Burburinho

  • Compartilhe:
Burburinho 4 / 02 / 2016| Laís Jannuzzi

Peixes mortos nas lagoas de Maricá preocupam população

Faltando apenas um dia para o carnaval, comerciantes e moradores foram prejudicados pelo alto índice de mortandade dos animais. O acontecimento não é incomum na região, mas moradores observam a piora da situação ao longo dos anos.

As margens da Lagoa de Maricá em São José do Imbassaí, região do município de Maricá, amanheceram cobertas por peixes mortos. Savelhas e até bagres de grande porte mortas formavam grandes manchas sobre a água. Segundo moradores, o fenômeno começou ontem (3/2) pela manhã e aumentou ao longo do dia. Hoje, os comerciantes temiam que a contaminação das águas e o mau cheiro acabassem com o movimento de carnaval. "Na terça-feira comprei 50 engradados de cerveja. No dia seguinte, isso começou", lamentou Sergio Magalhães, dono de um dos quiosques instalados à beira d´água.

O carnaval é uma das épocas de maior movimento na região, quando a cidade investe em shows gratuitos para atrair ainda mais turistas. De acordo com o “Estudo de Impacto Econômico Sobre o Comércio no Município de Maricá – Carnaval 2016”, realizado pela Secretaria Municipal Adjuntas de Políticas Especiais, a população maricaense pula de 150 mil para quase 500 mil habitantes durante o período.

JPEG - 150 kb
Prefeitura de Maricá afirma que ainda está avaliando a situação

A Praia das Amendoreiras foi um dos lugares mais afetados pelo ocorrido. Um dos estabelecimentos mais populares na região é o Quiosque do Carlão, e a balconista Alexsandra Quintanilha se sente apreensiva, mas “se Deus quiser, eles retiram logo tudo isso e nós trabalhamos em paz.”

Ao fim da manhã, funcionários da Secretaria de Obras de Maricá iniciaram a limpeza. O Instituto Estadual do Meio Ambiente (Inea), recolheu amostras de água dos locais afetados para análise, mas o resultado será divulgado dentro de 15 dias. O Vozerio tentou — e não conseguiu — uma entrevista com o secretário de Meio Ambiente, Guilherme Motta. Em nota, a Prefeitura alegou que a mortandade provavelmente se deve a causas já registradas em outras ocasiões: aumento da temperatura, baixa oxigenação da água e aumento expressivo da população. A assessoria afirma que o incidente não é incomum na região e teria relação com os ventos fortes que eventualmente revolvem o fundo e provocam a liberação de algas que consomem o oxigênio da água. Na primeira semana de janeiro, também houve mortes de peixes.

No entanto, no Facebook, a prefeitura admitiu que um volume maior de esgoto sendo despejado de forma irregular no complexo lagunar também poderia ser a causa..

PNG - 121.3 kb
Postagem da pefeitura de Maricá nesta quinta-feira (4/2)

Enquanto isso, os moradores sofrem com as consequências do problema. “O cheiro está insuportável, minha esposa nem conseguiu almoçar”, diz o comerciante Sérgio.

  • Compartilhe:

Mais Burburinho

Parque Madureira não tem data para chegar à avenida Brasil

Prometida por Eduardo Paes para o ano passado, obra depende agora do aval de Marcelo Crivella

CCBB é palco de protesto após episódio de lesbofobia

Visitante acusa namorado de funcionária de discriminação durante ida ao local na última sexta (30)

Que tal aterrar a Lagoa?

Livro reúne soluções mirabolantes já propostas para os problemas de um dos principais cartões-postais do Rio

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre carnaval

Curta sobre a imposição de padrões de beleza no carnaval estréia nesta sexta-feira, 4/11

O Filósofo do Samba

Nascido há 100 anos, sambista Silas de Oliveira é autor de uma obra atemporal, que vem sendo resgatada por uma nova geração de músicos

Cinco visões sobre o futuro do Rio

No aniversário do Rio de Janeiro, Vozerio conversou com especialistas para ouvir suas expectativas em relação ao futuro da cidade.

"A estrutura do carnaval de rua precisa ser repensada"

Para Vagner Fernandes, fundador do bloco Timoneiros da Viola, a folia carioca precisa de novas regras e outras formas de financiamento

Mais sobre meio ambiente

Livro reúne soluções mirabolantes já propostas para os problemas de um dos principais cartões-postais do Rio

Soluções para as cidades no século 21

Fazendas urbanas e reformas planejadas para favelas são algumas iniciativas que pretendem tornar mais equilibrado o crescimento das metrópoles brasileiras

Investidores já podem comprar ações do futuro

Títulos de impacto social oferecem mecanismos de financiamento para projetos de saúde, redução do desemprego e reincidência de presos

Caminhos do mar

Grupo no Facebook promove ciência cidadã sobre fauna marinha no Rio

Mais sobre Maricá

Mais sobre poluição

Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino