Burburinho

  • Compartilhe:
Burburinho 29 / 04 / 2016| Isabela Fraga

Um Rio de azulejos na Maré

Neste sábado (30/4), será inaugurado um enorme painel de azulejos na casa de uma das moradoras mais antigas da Maré, Zona Norte do Rio. Parte do projeto Correspondências Cariocas, da ONG Redes da Maré, a obra é a primeira de uma série que pretende transformar a rua numa galeria a céu aberto.

A casa da dona Severina, na Nova Holanda, Complexo da Maré, está com uma cara diferente: a fachada, antes de tijolos azuis-claros, agora é um grande painel de azulejos que conta a história do Rio. As 1.300 peças foram pintadas por 42 duas crianças integrantes do projeto Correspondências Cariocas, desenvolvido pela ONG Redes da Maré. O painel será inaugurado neste sábado (30/4), às 11h.

É o primeiro passo para a concretização de uma ideia bem mais ambiciosa. "Queremos criar uma galeria a céu aberto", sintetiza Eliana Souza e Silva, diretora da organização. O objetivo parece estar encaminhado: vários outros moradores, ao verem o painel na casa de dona Severina, ofereceram suas próprias fachadas para outras obras de arte criadas pela própria comunidade. "A ideia é justamente esta, estimular uma relação diferente dos moradores com aquele espaço", afirma Eliana.

Os azulejos foram pintados em oficinas que já acontecem há dez anos na Maré, organizadas pelo Atelier Azulejaria em parceria com a Redes. Segundo a arquiteta Laura Taves, idealizadora e diretora da Azulejaria, a escolha dos azulejos como "tela" para a pintura das crianças não foi acidental. "O azulejo é um pretexto para a gente falar da cidade, da arte. E um pretexto muito interessante, porque é herança histórica e um material muito poderoso das nossas memórias", explica. Não à toa, continua Laura, muitas das crianças que participaram das oficinas chamam os azulejos de "piso".

JPEG - 46.4 kb
Criança pintando azulejo em uma oficina do projeto Correspondências Cariocas (foto: Elisângela Leite)

No começo, o projeto recebia financiamento da Petrobras, que acabou em 2014. Após um tempo mantendo o Azulejaria voluntariamente, Laura e a Redes o inscreveram num edital de fomento à cultura carioca da Prefeitura, que deu origem ao Correspondências Cariocas. Nas aulas que davam para cerca de 10 crianças, Laura e sua colega Marcia Queiroz pediam para as crianças contarem suas vidas nos azulejos. "Estava tendo muita operação policial na época, então as crianças falavam o tempo todo do caveirão", conta a arquiteta. Em uma das histórias coletivas que os alunos desenvolveram durante a oficina, o final chocou a professora: aparecia o caveirão e matava todos. Paineis com esses azulejos estão expostos na sede da Redes, na Nova Holanda.

Além do painel montado na fachada da casa de Dona Severina — que mora ali há cinquenta anos e é considerada uma das matriarcas da Nova Holanda —, o projeto Correspondências Cariocas produziu também uma série de cartões postais desenhados pelas próprias crianças. Alguns deles, inclusive, foram enviados para outros países, e os alunos estão começando a receber respostas. "Vamos apresentar as respostas também no sábado, durante a inauguração", revela Laura.

Os azulejos do Correspondências Cariocas que compõem o painel na casa de Dona Severina abordam temas relacionados à história do Rio que as crianças aprenderam durante as oficinas. "Há alguns sobre a fundação da cidade, outros com índios", conta Laura. "Elas [crianças] se reconhecem no trabalho. Isso influencia muito a autoestima e o respeito que elas têm por elas mesmas e pela Maré." A instalação dos azulejos, aliás, foi feita pelo pai de uma das alunas cujos azulejos estão expostos.

  • Compartilhe:

Mais Burburinho

Parque Madureira não tem data para chegar à avenida Brasil

Prometida por Eduardo Paes para o ano passado, obra depende agora do aval de Marcelo Crivella

CCBB é palco de protesto após episódio de lesbofobia

Visitante acusa namorado de funcionária de discriminação durante ida ao local na última sexta (30)

Que tal aterrar a Lagoa?

Livro reúne soluções mirabolantes já propostas para os problemas de um dos principais cartões-postais do Rio

Ouça as vozes do Rio

Preencha o formulário abaixo para assinar o boletim do VozeRio

Mais sobre desenvolvimento social

Fazendas urbanas e reformas planejadas para favelas são algumas iniciativas que pretendem tornar mais equilibrado o crescimento das metrópoles brasileiras

"Precisamos mudar o CEP do emprego"

Como diminuir as desigualdades gritantes na Região Metropolitana do Rio? No OsteRio desta terça-feira (29/3), um caminho ficou claro: mais centros e oportunidades, menos distâncias e deslocamentos

Saudosas malocas

Urbanista Raquel Rolnik discute transformação da habitação, de política social em ativo financeiro, em novo livro lançado no Rio

Acessibilidade é desafio para idosos que vivem em favelas

Escadas, calçadas defeituosas e dificuldades de transporte são obstáculos para que moradores tenham acesso a lazer, saúde e serviços

Mais sobre Complexo da Maré

Como é a relação dos usuários de crack com os outros moradores do Complexo da Maré, onde se estabeleceu a única cena de consumo da droga permanente do Rio

Operação policial deixa moradores ilhados na Maré

Tiroteios intensos nos dias 8 e 9 de setembro deixam pelo menos um adolescente morto e três pessoas feridas

Anjos da Maré

Com força de pesadelo, a violenta realidade da Maré invade as noites de Renata Rodrigues, assessora de imprensa do Viva Rio

Mais sobre criança

Gente de todos os tipos e idades ocupou o Parque de Madureira neste Dia das Crianças — quando foram inauguradas três cascatas d’água, chamadas pela prefeitura de "Praia de Rocha Miranda"

Proibido para maiores

Seminário realizado na Biblioteca Estadual Parque debateu a participação de crianças na elaboração de políticas públicas

Mais sobre arte

No projeto "Banco dos Irreais", o mexicano José Miguel Casanova quer estimular a troca direta de tempo, serviços e experiências entre as pessoas sem a intermediação de dinheiro

Conheça os projetos cariocas que participarão da Bienal de Veneza deste ano

Nove dos quinze projetos brasileiros selecionados para o Pavilhão do Brasil na Bienal de Veneza são do Rio; iniciativas selecionadas vão de Madureira a Ipanema

"Será que a pichação é apenas uma atitude irresponsável?"

Gustavo Coelho é professor da Uerj e estuda pichação, bate-bolas e outros fenômenos cariocas sob o olhar da estética

Baixada em cena em espaços cariocas

Espetáculos teatrais, debates e encontros literários organizados por artistas da Baixada Fluminense ocupam bibliotecas parque a partir de hoje
Realização:
Iets
Patrocínio:
Universeg
Apoio:
Biblioteca Parque Estadual Biblioteca Parque Estadual
 
Licença Creative Commons
Desenvolvido em SPIP pela Calepino