setembro deixam pelo menos um adolescente morto e três pessoas feridas

(Foto: André Gomes de Melo/GERJ)

Após uma terça-feira (8/9) tensa, quando uma operação policial resultou em uma mulher baleada, o Complexo da Maré amanheceu hoje sacudido tiroteios que deixaram os moradores ilhados. Segundo o Hospital Geral de Bonsucesso, um adolescente foi morto e dois outros foram feridos. A mulher atingida por um tiro no rosto ontem está internada no CTI, e os dois adolescentes estão em estado estável.

JPEG - 24.9 kb
Aviso na porta de uma escola da Maré (fonte: Favela Fiscal)

As aulas nas unidades de ensino do bairro foram canceladas hoje (9/9), deixando mais de 4 mil crianças sem estudo. Segundo a Redes da Maré, os policiais têm arrombado carros parados nas ruas e aberto residências utilizando chaves mestras, sem mandato de busca e apreensão. A assessoria do Bope negou a informação.

Policiais do Bope, do Batalhão de Choque, do Batalhão de Ação com Cães e o Grupamento Aeromóvel divulgaram nas redes sociais que, até o momento, foram apreendidos uma pistola e um rádio transmissor que estavam com um dos rapazes baleados; uma geladeira com cerca de 30 kg de maconha; um fuzil e duas pistolas. Um rapaz também foi preso enquanto tentava sair do complexo.

"Ainda não sabemos o que motivou uma operação tão truculenta", comenta Eliana Souza Silva, diretora da Redes da Maré, acrescentando que a própria sede da organização foi invadida por policiais ontem à tarde. Ao Vozerio, a assessoria do Bope falou "a motivação é sempre o combate ao tráfico de drogas".

Marcia Cristina, moradora da Maré, conta que hoje, por volta das 7h40, ficou presa em uma padaria quando o tiroteio começou. Segundo ela, "uma parte dos policiais é educada, mas a outra é debochada, tipo ’que se dane’", conta.

JPEG - 27.1 kb
Foto enviada ao Vozerio pela Redes da Maré, que contou ser um salão de beleza vasculhado por policiais sem mandato de apreensão

Já Vanessa diz que tem ouvido tiroteios todas as manhãs desde quinta-feira passada. "Os policiais estão entrando na Maré todos os dias a troco de nada", conta ela. "Isso impossibilita nossa saída para o trabalho e a ida das crianças ao colégio. É um desrespeito."

Desde a ocupação da Maré pelo Exército, em março de 2014, até 30 de junho, 24 pessoas foram mortas em confrontos ligados ao tráfico e à polícia, segundo levantamento da Redes da Maré. Por meio de pesquisas em jornais, o Vozerio apurou que não houve outras ocorrências do tipo até hoje, quando mais um rapaz foi morto. Ao total, portanto, são 25 mortos no complexo desde o início da ocupação.

Veja abaixo alguns comentários de moradores sobre o agravamento da situação coletados em no Twitter e em perfis públicos do Facebook:

  • Compartilhe:

Mais Burburinho

Parque Madureira não tem data para chegar à avenida Brasil

Prometida por Eduardo Paes para o ano passado, obra depende agora do aval de Marcelo Crivella

CCBB é palco de protesto após episódio de lesbofobia

Visitante acusa namorado de funcionária de discriminação durante ida ao local na última sexta (30)

Que tal aterrar a Lagoa?

Livro reúne soluções mirabolantes já propostas para os problemas de um dos principais cartões-postais do Rio

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre segurança pública

Pesquisador do CESeC relata a indignação de moradores da Cidade de Deus se reuniram em um protesto na quinta-feira (24/11) contra o uso de mandado de busca coletivo nas ações policiais

A nau sem rumo da segurança pública

Para o sociólogo Renato Sérgio de Lima, vice-presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e professor da FGV, lideranças do Rio precisam parar de reduzir a segurança pública a uma mera gestão da legislação penal e das instituições policiais

Favelas do Rio amargam abril violento

Apenas no último mês, PM e traficantes mataram pelo menos 15 pessoas no Jacarezinho, na Mangueira e em outras comunidades

Quando o policial é alvo de sua própria arma

Em entrevista, Dayse Miranda, pesquisadora da UERJ discute o suicídio cometido por policiais militares no Rio, um drama silencioso

Mais sobre violência

Testemunhas contam o que viram de um dos anos mais agitados dos últimos tempos

Guerra ao fuzil

Como o combate a uma arma se tornou a maior prioridade do novo secretário de segurança do Rio

Repórter, profissão de risco

Segurança de jornalistas que cobrem protestos e acompanharão Rio 2016 preocupa Repórteres Sem Fronteiras

Numa guerra sem vencedores, vitória é continuar a acreditar

Numa emocionante edição do "Conversas na Biblioteca", midiativista e pesquisadora discutiram os efeitos da política de drogas nas favelas do Rio

Mais sobre homicídios

9º Encontro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública vai discutir a alta taxa de homicídios no país. No último dia do evento, governo prometeu assinar pacto para reduzir em 20% a taxa de homicídios no país

Mais sobre Complexo da Maré

Painel formado por centenas de azulejos pintados por crianças da Maré será inaugurado na casa de moradora neste sábado (30/4); projeto pretende colorir ruas do bairro

Endereço: cracolândia

Como é a relação dos usuários de crack com os outros moradores do Complexo da Maré, onde se estabeleceu a única cena de consumo da droga permanente do Rio

Anjos da Maré

Com força de pesadelo, a violenta realidade da Maré invade as noites de Renata Rodrigues, assessora de imprensa do Viva Rio
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino