Debates

  • Compartilhe:
Conversa na Biblioteca 9 / 12 / 2015| Isabela Fraga

Paraíba do Sul: o rio que abastece o Rio está em risco

Sob o risco de rompimento de pelo menos 12 barragens de rejeitos, a bacia do Paraíba do Sul sofre ainda com a poluição por esgoto e lixo, além de passar pela mais grave crise hídrica de sua história. O rio abastece 17,6 milhões de pessoas do Sudeste. Será que ele pode se tornar o próximo Rio Doce? Vamos saber na próxima terça-feira, 15/12, na Biblioteca Parque Estadual. A entrada é franca.

Em 8 de dezembro deste ano, o volume útil de todos os reservatórios do rio Paraíba do Sul equivalia a 13,6% do total. Apesar das chuvas de novembro, o manancial que abastece os 12 milhões de habitantes da Região Metropolitana do Rio ainda está passando pela crise hídrica "mais grave da história", como admitiu o secretário estadual do Meio Ambiente, André Corrêa.

E a seca não é o único problema do Paraíba do Sul. A bacia está no curso de pelo menos 12 barragens de resíduos minerais e industriais, segundo levantamento de 2012. Se todas se rompessem, despejariam 22 bilhões de litros de rejeitos nos afluentes do Paraíba, comprometendo o abastecimento de água de 17,6 milhões de pessoas. O recente rompimento da barragem da Samarco em Mariana (MG) mostrou ao país os efeitos devastadores que um desastre como esse pode causar.

Será que o Paraíba do Sul pode ser o próximo rio Doce? Há risco de racionamento de água no futuro? Para falar das ameaças ao rio e seus afluentes, que passam por 184 municípios de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, o Vozerio convidou três conhecedores desse manancial para a próxima edição do Conversas na Biblioteca, na terça-feira (15/12): o engenheiro Paulo Carneiro, do Laboratório de Hidrologia da Coppe/UFRJ; e o cineasta Bebeto Abrantes e a produtora Juliana Carvalho, que estão terminando as gravações do documentário Paraíba do Sul — O filme.


Confirme presença no evento no Facebook!


"As pessoas têm de entender a importância do Paraíba do Sul para o estado do Rio: ele é o manancial que permite o desenvolvimento do centro econômico do estado", lembra Carneiro, que coordenou o Plano Estadual de Recursos Hídricos do Rio, finalizado em 2014. "Nossa segurança hídrica é vulnerável, até porque estamos num período em que as mudanças climáticas tendem a recrudescer os períodos de escassez hídrica. Isso requer todo um trabalho de gestão a que ainda não está sendo feito."

O esgoto doméstico também é um problema grave — e antigo — no Paraíba do Sul. Segundo o cineasta Bebeto Abrantes, esse cenário de poluição foi encontrado em toda a extensão do rio, da nascente à foz, que a equipe percorreu durante a gravação. "Mas a poluição industrial também é forte, apesar das melhora por parte das empresas", lembra o cineasta. "Em Volta Redonda, vimos uma montanha de rejeitos de ferro de ferro de 30 metros de altura, a menos de 100 metros do rio."

Vale lembrar que o Paraíba do Sul não é estranho a desastres ambientais. Em 2003, o rompimento de um reservatório da Indústria Cataguazes de Papel, na Zona da Mata de Minas Gerais, despejou 20 milhões de litros de soda cáustica nos afluentes da bacia. O desastre provocou grande mortandade de peixes e crustáceos e esterilizou o rio durante um bom tempo, segundo artigo da Universidade do Estado do Norte Fluminense (UENF). E, em 2006 e 2007, outros dois derrames, de uma barragem de rejeitos de bauxita, arrastaram 400 milhões e 2 bilhões de litros de lama rio abaixo, respectivamente.

Não se pode, contudo, contar com a resiliência do rio, que provê água potável e energia para boa parte do Sudeste. "O Paraíba do Sul é o único manancial possível para atender a demanda da região metropolitana. Temos de pensar na importância do rio — não só para hoje, mas projetar o futuro", reitera Carneiro.


Serviço

Conversas na Biblioteca — Paraíba do Sul: o rio que abastece o Rio está em risco?
Onde: Auditório Darcy Ribeiro, na Biblioteca Parque Estadual
Quando: Terça-feira, 15 de dezembro, das 18h às 19h40
Entrada franca.

  • Compartilhe:

Mais Conversa na Biblioteca

Numa guerra sem vencedores, vitória é continuar a acreditar

Numa emocionante edição do "Conversas na Biblioteca", midiativista e pesquisadora discutiram os efeitos da política de drogas nas favelas do Rio

Notícias falsas no quarto maior jornal do país

Em bate-papo na Biblioteca Parque Estadual, autores do Sensacionalista revelaram bastidores e o processo criativo das manchetes fictícias

Guerra sem vencedores: a política de drogas na favela e no asfalto

Ana Paula Pelegrino e Raull Santiago discutem tema na próxima quarta-feira (24/2), a partir das 18h, na Biblioteca Parque Estadual

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre Água

Grupo Executivo de Gestão Metropolitana divulga em junho proposta unificada de saneamento básico para 21 municípios

Em São Gonçalo, estrada divide Petrobras e prefeitura

Via construída pela empresa é acusada de agravar o problema dos alagamentos no Jardim Catarina

PPPs em saneamento básico: uma luz no fim do túnel?

Alternativa é vista como uma solução possível para o problema crônico da Região Metropolitana do Rio, mas ainda não é unanimidade

Pão e água: agricultores protestam contra barragem

Plantadores de milho e aipim de Cachoeiras de Macacu querem evitar alagamento de suas terras por reservatório que abasteceria de água São Gonçalo e Niterói

Mais sobre saneamento

Para o coordenador do Grupo de Saúde e Ambiente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), o foco deveria ser o saneamento básico

Natal em Jardim Gramacho

O lixão de Duque de Caxias foi fechado, mas o lixo está por toda parte, integrando-se ao cotidiano das crianças

Rio de Janeiro, cidade metropolitana

Enquanto se debate a gestão compartilhada da Região Metropolitana do Rio, o desafio é que o processo se abra às vozes da sociedade civil

Para onde a água escorre

Rio historicamente registra o mais elevado consumo per capita de água do país. Os números frios, entretanto, ocultam uma distribuição desigual.

Mais sobre meio ambiente

Livro reúne soluções mirabolantes já propostas para os problemas de um dos principais cartões-postais do Rio

Soluções para as cidades no século 21

Fazendas urbanas e reformas planejadas para favelas são algumas iniciativas que pretendem tornar mais equilibrado o crescimento das metrópoles brasileiras

Investidores já podem comprar ações do futuro

Títulos de impacto social oferecem mecanismos de financiamento para projetos de saúde, redução do desemprego e reincidência de presos

Caminhos do mar

Grupo no Facebook promove ciência cidadã sobre fauna marinha no Rio

Mais sobre clima

OsteRio desta terça (3/11) discutiu os impactos das mudanças climáticas no Rio, apontada por estudo recente como a cidade que será mais afetada pelo aquecimento global

Mudanças climáticas: os impactos sobre o Rio

OsteRio de 3/11 discute como aquecimento global deve afetar a metrópole e o que o poder público e a sociedade podem fazer para enfrentar o problema
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino