Pensatas & paixões

  • Compartilhe:
Pensatas 5 / 03 / 2015|

Tempos confusos

por José Arnaldo Rossi

Vivemos tempos confusos com a mistura de percepções e sentimentos. Após as festas de Momo, continuamos de ressaca. Já se disse que herdamos dos Tupinambás duas características. A primeira, a vocação da dança; a segunda, uma certa cara de espanto diante da realidade que, com os tempos, para nós, mudou-se no que chamamos de “carioquice”. A capacidade de rir de tudo, inclusive zoando ou zombando de nós mesmos.

Cid Benjamin, em manifestação recente, pede ajuda de Mario Quintana para resgatar a utopia e surpreende-se com a nossa incapacidade de entender as virtudes republicanas básicas. A igualdade de todos perante a lei e a representação política expressa na renovação de mandatos dos governantes.

Precisamos exercer uma outra característica nossa: a coragem de inventar

Que bela utopia. Dessas que se transformam politicamente pensadas em objetos autônomos, com luz própria, do desejo dos homens. É hora de transformar a democracia representativa, calcada em valores republicanos básicos, em objeto de desejo coletivo. Afinal, igualdade e representação são valores mais que desejáveis, além de praticas de distribuição de riqueza, para que a democracia não fique só “burguesa”, adjetivo com que se qualifica, hoje ainda, a naturalização da desigualdade através da categorização, no consumo, de todas as formas de invenção de classe social. Na prática, ficamos adiando o enfrentamento da desigualdade, ancorada na nossa incapacidade de encarar políticas de educação que, no século XXI, deixem para trás nossas vergonhas do século XIX.

Temos a chance de fazê-lo, nós cariocas, síntese para nosso orgulho de um grande Brasil, ainda de ressaca, mesmo depois no carnaval esgotar nossa vocação para a dança. Precisamos exercer uma outra característica nossa: a coragem de inventar. Que tal se ousássemos a recuperação dos “corpos intermediários” da democracia americana para, a partir da sociedade, controlar o Estado. Ou você acredita que entre as organizações não governamentais possamos recuperar o papel das principais entre elas, partidos políticos e sindicatos, os primeiros com saques indiscriminados ao Fundo Partidário que, com o dinheiro de todos, só produziu até aqui interrupções no horário nobre da TV, reproduzindo imagens novas que se renovam a atender todas as demandas possíveis proferindo as platitudes de estilo.

No que toca aos sindicatos, que dizer de centrais sindicais cevadas a partir de recursos públicos, dinheiro de todos, oriundos de contribuições obrigatórias que nada justifica?

Sejamos dignos das nossas mais antigas virtudes expressas na cultura dos Tupinambás. Mãos à obra.

  • Compartilhe:

Convidado

José Arnaldo Rossi

José Arnaldo Rossi é membro do conselho do IETS e presidente do Conselho de Política Social e Trabalhista do Sistema FIRJAN.

Mais Pensatas

Recado da Cidade de Deus

Pesquisador do CESeC relata a indignação de moradores da Cidade de Deus se reuniram em um protesto na quinta-feira (24/11) contra o uso de mandado de busca coletivo nas ações policiais

Novo endereço para criar e empreender

Espaço de ’coworking’ Gomeia surge como centro de articulação entre grupos atuantes em cultura na Baixada Fluminense

O Filósofo do Samba

Nascido há 100 anos, sambista Silas de Oliveira é autor de uma obra atemporal, que vem sendo resgatada por uma nova geração de músicos

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino