Debates

  • Compartilhe:
OsteRio 6 / 02 / 2015| Julia Meneses

Os partidos são do século XX; os eleitores, do XXI

O OsteRio sobre "Política, Partidos e Participação cidadã", no dia 1º de dezembro de 2014 ", trouxe a discussão sobre os rumos do debate político. Das manifestações de junho de 2013 às eleições de 2014, fica a pergunta: como participar ativamente da vida política nos dias atuais?

Sala lotada, debate quente. O OsteRio sobre "Política, Partidos e Participação cidadã" ficou como reflexão para os que estavam presentes. O burburinho no final do evento comprovou a empolgação da plateia e dos convidados com a discussão sobre os rumos do debate político. Das manifestações de junho de 2013 às eleições de 2014, fica a pergunta: como participar ativamente da vida política nos dias atuais?

A internet como palco de discussões, o hiato entre a vontade de participar da vida política e os canais para isso aconteça; a crise do sistema partidário e a política no Rio de Janeiro foram pontos altos da discussão, no evento realizado no dia 1º de dezembro de 2014, com a participação da jornalista Berenice Seara, do especialista em plataformas digitais, Ronaldo Lemos, e do cientista político, Jairo Nicolau.

Frustrado com a forma que as discussões políticas ocorreram nas redes sociais durante as eleições deste ano, Ronaldo Lemos, fundador do Instituto de Tecnologia e Sociedade (ITS), disse que o debate online não foi legítimo, e sim insuflado. "O debate eleitoral pela rede se tornou uma experiência extremamente frustrante para quem participou dela. E uma das razões é a promessa não cumprida de que a internet traria um aprofundamento do debate político, de que a internet se transformaria numa nova praça pública, uma nova ágora".

A nossa política é analógica e os partidos se tornaram instituições que não caminham para a democracia

O pesquisador foi um dos formuladores do Marco Civil da Internet, lei desenvolvida a partir de um processo colaborativo de discussão e formulação online. Segundo Ronaldo, o debate para a consolidação da lei sobre os direitos na internet foi acumulativo e baseado em dados. Em contraste, comentou Ronaldo, as discussões online durante a última campanha eleitoral eram verdadeiras brigas de gangues: cercadas de seus seguidores com pensamentos afins, as pessoas brigavam umas com as outras e não permitiam opiniões diversas. "O debate online no Brasil não foi um debate de ideias. Foi um debate mecanicista, agnóstico e pré-fabricado". Questionado por Paulo Magalhaes, pesquisador do IETS, que considerou a análise "etnocêntrica", Ronaldo citou fatos objetivos para justificar esta avaliação.

Um deles é o uso de robôs para gerar discussões. Através da utilização de softwares que obedecem a um comando central, perfis falsos são criados. "Esses perfis geram uma quantidade de informações grande, criando a sensação de que muitas pessoas são a favor ou contra uma ideia", explicou. A segunda distorção é a falta de transparência. Não era claro se a pessoa envolvida nas discussões online "estava agindo como um cidadão interessado no aprofundamento do debate, ou se ela é um preposto de uma ideia que lhe chegou via conexões, sejam partidárias ou financeiras".

Para onde foi o ’vem pra rua’?

Se o debate via redes sociais não deixa memória, como defendeu Ronaldo Lemos, os protestos do ano passado ainda permanecem na mente e nas discussões de muita gente. Após as manifestações de junho de 2013, muitos pensaram que o movimento das ruas iria reverberar nas eleições deste ano, lembrou Jairo Nicolau. Afinal, existe alguma relação entre junho de 2013 e outubro de 2014? Essa é uma pergunta que o professor de ciência política se faz até hoje. Ele acompanhou o movimento de um dos centros de mobilização mais importantes do Rio, o Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (IFCS) da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Segundo Jairo, analisar esses dois acontecimentos é olhar para dois extremos: um, vinculado à política tradicional (as eleições), e o outro, uma forma surpreendente de fazer política (as manifestações). O número de artigos e análises referentes às Jornada de Junho cresce e as "interpretações mudam à medida que o tempo passa", observa Jairo. Para o professor, 2013 marca a entrada na cena política não só de uma nova geração, mas de uma nova forma de mobilização política. Tentado até hoje fazer uma ponte entre os dois episódios, o professor do IFCS afirmou que ainda não percebeu ainda uma conexão clara. Mas, em contato com seus alunos e analisando as manifestações, o que mais impressionou o cientista político foi a recusa da nova geração à política tradicional brasileira.

A crítica acentuada a política tradicional e a todas suas forma de funcionamento, inclusive a partidária, pôde ser percebida, segundo o professor do IFCS, pela "juventude que pela primeira vez queimou bandeiras e símbolos dos partidos". Ao invés do ataque aos símbolos do capitalismo, destacou Jairo, houve uma "marcha para o legislativo, com a ocupação da Assembleia e da Câmara Municipal". O cientista político elencou as duas tentativas de invasão, numa mesma semana, ao Palácio Tiradentes e ao Congresso Nacional, como "simbólicas do desprezo pela política tradicional". Lugares nos quais as constituições de 1946 e 1988 foram formuladas.

A recusa a politica atual, explicou, está ligada à obsolescência dos partidos. "Os partidos brasileiros estão muito distantes da sociedade. Envelheceram e viraram organizações semi-estatais. Eles recebem 400 milhões de reais por ano do Estado". Parafraseando um amigo, Jairo classificou: "A política representativa é do século 19, os partidos como tal o conhecemos - instituições que fazem a intermediação entre cidadão e representantes - são do século 20, e os eleitores, que são de outra tribo, e estão se comunicando de outra maneira, são do século 21".

Em um contexto acelerada inclusão digital, observou, "A nossa política é analógica e os partidos se tornaram instituições que não caminham para a democracia". Para o professor, a eleição deste ano impressiona por ter estabelecido uma agenda muito descolada das propostas de junho e com uma dinâmica de envolvimento e participação própria. Cada vez mais, ele acredita que 2013 permanece como um episódio isolado, com repercussões muito pequenas sobre a vida política posterior.

Política interessa, sim senhor: o hiato entre a vontade e os meios

Titular da coluna "Extra, Extra!", sobre política no Rio de Janeiro e no Brasil, Berenice Seara apresentou a visão do dia a dia e dos eleitores. A jornalista contou que durante o trabalho da coluna descobriu, contrariando estereótipos, os leitores de um jornal popular interessados por política. Com base em pesquisas de opinião, a coluna que a princípio nasceu para a cobertura de variedades, tomou outro rumo definitivo: a cobertura da política local e regional. "Descobrimos que a coluna política era a segunda mais lida, só perdendo para a de celebridades", comentou Berenice.

A comentarista da CBN também criticou a atual cobertura de política dos jornais. Anos atrás, todos os grandes veículos de imprensa tinham jornalistas dedicados a cobrir exclusivamente a Câmara de Vereadores, a Alerj e as sedes dos governos municipal e estadual. "Hoje, os jornais não sabem direito de nenhuma votação importante que esteja acontecendo", observou. Voltados para a política feita na capital federal, os jornais deixaram um vazio na cobertura dos episódios políticos locais.

"Essa vontade de participar que vimos nas ruas e muito bem explicada por Jairo e Ronaldo, vemos na procura dos leitores através de cartas, e-mails: tudo na tentativa de buscar informações que não estão mais disponíveis nos meios de comunicação formais", comentou Berenice. O vazio de informações afeta, principalmente, as cidades da região metropolitana. "Lá, o interesse é maior e o nível de informação é menor, porque a proximidade com os políticos nessas cidades é maior do que na capital", analisou a jornalista.

Os parlamentares não respondem a eles mesmos, que dirá aos cidadãos e muitos menos a nós jornalistas

Para Berenice, a trajetória da coluna é sintomática da percepção do aumento da participação. A jornalista criou um grupo no Facebook há cerca de um mês. "Já estamos com 3500 pessoas inscritas nesse grupo, onde há espaço para comentar e discutir sobre política".

O distanciamento dos partidos comentado por Jairo também foi lembrado por Berenice. "Há um compasso diferente. As pessoas querem participar e os governos não dá meios disso acontecer. Há uma multidão tentando forçar essa porta fechada".

Lições das eleições? Um cenário do Rio

A política do Rio de Janeiro não ficou de fora do debate e das exposições de nossos convidados. Jairo Nicolau avaliou a eleição no Rio de Janeiro como uma das mais impressionantes. "O Rio teve quatro candidatos a governador apoiando o mesmo candidato a presidente. Eu nunca vi isso antes. Quando abrimos as urnas, o Rio teve o recorde brasileiro de votos brancos e nulos para o Congresso desde que a urna eletrônica foi adotada". Essa, inclusive, foi a única conexão que o cientista politico levantou entre junho do ano passado e as eleições, no Rio de Janeiro.

Ainda sim, para Jairo, a política tradicional saiu vencedora. "Nada mais tradicional do que o governador do Rio, por exemplo. Com uma aprovação inicial de 19% conseguiu se reeleger com uma campanha impressionante. E nada mais tradicional que o governo de São Paulo", avalia. Pareceu contraditório, para ele, que nos dois estados em que os protestos foram mais severos, a política tão criticada nos cartazes e gritos pelas ruas saísse vencedora. "Alguns analistas dizem que em 2014 - ainda não tive tempo de analisar isso com calma - nós elegemos a câmara mais conservadora desde 86 pelo perfil político de alguns candidatos como também na composição partidária".

Jairo ainda classificou o Rio como a ’cidade sem partidos’. Para ele não há outro estado ou cidade em que os partidos são tão amorfos e organizam pouco a política. Ele destacou que há pouca participação de grandes partidos como o PT e o PSDB.

Berenice Seara também lembrou o descaso referente a comunicação com os cidadãos. A frustação em participar da vida política é ainda maior - vide os resultados da pesquisa feita pela Fundação Getúlio Vargas sobre Lei de Transparência. Enquanto o Governo Federal responde a 69% das perguntas, o Estado do Rio responde a 38% e a Prefeitura, apenas 27%. "Se não conseguimos ter uma resposta a uma pergunta imagina o que chamamos de efetiva nas políticas públicas". Hoje é cada vez mais difícil o requerimento de informações, segundo a jornalista. "Os parlamentares não respondem a eles mesmos, que dirá aos cidadãos e muitos menos a nós jornalistas. Estou há anos tentando descobrir uma resposta para a pergunta ’Quantas vezes foi alugado um jatinho particular para o prefeito Eduardo Paes?’. Ainda não consegui".

Para Berenice, existem muitas barreiras para projetos de participação popular. É o que o novo projeto apresentado por Ronaldo Lemos pretende quebrar. O Plataforma Brasil, idealizado pelo ITS, quer incentivar a participação permanente dos cidadãos na discussão de temas e "na formulação construtiva de políticas públicas. Para acumular conhecimento, definir interlocutores, para gerar mobilização sobre temas chaves, desde já".

Para Ronaldo, o Brasil está se tornando um verdadeiro laboratório mundial de participação democrática. O ITS, inclusive, está formando um banco dessas iniciativas no país."O déficit de participação está tão profundo e as pessoas estão inquietas". O processo de 2013 liberou uma energia e parte dela está sendo canalizada nessa nova articulação, acredita Ronaldo, que espera uma mudança qualitativa para os próximos anos e que no próximo processo eleitoral o debate não seja, como classificou o deste ano, "smart: simplista, mecanicista, anti-histórico, reducionista e tautológico".

  • Compartilhe:

Convidados

Ronaldo Lemos

Diretor do Instituto de Tecnologia e Sociedade (ITS) e um dos criadores do Marco Civil da Internet. Participa do programa Navegador, na GloboNews

Jairo Nicolau

É cientista político e professor do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Berenice Seara

Colunista do jornal O Extra e comentarista da rádio CBN

Mais OsteRio

"Precisamos mudar o CEP do emprego"

Como diminuir as desigualdades gritantes na Região Metropolitana do Rio? No OsteRio desta terça-feira (29/3), um caminho ficou claro: mais centros e oportunidades, menos distâncias e deslocamentos

OsteRio discute as fronteiras da desigualdade no Rio metropolitano

No evento, serão apresentadas as atualizações do Mapa da Desigualdade, produzido pela Casa Fluminense, que mostra as disparidades da região a partir de 21 indicadores sobre 7 temas-chave

Eduardo Paes faz balanço de seus oito anos como prefeito

Prefeito responde a perguntas da plateia sobre sua gestão, em encontro promovido pelo Vozerio em parceria com Iets

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre política

Livro aborda transformações da Baixada Fluminense durante a ditadura

6 momentos do Rio em 2016

Testemunhas contam o que viram de um dos anos mais agitados dos últimos tempos

De mulher para mulher: ocupação feminista no Rio

Rede Agora Juntas encerra neste sábado (17), na Glória, experiência que debateu direitos das mulheres

Prefeito eleito de Caxias é condenado a 7 anos de prisão por crime ambiental

De acordo com STF, Washington Reis (PMDB) se envolveu na criação de um loteamento ilegal quando era prefeito da cidade

Mais sobre democracia

Estudantes na porta 163ª Zona Eleitoral do Rio, no Catete, dizem não ter a menor ideia em quem votar nas próximas eleições e que só tiram o título "por obrigação"

Curso gratuito vai destrinchar o enigmático mundo das políticas públicas no Rio

Organizado pela Casa Fluminense, ciclo de aulas vai de abril a julho, na Glória; inscrições on-line estão abertas até dia 24/3

Bruxas e bruxos da cidade

Quem são os revolucionários do contemporâneo? Para o geógrafo Jailson de Souza e Silva, fundador do Observatório de Favelas, desafiar a alienação de si é revolucionário

Rio de Janeiro, cidade metropolitana

Enquanto se debate a gestão compartilhada da Região Metropolitana do Rio, o desafio é que o processo se abra às vozes da sociedade civil

Mais sobre tecnologia

Fazendas urbanas e reformas planejadas para favelas são algumas iniciativas que pretendem tornar mais equilibrado o crescimento das metrópoles brasileiras

Cidades e cidadãos inteligentes

As cidades já são inteligentes. E os cidadãos?

Gestão e sustentabilidade urbana em debate hoje

Seminário terá apresentação de estudo inédito sobre centralidades da Região Metropolitana

O potencial transformador das lan houses no Rio de Janeiro

Constance Albanel, do ITS, lembra a importância das lan houses no processo de inclusão digital das periferias cariocas. O projeto Rio Mozilla Club busca reinventar esses espaços, esvaziados pela era dos smartphones.

Mais sobre manifestações

Em meio às retenções no trânsito causadas pelas manifestações de taxistas contra o Uber no Rio, mototáxis levam passageiros para o aeroporto do Galeão

Onde está junho? Manifestantes de 2013 olham para as ruas hoje

Da atuação da polícia à desesperança: como a geração de 2013 enxerga as mobilizações de 2016

Protesto contra violência reunirá grafiteiros este domingo na rua da Alfândega

Grupos se organizam para protestar contra agressão a três jovens negros por cinco seguranças do Saara na última sexta (22); protesto está marcado para domingo (31)

O circo vai ao metrô

Em resposta a casos de repressão violenta a músicos no metrô carioca, produtor cultural sugere ocupar os trens com atividades circenses
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino