Burburinho

  • Compartilhe:
Burburinho 23 / 10 / 2015| Daniel Gullino

Rolé pela história

Visitas guiadas por bairros do Rio ensinam a valorizar a herança cultural e histórica da cidade. Neste domingo, o destino é a Penha.

(Foto: Pedro Kirilos/Riotur)

O Morro do Alemão recebeu esse nome devido a um mal-entendido: os primeiros proprietários das terras da região eram poloneses, mas os outros moradores, com olhar generalista, os chamavam apenas de alemães. Essa é uma das histórias que será contada em mais uma visita guiada do Rolé Carioca, projeto que chega no domingo (dia 25) à Zona da Leopoldina, com destaque para a Penha.

O passeio, gratuito, começa às 9h na estação de trem da Penha e vai até o Santuário de Nossa Senhora da Penha, passando pelo Curtume Carioca e pela Paróquia Bom Jesus. Não é preciso se inscrever previamente.

JPEG - 70.4 kb
William Martins e Rodrigo Rainha, responsáveis pela pesquisa histórica

“É um mergulho íntimo na Leopoldina”, explica Rodrigo Rainha, professor de História da Universidade Estácio de Sá, que coordena o projeto ao lado de William Martins, seu colega na universidade. Para Rodrigo, é uma oportunidade de "fazer as pazes" com a região, que ele acredita ter sido abandonada com o tempo.

O roteiro é o penúltimo da terceira edição do evento, que integra a programação oficial dos 450 anos da cidade. A última parada será no Saara, no Centro, em 29 de novembro. A iniciativa, que começou em 2013 e já percorreu quase 20 bairros da cidade, é promovida pelo M’Baraká, estúdio de cultura e design.

“O que o Rolé tem de diferente é a linguagem popular”, aponta Isabel Seixas, sócia-fundadora da M’Baraká. Isabel acredita que o carioca conhece pouco a sua história, e revela que ela própria aprende com os passeios. “A cada Rolé me surpreendo”, conta.

Para Rodrigo, existem dois aspectos essenciais para manter a atenção do público. O primeiro é o bom humor, muitas vezes apostando no improviso. “Falar de história é uma coisa que deve ser muito divertida”, destaca.

Em um passeio realizado em São Cristóvão no ano passado, por exemplo, o historiador, que é flamenguista, brincou com a rivalidade entre rubro-negros e vascaínos para questionar a história de que o Vasco foi o primeiro clube a aceitar negros em seu elenco.

Outra estratégia é criar uma identificação das pessoas com o que está sendo apresentando. “A identidade passa por reconhecimento, e reconhecer significa que você explica aquele processo, dá sentido, faz com que ele faça parte da sua vida. A partir do momento que você se vê na rua, você passa a estar interessado”, afirma.

Para Rodrigo, uma maneira de fazer isso é mostrar aos participantes que os problemas da cidade fazem parte de um todo. "Somos tratados como tratamos as calçadas da cidade. Se não valorizamos a cidade, ficamos jogados", avalia. Ele questiona também a separação entre morro e asfalto. "Se, na Penha, eu tiver vergonha de mostrar o Complexo do Alemão, estou esquecendo a história do Rio", critica.

Planos incluem passeios bilíngues e roteiros noturnos

JPEG - 105 kb
Roteiro no Catete, em maio, teve direito a apresentação musical (Foto: Thiago Diniz)

A média de público gira em torno de 500 pessoas. O recorde foi em Paquetá, quando havia entre 800 e 1.000 presentes. O número de professores que acompanha o trajeto varia de acordo com a expectativa: o ideal, para os organizadores, é um professor para cada 100 participantes. Muitas vezes alunos são chamados para atuarem como monitores.

Segundo Isabel, o público, no começo, era formado por um público específico, principalmente de estudantes de História. Agora, tornou-se uma opção de lazer, e recebe muitas famílias, incluindo crianças.

A origem dos participantes é variada. “Cada bairro tem um perfil”, diz Rodrigo. Em Paquetá, por exemplo, foram muitos cariocas que só tinham ido na ilha quando crianças. Em Santa Cruz, o predomínio foi de moradores do próprio bairro, enquanto em Madureira apareceram pessoas de toda a Zona Norte. Já o Centro sempre atrai muitos turistas.

Para a edição do ano que vem, já confirmada, Isabel revela a intenção de fazer roteiros ligados à Olimpíada. Ela também pretende oferecer passeios bilíngues, que possam atrair os turistas, e noturnos, para alcançar novos públicos.

  • Compartilhe:

Mais Burburinho

Parque Madureira não tem data para chegar à avenida Brasil

Prometida por Eduardo Paes para o ano passado, obra depende agora do aval de Marcelo Crivella

CCBB é palco de protesto após episódio de lesbofobia

Visitante acusa namorado de funcionária de discriminação durante ida ao local na última sexta (30)

Que tal aterrar a Lagoa?

Livro reúne soluções mirabolantes já propostas para os problemas de um dos principais cartões-postais do Rio

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre turismo

Inaugurado em outubro, espaço turístico só oferecia benefício para maiores de 65 anos

As escolas de samba perdem, os blocos herdam

Osterio debate carnaval: novas regras de patrocínio dos desfiles e resgate da espontaneidade são essenciais para evitar a decadência das escolas de samba

Desafios do turismo carioca: assista ao vídeo

Num Rio em transformação, quais modelos de turismo são possíveis e desejados? Especialistas discutem maneiras de valorizar a cidade para além da natureza exuberante que incluam os subúrbios e novos atrativos culturais.

Mais sobre cultura

Visitante acusa namorado de funcionária de discriminação durante ida ao local na última sexta (30)

Biblioteca Parque amanhece fechada no Centro

De acordo com Governo do Estado, fechamento é excepcional e prefeitura deve manter espaço aberto em 2017

’Sem cultura é barbárie’

Artistas e gestores pedem que o Governo do Estado não acabe com a Secretaria Estadual de Cultura, e de quebra criticam o município por falta de transparência em Fomento às Artes

Novo endereço para criar e empreender

Espaço de ’coworking’ Gomeia surge como centro de articulação entre grupos atuantes em cultura na Baixada Fluminense

Mais sobre história

Livro aborda transformações da Baixada Fluminense durante a ditadura

Daqui do morro, eu não saio não

Até o fim do mês, moradores e historiadores relembram relação entre favela e ditadura em curso sobre o tema

Viagem por um Rio passado e imaginário

Mapa interativo criado por universidade americana mostra a história do Rio no tempo e no espaço

Negros, libertos e monarquistas

Existência da Guarda Negra, irmandade secreta de negros surgida após promulgação da Lei Áurea, é um episódio esquecido da história do Brasil

Mais sobre Rio450

Vencedores do Prêmio de Ações Locais, que contemplou iniciativas em periferias e comunidades, serão beneficiados. Evento acontecerá ao longo do mês de agosto

Pedalar no Rio: um esporte radical

Entre o desafio de galgar as montanhas e a agressividade dos motoristas cariocas, o sociólogo Ignacio Cano diz que ciclovias na cidade são “ficção”

Houve um dia um restaurante: minhas memórias do 28

O fim do restaurante carioca 28 deixou órfão um grupo de cariocas que lá se reunia todas as semanas. O historiador Antonio Edmilson homenageia o lugar como parte do patrimônio cultural e afetivo da cidade.

Rio de Encontros: retomada em novo espaço

O Rio de Encontros, ciclo de debates sobre o Rio de Janeiro, recomeça discussões sobre a cidade amanhã, no auditório da ESPM, no Centro

Mais sobre Zona Norte

Prometida por Eduardo Paes para o ano passado, obra depende agora do aval de Marcelo Crivella

Conheça os projetos cariocas que participarão da Bienal de Veneza deste ano

Nove dos quinze projetos brasileiros selecionados para o Pavilhão do Brasil na Bienal de Veneza são do Rio; iniciativas selecionadas vão de Madureira a Ipanema

Fórum Rio discute a cidade pós-Olimpíadas este sábado na Pavuna

No evento, também será lançada a plataforma on-line AgendaRio.org, que servirá de repositório das ideias para melhorar a cidade e a região metropolitana

Mulheres de Caju e Manguinhos se reúnem para construir mapas afetivos da violência

Iniciativa da ONG Fase iniciada em 2014 realizou encontros semanais com moradoras das comunidades para mobilizar a população e gerar reflexão

Mais sobre subúrbio

No Méier, com os ativistas do Bike Anjo, repórter do Vozerio testa como é pedalar em ruas sem ciclovia. Bairro tem debate hoje sobre o tema

“A cadeira do barbeiro é um divã”

Diretor de A Batalha do Passinho, Emílio Domingos fala sobre Deixa na Régua, seu novo filme que aborda universo das barbearias cariocas

"Será que a pichação é apenas uma atitude irresponsável?"

Gustavo Coelho é professor da Uerj e estuda pichação, bate-bolas e outros fenômenos cariocas sob o olhar da estética

Site colaborativo mapeia atrações próximas a estações de trem

Objetivo é estimular uma maior circulação pela cidade; resultado pode ser visto também em exposição no Centro

Mais sobre lazer

Pesquisa retrata os hábitos culturais dos cariocas

A saga de quem faz cultura nas ruas do Rio

Organizadores do Sarau do Escritório mostram como vencer o vilão da burocracia em 11 fases

Vaz Lobo quer reprise do seu cinema

Em meio a recordações nostálgicas, moradores de Vaz Lobo, na Zona Norte, reclamam do abandono do edifício onde funcionava cinema do bairro, mas divergem sobre o destino do imóvel

Segunda no parque

Gente de todos os tipos e idades ocupou o Parque de Madureira neste Dia das Crianças — quando foram inauguradas três cascatas d’água, chamadas pela prefeitura de "Praia de Rocha Miranda"
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino