Debates

  • Compartilhe:
Rio Metropolitano: desafios compartilhados 10 / 07 / 2015| Isabela Fraga

Pezão anuncia parceria público-privada (PPP) para implantar saneamento na Baixada e em São Gonçalo

No Seminário Rio Metropolitano, Prefeitura também anuncia concessões para estacionamentos e carros elétricos compartilhados

Em um contexto de desaceleração econômica, o governo do Estado do Rio de Janeiro trabalha para ampliar as parcerias com a iniciativa privada na implantação de obras de infraestrutura e modernização da Região Metropolitana do Rio. Durante o seminário ‘Rio Metropolitano: Desafios Compartilhados’, realizado ontem (9/7) no Centro, o governador Luiz Fernando Pezão e o secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado, Marco Antônio Capute, anunciaram projetos de parcerias público-privadas em áreas como a mobilidade e o saneamento.

“Queremos apresentar até o fim deste ano uma PPP para implantar saneamento em toda a Baixada e em São Gonçalo”, anunciou Pezão. “Só assim podemos sonhar com as metas de despoluição da baía de Guanabara.” O subsecretário municipal de Projetos Estruturantes do Rio de Janeiro, Gustavo Guerrero, também anunciou novas concessões na área de mobilidade.

Realizado pela Câmara Metropolitana de Integração Governamental e pelo Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade, o seminário foi o quinto de uma série que já discutiu saneamento básico, mobilidade urbana, segurança pública e saúde de um ponto de vista metropolitano.

Além de Pezão, Capute e Guerrante, estiveram presentes hoje no Teatro Sesi, no Centro do Rio, também Eduardo Salgado Viegas, do Conselho Empresarial de Infraestrutura do Sistema FIRJAN; Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, presidente da FIRJAN; Vicente Loureiro, diretor-executivo da Câmara Metropolitana; Manuel Thedim, diretor-executivo do IETS; Lelis Marcos Teixeira, presidente executivo da Fetranspor; e Luiz Fernando Santos Reis, presidente executivo da Associação das Empresas de Engenharia do Rio de Janeiro (AEERJ).

JPEG - 181.9 kb
Mais de 200 pessoas compareceram ao Teatro Sesi, no Centro, para o seminário ’Rio Metropolitano’ (foto: Mauro Pimentel)

Saneamento na Baixada e metrô em São Gonçalo
Segundo o secretário de Desenvolvimento Econômico, Marco Antonio Capute, a maior prioridade do governo no campo das PPPs é o saneamento básico na Baixada Fluminense e no Leste Metropolitano. “Já estamos conversando com uma consultora independente. Vamos lançar um edital até o fim do ano”, anunciou. Em 2016, quando as obras de distribuição de água deverão estar a todo vapor, será iniciada a parte de tratamento de esgoto, afirmou o governador.

Outra prioridade, segundo Capute, é a extensão da linha 2 do metrô, que vai ligar Estácio, Carioca e Praça XV. “Estamos estudando valores. A concessionária que já opera o metrô tem prioridade, mas caso ela decline começamos o projeto de licitação”, explicou. Capute reiterou que a linha 3, que ligará Niterói a São Gonçalo, será de fato baseada no transporte metroviário. “Estudamos vários tipos de modais, mas queremos insistir no metrô porque é o que vai atender melhor a densidade populacional daquela área”, afirmou. “É provável que pelo menos em 2017 ou 2018 as obras já comecem.”

Experiência prévia em PPPs
A lei que regulamenta os contratos de parcerias público-privadas foi promulgada em 2004 e, até hoje, foram realizada 83 PPPs no Brasil. Segundo Eduardo Viegas, da Firjan, a maior parte desses projetos está no setor de saneamento. No estado do Rio de Janeiro, existem oito contratos de PPP ativos no momento. “O município do Rio é considerado uma liderança nesse setor, pois já conseguiu tirar do papel várias PPPs, como a do Porto Maravilha, a do Parque Olímpico e a do VLT”, lembrou Viegas.

JPEG - 40.1 kb
Marco Antônio Capute, secretário estadual de Desenvolvimento Econômico: prioridade é saneamento da Baixada e do Leste Fluminense (foto: Mauro Pimentel)

O subsecretário de Projetos Estruturais, Gustavo Guerrante, lembrou que o VLT é uma PPP patrocinada — ou seja, envolve uma contrapartida do município de R$ 60 milhões por ano. O Parque Olímpico, por sua vez, é uma PPP inovadora: no valor de R$ 1,4 bilhão, o terreno foi dividido em lotes que, após as Olimpíadas, serão passados para a empresa privada como investimento imobiliário. O Porto Maravilha, considerada a PPP mais bem-sucedida do Rio, tem investidos R$ 7,6 bilhões e vários empreendimentos contratados. “O túnel que vai substituir a perimetral e desafogar o trânsito da região vai ser entregue no final do ano”, anunciou Guerrante.

Modernização de estacionamentos e carros elétricos
Guerrante também revelou que o município do Rio de Janeiro tem preparado o projeto de uma nova concessão das 37 mil vagas de estacionamento de veículos na cidade. “Uma gestão de vagas inteligente vai melhorar a circulação na cidade”, afirmou. O investimento será de R$ 75 milhões e o prazo de concessão será de 15 anos. “Não vai haver dinheiro municipal nesse projeto. Vai ser uma concessão simples”, explicou o subsecretário.

Este também será o modelo do projeto para implantar uma frota de carros elétricos compartilhados, a um custo de R$ 450 milhões, em um modelo parecido com as bicicletas do Bike Rio. “Carros elétricos compartilhados vão melhorar a mobilidade e atrairão esse tipo de indústria para a cidade”, completou.

O especialista em PPPs Eduardo Viegas lembrou que o poder público precisa cuidar de quatro fatores-chave para o sucesso das parcerias: um deles é criar garantias de que a parte investida pela empresa será paga ao longo dos anos. A competitividade também é importante, pois é preciso que empresas médias também possam disputar os editais. Os riscos, por sua vez, precisam ser compartilhados entre governo e empresa. “O contrato de uma PPP é muito longo, de 25 a 30 anos. É preciso que os riscos sociais, econômicos, ambientais e políticos sejam compartilhados”, defendeu. Por fim, é preciso garantir a chamada “financiabilidade”, uma vez que “nenhuma PPP sai do papel apenas com empresas privadas investido capital próprio”, segundo o analista da Firjan. É fundamental, portanto, que os projetos contem com financiamento de terceiros, como o Banco Mundial e o BNDES.

JPEG - 47.8 kb
Gustavo Guerrante, subsecretário municipal de Projetos Estruturantes: projeto de concessão para reformular estacionamentos no Rio (foto: Mauro Pimentel)

Novos temas em pauta
O encontro desta semana não foi o último do ciclo ‘Rio Metropolitano: Desafios Compartilhados’. Segundo Vicente Loureiro, diretor-executivo da Câmara Metropolitana, a ideia é que haja outros seminários para debater temas também importantes para a Região Metropolitana do Rio. “Temos outros temas que gostaríamos de conversar. Por exemplo, emprego, habitação, baía de Guanabara, resíduos sólidos e energia”, afirmou Loureiro.

Segundo Loureiro, os debates têm o objetivo de “quebrar paradigmas”. "Precisamos disseminar a visão de que, sozinhos, os governos não vão conseguir ser bem-sucedidos nessa agenda complexa e de grande dimensão da região metropolitana, que envolve saneamento, mobilidade, segurança e saúde – entre outros temas”, explicou.


Para ver todas as fotos do evento, acesse o Flickr do Vozerio.

Para examinar as apresentações dos palestrantes, acesse nosso perfil no Issuu.

  • Compartilhe:

Mais Rio Metropolitano: desafios compartilhados

Seminário Rio Metropolitano vai debater o papel da das parcerias público-privadas no desenvolvimento da Região Metropolitana

Encontro terá a participação do governador Luiz Fernando Pezão, empresários, e do representante da maior PPP do país, o Porto Maravilha

Consórcios de municípios podem ser solução para saúde na região metropolitana

Secretário anuncia construção de novo hospital geral na Baixada e a inauguração de uma central de regulação unificada no próximo dia 8

Governo estadual, municípios, especialistas e iniciativa privada debatem custos e qualidade dos serviços de saúde

Seminário da série Rio Metropolitano: Desafios Compartilhados, em São Gonçalo, discute iniciativas de gestão e planejamento dos sistemas

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre economia

Após 30 anos de trabalho na rede estadual, aposta nos salgados para comprar comida e pagar dívidas que ultrapassam R$ 600

Empresas em dívida com o Estado do Rio receberam isenção fiscal

Levantamento aponta que 22 empreendimentos somaram débitos que ultrapassam R$ 9 bilhões. PSOL quer que MP investigue o governo por crime de improbidade administrativa

Cinco desafios para o próximo prefeito do Rio

Especialistas em saúde, educação, mobilidade, segurança e economia apontam os principais problemas que o novo gestor da cidade vai precisar resolver

Investidores já podem comprar ações do futuro

Títulos de impacto social oferecem mecanismos de financiamento para projetos de saúde, redução do desemprego e reincidência de presos

Mais sobre política

Livro aborda transformações da Baixada Fluminense durante a ditadura

6 momentos do Rio em 2016

Testemunhas contam o que viram de um dos anos mais agitados dos últimos tempos

De mulher para mulher: ocupação feminista no Rio

Rede Agora Juntas encerra neste sábado (17), na Glória, experiência que debateu direitos das mulheres

Prefeito eleito de Caxias é condenado a 7 anos de prisão por crime ambiental

De acordo com STF, Washington Reis (PMDB) se envolveu na criação de um loteamento ilegal quando era prefeito da cidade

Mais sobre infraestrutura

Recuperação da baia é tema central da posse do Conselho do Plano Metropolitano, que vai colaborar na formulação de estratégia de desenvolvimento para a Região Metropolitana

Novo estudo identifica os centros do Grande Rio

Conduzido pelo Iets, projeto Centralidades fará um raio X de qualidades e deficiências das áreas mais importantes da Região Metropolitana fluminense

Paraíba do Sul: torrente de ameaças

Debate na Biblioteca Parque Estadual reúne engenheiro e realizadores de cinema para conversar sobre estado atual do rio que abastece o Rio

Segunda no parque

Gente de todos os tipos e idades ocupou o Parque de Madureira neste Dia das Crianças — quando foram inauguradas três cascatas d’água, chamadas pela prefeitura de "Praia de Rocha Miranda"

Mais sobre saneamento

Grupo Executivo de Gestão Metropolitana divulga em junho proposta unificada de saneamento básico para 21 municípios

Em São Gonçalo, estrada divide Petrobras e prefeitura

Via construída pela empresa é acusada de agravar o problema dos alagamentos no Jardim Catarina

PPPs em saneamento básico: uma luz no fim do túnel?

Alternativa é vista como uma solução possível para o problema crônico da Região Metropolitana do Rio, mas ainda não é unanimidade

"A atual estratégia de combate ao mosquito vetor da zika é falha e equivocada"

Para o coordenador do Grupo de Saúde e Ambiente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), o foco deveria ser o saneamento básico
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino