Reportagens

  • Compartilhe:
Maré vive 11 / 05 / 2015| Anabela Paiva

Pela vida, na Maré

Performance, passinho e debate marcaram o lançamento da campanha Jovem Negro Vivo, que denuncia a violência contra a juventude negra

Todos os sábados, a rua Teixeira Ribeiro, a mais movimentada da comunidade Nova Holanda, na Maré, se enche de moradores da comunidade em busca dos mais diversos itens, de temperos a mesas de som para DJs, de filés de sardinha a enfeites para casa. Ontem, por volta das 16h, o burburinho da feira cessou quando as batidas de dois tambores anunciaram a entrada dos jovens bailarinos da Escola Livre de Dança da Maré. Um a um, eles se alinharam ao longo da rua, entre as barracas. Entre eles, traziam roupas com furos e manchas que lembravam marcas de tiros e sangue. As roupas representavam os sete jovens mortos a cada duas horas no Brasil, segundo dados da Anistia Internacional. “Jovem... negro... vivo!!”, gritaram, antes de vestir as roupas manchadas.

Criada pelos bailarinos, em parceria com a Lia Rodrigues Companhia de Danças, a performance foi um dos destaques do lançamento da campanha Jovem Negro Vivo na Maré. A campanha, realizada pela Anistia Internacional em parceria com a Redes da Maré e o Observatório de Favelas, alerta para a chocante realidade brasileira: dos 56 mil homicídios cometidos no Brasil por ano, mais da metade atingem os jovens de 15 a 29 anos e 77% das vítimas são negros. No Rio de Janeiro, segundo o Mapa da Violência de 2014, a taxa de jovens brancos mortos é de 20 por 100 mil; a de jovens negros é de 64,1.

Essa era a mensagem que cerca de de trinta jovens, entre negros e brancos, moradores da Maré ou de fora, buscaram transmitir aos compradores e trabalhadores da feira. Além de entregar o folheto da campanha, eles pediam a assinatura de um manifesto. “É preciso desnaturalizar as mortes de jovens negros e mostrar que essa questão é da cidade e do país e não só da Maré ou das favelas”, disse Átila Roque, diretor da Anistia Internacional no Brasil.

JPEG - 103.1 kb
Moradores da Maré assinaram manifesto da campanha ’Jovem Negro Vivo’ (foto: Elisângela Leite/Redes da Maré)

A maioria dos abordados apoiava a ideia – alguns por terem passado por experiência própria por situações de racismo e violência. Na Maré, segundo dados do IBGE, 61% da população se declara negro ou pardo.

O mineiro Jacques Ferreira Figueiredo, de 22 anos, era um deles. Numa pausa da venda de caldos de cana na sua barraca, ele contou já ter vivido muitas experiências de discriminação. “Quando a gente chega para comprar uma coisa. Se só tem pessoas mais claras que a gente, acham que a gente é excluído. Não querem atender. Pessoal branco é muito estranho. Chegam aqui na barraca e pedem o caldo de cana com ignorância.”

Assistindo à performance da sua barraca, em que vendia óculos escuros, o camelô Nelson Gomes, 25 anos, fez questão de elogiar a campanha. “É muito importante o que vocês estão fazendo. Se você é negro e mora na favela, já sabe: é esculachado”, constatou. Morador da Nova Holanda há cinco anos, ele já teve a casa invadida por policiais: “Bagunçaram, jogaram tudo no chão, quebraram coisa. A gente sua para comprar e acontece isso.”

O lançamento da campanha ocorre num contexto tenso na Maré, quando as forças especiais da Polícia Militar que preparam a implantação têm sido acusadas de atitudes arbitrárias, violações de direitos e até agressões a moradores. “Estamos pedindo aos moradores que estejam muito atentos e denunciem os abusos das forças policiais”, disse Edson Diniz, diretor da Redes da Maré.

Essa mobilização não é recente. Em 2014, a Redes e o Observatório realizaram com a Anistia Internacional a campanha “Somos da Maré e temos direitos”, de prevenção de violações por parte das forças policiais. Raquel Willadino, diretora do Observatório de Favelas, lembrou que em 2005 uma exposição de fotografias realizada pela organização já denunciava a violência contra a juventude e perguntava, no título: “Até quando?”

JPEG - 130.8 kb
Dançarinos de passinho da Rua C- Companhia de Dança apresentaram-se no evento (foto: Elisângela Leite/Redes da Maré)

Após a performance, houve uma apresentação do dançarinos de passinho da Rua C- Companhia de Dança. Em seguida, jovens da Maré, voluntários da Anistia, integrantes das duas organizações e especialistas em segurança pública se reuniram no Centro de Artes da Maré para uma “roda de conversa” com ativistas que desenvolvem ações de mobilização para o enfrentamento da violência.

Mediado por Bruno Duarte – integrante da comunicação da Anistia e rosto da campanha Jovem Negro Vivo –, o encontro teve a presença de Valnei Succo e Mayara Donaria, da Escola Popular de Comunicação Crítica; do rapper Dudu de Morro Agudo, líder do movimento Enraizados; de Giordana Moreira, organizadora do festival Roque Pense; de Gilmara Cunha, do grupo Conexão G e de Binho Cultura, criador da Festa Literária da Zona Oeste (Flizo). Ao fim do encontro, houve apresentação musical do grupo Los Chivitos, com a participação teatral da Cia. Marginal.

  • Compartilhe:

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre favela

Documentário conta cinco histórias de jovens migrantes que residem nas favelas do Rio

UPPs: 8 anos depois

Moradores de favelas ocupadas revelam impressões, opiniões e expectativas em relação ao projeto

Daqui do morro, eu não saio não

Até o fim do mês, moradores e historiadores relembram relação entre favela e ditadura em curso sobre o tema

Cidade de Deus vira capital da literatura

Até domingo (13), Festa Literária das Periferias (Flupp) agita favela da zona oeste carioca

Mais sobre manifestações

Em meio às retenções no trânsito causadas pelas manifestações de taxistas contra o Uber no Rio, mototáxis levam passageiros para o aeroporto do Galeão

Onde está junho? Manifestantes de 2013 olham para as ruas hoje

Da atuação da polícia à desesperança: como a geração de 2013 enxerga as mobilizações de 2016

Protesto contra violência reunirá grafiteiros este domingo na rua da Alfândega

Grupos se organizam para protestar contra agressão a três jovens negros por cinco seguranças do Saara na última sexta (22); protesto está marcado para domingo (31)

O circo vai ao metrô

Em resposta a casos de repressão violenta a músicos no metrô carioca, produtor cultural sugere ocupar os trens com atividades circenses

Mais sobre Alemão

Apenas no último mês, PM e traficantes mataram pelo menos 15 pessoas no Jacarezinho, na Mangueira e em outras comunidades

Numa guerra sem vencedores, vitória é continuar a acreditar

Numa emocionante edição do "Conversas na Biblioteca", midiativista e pesquisadora discutiram os efeitos da política de drogas nas favelas do Rio

"A polícia precisa investir em reconquistar a legitimidade"

O Coronel Robson Rodrigues, que acaba de deixar a chefia do Estado Maior da PM, diz que a mudança na formação de policiais é a chave para renovar a corporação

Evento vai ocupar com grafite beco no Alemão onde Eduardo foi morto

Iniciativa organizada pelo coletivo Papo Reto acontecerá no sábado (21/11), às 11h

Mais sobre violência

Testemunhas contam o que viram de um dos anos mais agitados dos últimos tempos

Guerra ao fuzil

Como o combate a uma arma se tornou a maior prioridade do novo secretário de segurança do Rio

A nau sem rumo da segurança pública

Para o sociólogo Renato Sérgio de Lima, vice-presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e professor da FGV, lideranças do Rio precisam parar de reduzir a segurança pública a uma mera gestão da legislação penal e das instituições policiais

Repórter, profissão de risco

Segurança de jornalistas que cobrem protestos e acompanharão Rio 2016 preocupa Repórteres Sem Fronteiras
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino