Reportagens

  • Compartilhe:
Morar Carioca 4 / 08 / 2015| Julia Meneses

Social em suspenso

O concurso de projetos do Morar Carioca previa ações de integração social e investimento na participação; ao menos na comunidade ’Barreira do Vasco’, do escritório Heitor Derbli, equipamentos dedicados à formação profissional foram eliminados; Ibase, que seria responsável pela interlocução comunitária, teve contrato descontinuado

Foto: Comunidade Barreira do Vasco

Dos dez escritórios contratados pelo concurso do Morar Carioca e contatados pelo Vozerio , o Heitor Derbli e Arquitetos Associados foi o primeiro a ser contratado e o único em fase de realização de obras. Mesmo assim, os titulares do projeto, Heitor Derbli e Gabriel Carvalho Soares relataram ao Vozerio sua insatisfação com a redução das intervenções na comunidade Barreira do Vasco, situada próxima ao estádio de São Januário, sede do Clube de Regatas Vasco da Gama.

"Houve uma amputação da criatividade do projeto”, disse Heitor. Uma das propostas não realizadas era a construção da Cidade do Samba 2, que chegou a ser notícia na coluna de Ancelmo Gois. Outra seria uma sede do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), de ensino profissionalizante para a indústria têxtil, setor historicamente presente no bairro de São Cristóvão. A iniciativa teria como objetivo incentivar grupos de artesanato que já atuam no lugar, assim como a produção de fantasias e alegorias da nova Cidade do Samba. “Existe um grupo na comunidade, chamado Retalho Carioca. São de moças que passam pelas varias indústrias têxtis que existem no bairro de são Cristóvão e pegam os retalhos e fazem diversas customizações”, disse Gabriel.

Em nota, a Secretaria Municipal de Habitação afirmou que "esses equipamentos propostos no plano de intervenção foram retirados por não serem equipamentos compatíveis com a escala de intervenção".

JPEG - 107.6 kb
Projeto da Cidade do Samba 2. (Fonte: http://www.hdaa.com.br/projeto_morar-carioca.html)

“Você pode dizer que está integrando a cidade quando coloca a rede de infraestrutura, iluminação e recolhe resíduos sólidos. De fato está integrando o ambiente, só que não necessariamente os tecidos sociais. A nossa proposta inicial deste esse equipamento urbano acabou não sendo aceita”, explica o coordenador do agrupamento Gabriel Carvalho Soares, afirmando que equipamentos como esses poderiam beneficiar não só a comunidade como todo seu entorno.

Programa reodernado

Uma troca de cargos dentro da SMH é um dos motivos mais mencionados para as mudanças no programa. Em 2012, o secretário municipal de habitação, Jorge Bittar (PT) foi substituído no cargo por seu subsecretario, Pierre Batista. Hoje, quem está a frente do cargo é Carlos Francisco Portinho.

“Não sabemos se foi a troca que influenciou [o reordenamento] ou a influência foi anterior para gerar a troca [de secretários]. Mudou o viés do projeto e o interesse que o governo do município tinha em levar a cabo a proposta inicial de interação socioeconômica e cultural no desenvolvimento das comunidades”, pondera o arquiteto Heitor Derbli. Questionada se a troca entre Jorge Bittar e Pierre Batista - provocou um reordenamento do programa, em resposta a SMH afirmou que sim, mas não deu mais detalhes sobre o ocorrido. O ex-secretário Jorge Bittar, hoje presidente da Telebras, não retornou ao pedido de entrevista.

A realização dos projetos aprovados no concurso tinha como parceiro o Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase), responsável pela mediação entre a comunidade e os escritórios de arquitetura e urbanismo. Através de diversas atividades - rodas de diálogo, oficinas de memórias e sonhos; e fóruns - a intenção era levantar demandas, a partir da escuta dos próprios moradores. Aliás, a participação popular era um dos destaques do programa, até pelo histórico de críticas nesse tema em programas de urbanização e habitação popular na cidade.

JPEG - 77.5 kb
Moradores de Vila São Jorge (escritório Atelier Metropolitano) participam de uma roda de diálogo, em setembro de 2012. (Foto:Ibase)

Mas, segundo Sandra Jouan, socióloga e pesquisadora do Ibase, durante o período de transição após a troca de secretários, o Ibase teve seu contrato suspenso temporiamente. O prazo do contrato acabou em outubro do ano passado, sem que a instituição retornasse ao programa. “Entre fevereiro a outubro de 2014 mandamos diversos ofícios para a Prefeitura e não tivemos nenhum retorno. Tínhamos contratado agentes comunitários e supervisores de campo. E tivemos que romper contrato com essas pessoas com recursos do próprio Ibase”.

Em reposta, a SMH explicou que "O Ibase atendeu a primeira etapa dos contratos, nas outras etapas os serviços ficaram sob a responsabilidade dos Projetos".

O escritório, o Aucasulo, responsável por comunidades nas áreas de Praça Seca e Tanque, afirma que “o Programa redirecionou seu foco para privilegiar a infraestrutura – saneamento básico ambiental, em detrimento da produção de arquiteturas voltadas para o desenvolvimento de projetos de habitação, de espaços e equipamentos públicos - creches, por exemplo”.

Para o arquiteto Heitor Derbli, a Prefeitura “teve que investir em desenvolvimento urbano e não social. Faltou desenvolvimento social nesse projeto [Morar Carioca]”.

Leia as outras matérias da série Morar Carioca:

Um legado olímpico que anda a passo lento
Havia um BRT no meio do caminho

  • Compartilhe:

Mais Morar Carioca

Um legado olímpico que anda a passo lento

O programa Morar Carioca é alvo de críticas por não realizar o previsto. "Esse era o principal legado das Olimpíadas de 2016 e foi para o brejo", diz o arquiteto Luiz Fernando Janot

Havia um BRT no meio do caminho

Construção do corredor expresso ’Transolímpica’ causou a suspensão do contrato com o escritório Corcovado

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre participação

Grupo no Facebook promove ciência cidadã sobre fauna marinha no Rio

Conselho da Juventude convida jovens a pensar políticas públicas

Para Rafaela Marques, coordenadora do programa, o conselho preenche lacunas da participação da juventude no governo

"A crise pode aumentar o cuidado e o interesse pelo voto", afirma cientista político

Para o professor da UFRJ Jairo Nicolau, crise vivida pelo Brasil pode atrair mais atenção da juventude para a política eleitoral

Fórum Rio discute a cidade pós-Olimpíadas este sábado na Pavuna

No evento, também será lançada a plataforma on-line AgendaRio.org, que servirá de repositório das ideias para melhorar a cidade e a região metropolitana

Mais sobre favela

Documentário conta cinco histórias de jovens migrantes que residem nas favelas do Rio

UPPs: 8 anos depois

Moradores de favelas ocupadas revelam impressões, opiniões e expectativas em relação ao projeto

Daqui do morro, eu não saio não

Até o fim do mês, moradores e historiadores relembram relação entre favela e ditadura em curso sobre o tema

Cidade de Deus vira capital da literatura

Até domingo (13), Festa Literária das Periferias (Flupp) agita favela da zona oeste carioca

Mais sobre habitação popular

Prefeito e moradora divergem sobre desapropriação na Vila Autódromo

Saudosas malocas

Urbanista Raquel Rolnik discute transformação da habitação, de política social em ativo financeiro, em novo livro lançado no Rio

Acessibilidade é desafio para idosos que vivem em favelas

Escadas, calçadas defeituosas e dificuldades de transporte são obstáculos para que moradores tenham acesso a lazer, saúde e serviços

Rio, 70 graus

Semana que registrou os dois dias mais quentes do ano chama atenção para as ilhas de calor na Região Metropolitana: desde os anos 1980, o solo ficou 15 graus mais quente

Mais sobre infraestrutura

Recuperação da baia é tema central da posse do Conselho do Plano Metropolitano, que vai colaborar na formulação de estratégia de desenvolvimento para a Região Metropolitana

Novo estudo identifica os centros do Grande Rio

Conduzido pelo Iets, projeto Centralidades fará um raio X de qualidades e deficiências das áreas mais importantes da Região Metropolitana fluminense

Paraíba do Sul: torrente de ameaças

Debate na Biblioteca Parque Estadual reúne engenheiro e realizadores de cinema para conversar sobre estado atual do rio que abastece o Rio

Segunda no parque

Gente de todos os tipos e idades ocupou o Parque de Madureira neste Dia das Crianças — quando foram inauguradas três cascatas d’água, chamadas pela prefeitura de "Praia de Rocha Miranda"

Mais sobre desenvolvimento social

Fazendas urbanas e reformas planejadas para favelas são algumas iniciativas que pretendem tornar mais equilibrado o crescimento das metrópoles brasileiras

Um Rio de azulejos na Maré

Painel formado por centenas de azulejos pintados por crianças da Maré será inaugurado na casa de moradora neste sábado (30/4); projeto pretende colorir ruas do bairro

"Precisamos mudar o CEP do emprego"

Como diminuir as desigualdades gritantes na Região Metropolitana do Rio? No OsteRio desta terça-feira (29/3), um caminho ficou claro: mais centros e oportunidades, menos distâncias e deslocamentos

Estamos vivendo cada vez mais — isto é um problema?

O médico Alexandre Kalache, diretor do Centro Internacional da Longevidade (ILC-Brazil), diz que o Rio de Janeiro e o Brasil precisam se preparar para o envelhecimento da população
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino