Reportagens

  • Compartilhe:
Transporte alternativo 4 / 11 / 2016| Bibiana Maia

Os reis do Uber

Motoristas veteranos no aplicativo investem em pequenas frotas para alugar aos que não têm condições de comprar seu próprio carro

Foto: Fernanda Carvalho/ Fotos públicas

Dois anos após sua chegada ao Brasil, o aplicativo Uber, concorrente direto dos táxis, tornou-se atraente como investimento. Multiplicam-se os casos de usuários que mantêm pequenas frotas de carros alugados para aqueles que não têm um veículo próprio, mas que, com o crescimento do desemprego, enxergam no serviço uma chance de sair do vermelho. Vozerio conversou com alguns deles. Os entrevistados pediram para não ser identificados, pois estão sujeitos a perder o cadastro no aplicativo ao conceder entrevista sem autorização prévia. A Uber reconhece e considera normal a prática (confira nota da empresa no fim do texto).

De Angola para o Uber

I*, de 34 anos, tem quatro carros e pretende adquirir outros dois ainda este ano. Morador de Vila Isabel, ele cobra R$ 600 por semana para três motoristas, e dirige um veículo aos finais de semana, quando o retorno geralmente é maior. O cadastro fica em seu nome e os locatários entram como motoristas auxiliares. Descontado o aluguel, diz o proprietário, é possível ganhar, em média, R$ 700 por semana.

“Eles pagam e não reclamam. O sonho deles é comprar um carro, mas não está tão fácil”, conta ele, que recebe com frequência indicações de amigos para o trabalho: “Cerca de 15 pessoas ao mês me procuram querendo alugar porque estão desempregadas”.

I. decidiu investir no Uber após ser dispensado de um trabalho em Angola, em 2015. A primeira ideia era comprar duas autonomias de táxi, que segundo ele custavam R$ 250 mil, com o carro. Um amigo avisou sobre o aplicativo. Ele comprou um veículo para testar e percebeu que era rentável ao ganhar por volta de R$ 500 ao dia. Quando a Justiça concedeu, este ano, a liminar que garantia o serviço, ele teve segurança para comprar outros carros.

“Dou R$ 20 mil de entrada e financio o resto. Nos primeiros três meses, pago seguro e o kit gás. Depois, o carro se paga e dá lucro. Em um ano, você tira o dinheiro de entrada. Quando não for mais lucrativo, vendo os carros”, ensina.

O selfmade man do Uber

B., de 33 anos, também da Vila Isabel, é o que poderia ser chamado de selfmade man do Uber. Bacharel em direito, nunca exerceu a profissão. Sustentava a família viajando para aos Estados Unidos para comprar produtos e revender no Brasil. Com a chegada do aplicativo, ele decidiu tentar a sorte. Na época, havia poucos veículos e só estava disponível o Uber Black, o serviço mais caro. Faturando, em média, R$ 400 por dia, ele conseguiu comprar dois carros em um ano. “A gente chegou a alugar a R$ 1000 por semana e o motorista pagava rindo. Em três dias, no máximo, eles cobriam”, lembra.

Hoje, B. conta que é preciso trabalhar mais tempo para atingir o mesmo valor. Ainda assim, o serviço é rentável e desperta o desejo nos motoristas de ter um carro para chamar de seu. Ele revela que há certa rotatividade. “Os motoristas acham que estão dando muito dinheiro para nós, que trabalham muito e têm condições de comprar o carro deles. Só que não é só sentar e dirigir. Tem prestação, seguro, uma eventual batida, quebra do carro... A maioria não tem esse capital para girar e acaba se endividando”, diz o motorista, que chega a estocar peças quando encontra preços em conta.

Nem sempre quem delega a direção do seu carro tem o lucro como objetivo. L. alugava um carro por R$ 400 por semana. Sem recursos e renda comprovada, era muito difícil adquirir o seu próprio automóvel. A “liberdade” só veio com a ajuda da família: “O meu cunhado comprou o carro e eu pago a prestação, que é menor do que o aluguel. Consigo trabalhar mais tranquilo, passei a andar mais perto de casa e tenho mais tempo para a minha família”, finaliza o morador de São Gonçalo, que antes atravessava a Baía de Guanabara para dirigir no Rio.

Futuro incerto

O futuro do aplicativo no Rio ainda é rodeado de incertezas. Um projeto de lei da vereadora Vera Lins (PP) para proibir o uso de veículos particulares cadastrados em aplicativos tramita na Câmara de Vereadores e há um ano aguarda votação.

No seu programa de governo, o prefeito eleito Marcelo Crivella (PRB) manifestou a intenção de garantir que o Imposto Sobre Serviço (ISS) das viagens realizadas no Rio seja recolhido na cidade, e não em São Paulo, onde fica a sede da empresa Uber. Crivella propõe que os recursos resultantes dessa receita sejam usados na manutenção e modernização da frota de táxis até 2018. O documento foi retirado do site de Crivella após a vitória no segundo turno, mas está disponível no site do Tribunal Superior Eleitoral.

Uber explica

Em nota enviada ao Vozerio, a assessoria de imprensa da Uber ressaltou que a prática de aluguel dos carros não infringe as normas da empresa: "Na Uber, depois do processo de ativação, a única barreira inicial de entrada para trabalhar como motorista é ter acesso a um carro. (...) Não se trata de ser proprietário de um veículo, mas sim de ter acesso a um carro e a sua documentação. Isso quer dizer que qualquer profissional com acesso a um veículo pode se cadastrar para dirigir na plataforma da Uber, desde que essa pessoa seja aprovada nos processos de verificação de
informações."

Segundo a Uber, impedir a participação dos que não possuem o próprio automóvel seria afastar os que mais podem se beneficiar do modelo da empresa ." Exatamente este motorista profissional, que não tem recursos para comprar um carro, é o que mais precisa de mais oportunidades para ganhar dinheiro. Proibir isso é retirar esta chance de quem quer ganhar dinheiro", continua a nota.

  • Compartilhe:

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre mobilidade

Nova lei divulgada nesta segunda (28) quase vetou operação do aplicativo no Rio

Cinco desafios para o próximo prefeito do Rio

Especialistas em saúde, educação, mobilidade, segurança e economia apontam os principais problemas que o novo gestor da cidade vai precisar resolver

Lugar de bike é na rua

No Méier, com os ativistas do Bike Anjo, repórter do Vozerio testa como é pedalar em ruas sem ciclovia. Bairro tem debate hoje sobre o tema

Estudo sobre Centralidades urbanas do Rio mostra hierarquias e desigualdades na Região Metropolitana

Pesquisa mostra que das 30 principais centralidades, 22 estão na cidade do Rio de Janeiro

Mais sobre Uber

Advogado analisa aplicativo do ponto de vista do direito econômico
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino